Search Results

213 Result(s) found!
Duque da Ribeira – Símbolo e sentido, testemunha e protagonista da vida da Ribeira
9 Agosto, 2019 / , ,

Se passear pela zona da Ribeira, o que obrigatoriamente terá de fazer se vier ao Porto, é muito provável que se cruze com a estátua de homenagem a Deocleciano Monteiro (a localização exacta é na Rua Cimo do Muro, nº 12, junto à Ponte D. Luís).

Se o nome não lhe diz absolutamente nada, não se preocupe! O mesmo acontecerá à maioria dos portuenses! Já, porém, quase todos lhe saberão dizer quem foi o “Duque da Ribeira”, nome por que desde sempre ele foi e ficou conhecido. Conta aliás a tradição que foi a própria mãe quem, em face da dificuldade em pronunciar o nome Deocleciano, o tratava por “Duque”.

Nascido no Porto em 24 de Março de 1902 e falecido em 9 de Novembro de 1996, o Duque nasceu e viveu sempre na Ribeira, até à sua morte, sendo uma figura dela indissociável e absolutamente carismática ao longo de todo o século XX.

Com apenas 11 anos, salvou uma pessoa de morrer afogada no rio. Desde aí, essa marca heroica nunca mais o deixou, apesar da sua modéstia e extrema humildade.

O Duque cresceu no rio, onde toda a vida aí foi barqueiro. Conhecia o Douro, as suas águas, as suas correntes, a sua vida, como ninguém! Esse facto, aliado à sua coragem e agilidade física e ao facto de ser um excelente nadador, permitiu-lhe ao longo de toda a vida salvar muitas pessoas de morrer afogadas nas águas, por vezes traiçoeiras, do rio bem como, noutros casos, de resgatar os corpos daqueles que aí perdiam a vida. Centenas de pessoas devem a vida – literalmente – ao Duque da Ribeira!

Foi também o responsável por ensinar muitas crianças da Ribeira a nadar!

Estivador, marinheiro e até actor!, a popularidade do Duque era imensa, e não é toa que no seu livro de autógrafos constam as assinaturas de vários presidentes da república e mesmo até da Rainha Isabel II de Inglaterra!

Por tudo isto, e por fim, um aviso: se se aventurar pelas águas do Douro, faça-o com todos os cuidados! Já não temos o nosso Duque a guardar o rio! Ele que, conforme consta do busto da autoria do Mestre José Rodrigues que para sempre havia de perpetuar nas margens do Douro a sua memória e a homenagem da cidade, foi “símbolo e sentido, testemunha e protagonista da vida da Ribeira”

Arte Urbana
9 Agosto, 2019 / ,

Esta é uma arte ainda não entendida por muitos. Com uma história negativa associada, onde o vandalismo e a destruição de espaços públicos eram as palavras de ordem, as pessoas olham com desconfiança para os artistas que realizam estas obras.

Hoje, numa tentativa de mudar mentalidades e desmistificar esta forma de arte, surgem estes projetos um pouco por toda a cidade do Porto.

Raul Pinto é licenciado em Design Gráfico na ESAD – Escola Superior de Artes e Design e é conhecido neste mundo da arte como Kilos. Em 2018, teve a sua primeira exposição a solo na Dedicated Store Porto, intitulada de “DEDICATED to Kilos”. Este ano realizou a sua segunda exposição a solo na Suuuper (Porto),intitulada de “Shhh!”. Fique a conhecer algumas das suas obras!

Sabia que… o Parque da Cidade do Porto é o único parque urbano da Europa com frente marítima?
8 Agosto, 2019 / ,

Com uma superfície total de 83 hectares e cerca de 10km, o Parque da Cidade do Porto é o maior parque urbano do país e o único da Europa com frente marítima.

O parque foi projetado pelo arquiteto paisagista Sidónio Pardal, tendo sido inaugurado em 1993 (1.ª fase) e finalizado em 2002. No ano de 2000, foi seleccionado pela Ordem dos Engenheiros como uma das “100 obras mais notáveis construídas no século XX em Portugal”.

Entre lagos, fauna e flora variada, o Parque da Cidade acolhe ainda equipamentos complementares como o Pavilhão da Água e o Queimódromo.

Desfile de trajes de papel está de volta à Foz do Douro
7 Agosto, 2019 / , ,

Há quase dois mil anos atrás, São Bartolomeu morreu esfolado na Turquia e hoje inspira uma curiosa festividade celebrada anualmente, em Agosto, na cidade do Porto.

As festas de São Bartolomeu são um dos eventos mais esperados da cidade, com atividades gastronómicas, animação e espetáculos musicais garantidos até ao início de setembro.
A tradição remonta ao século XVI, quando as populações locais tomavam banhos na expectativa de curar doenças como a gaguez, a gota ou a epilepsia.
Oficialmente, as festas de São Bartolomeu existem desde o século XIX.

As festividades em honra de São Bartolomeu têm como ponto alto o Cortejo do Traje de Papel. Com muito trabalho e meses de preparação, folhas coloridas de papel transformam-se em
autênticos fatos e adereços que enchem as ruas do Porto de cor e alegria.
O desfile termina, como é habitual, com um mergulho nas águas do Atlântico. Manda a tradição que o ritual “banho santo” inclua sempre sete mergulhos. Só assim os participantes poderão agradecer os favores de São Bartolomeu e esperar amplos benefícios de cura e proteção proporcionados pelo santo para o ano seguinte.
O desfile realiza-se já no próximo dia 25 de agosto e o tema da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde será uma Homenagem a Sophia de Mello Breyner Andresen no seu Centenário.
Este é um dos eventos mais originais da cidade e do país, e uma tradição única no mundo que, ano após ano, atrai um número crescente de participantes, tanto nacionais como internacionais

Miguel Veiga – Um ilustre portuense
29 Junho, 2019 / , ,

Miguel Luís Kolback da Veiga nasceu no Porto a 30 de Junho de 1936, cidade onde faleceu em 14 de Novembro de 2016.

Ilustre advogado portuense, Miguel Veiga era célebre pela esmerada produção, quase literária, das suas peças processuais e pela forma brilhante como se apresentava em juízo.

Desde cedo integrou movimentos académicos de oposição ao regime de Salazar, o que o impediu anos mais tarde de ser admitido como docente universitário.

Depois da revolução de Abril, logo em Maio de 1974, é responsável, ao lado de Francisco Sá Carneiro, Magalhães Mota e Francisco Pinto Balsemão, pela fundação do Partido Popular Democrático, hoje Partido Social Democrata, do qual fez parte até à data da sua morte e do qual foi um dos seus membros mais brilhantes, mesmo quando para frontalmente discordar do rumo traçado. Por isso, contra as indicações do seu partido, foi apoiante de Mário Soares na sua primeira candidatura a Presidente da República e, mais recentemente, de Rui Moreira, atual presidente da Câmara Municipal do Porto.

Apesar de solicitado para tal, nunca exerceu funções governativas. Dizia, em resposta aos convites recebidos para tal, “não querer perder a sua liberdade nem deixar o Porto”, cidade da sua paixão.

Ao lado do seu trabalho, da intervenção cívica e política de elevado nível, Miguel Veiga era ainda um amante das artes, da literatura à pintura, do cinema à escultura, aí recolhendo contributos que muitas vezes ilustravam as suas intervenções públicas.

O nome de Miguel Veiga é importante para a história da democracia portuguesa, da busca e afirmação dos valores da liberdade e da justiça, da frontalidade, independência e firmeza de carácter que é tão apanágio dos homens bons do Porto.

Miguel Veiga foi ainda autor de vários ensaios jurídicos e culturais, e uma voz presente na imprensa escrita onde ao longo da vida muito colaborou.

É Grande Oficial da Ordem da Liberdade e recebeu a medalha de Honra da Cidade, a mais alta distinção do Porto.

Escadas das Sereias
29 Junho, 2019 / ,

Entre o Largo da Alfândega e a Rua da Bandeirinha, encontra-se um caminho que revela os segredos da parte antiga da cidade do Porto.

As Escadas das Sereias, no popular bairro de Miragaia, tomaram o nome do vizinho Palácio das Sereias. O palácio de meados do século XVIII foi residência citadina da família Cunha Osório Portocarrero e deve o seu nome às avantajadas esculturas que ornamentam a sua fachada.

Da azáfama do trânsito na Ponte da Arrábida à tranquilidade do rio Douro, o topo da escadaria permite-nos sentir a cidade e os seus sons.

São João – A noite mais longa!
21 Junho, 2019 / , ,

Se estiver no Porto na noite de 23 para 24 de Junho, seja bem vindo ao São João!

Com origens na celebração pagã do solstício de verão, o feriado municipal da cidade (dia 24) é hoje uma festa católica que assinala o nascimento de São João Baptista.  Apesar de não ser o santo padroeiro da cidade (responsabilidade que cabe a Nossa Senhora da Vandoma), o São João é a maior e mais popular festa que o Porto acolhe. Na noite de 23 toda a cidade sai à rua (por isso prepare-se para banhos de multidão em todo o lado) numa explosão de alegria, música, animação e cor que só termina com o raiar do dia.

Para viver em pleno esta noite, eis o que precisa saber:

– durante a tarde, compre um martelo de plástico ou um alho-porro – vai precisar deles para bater na cabeça de todo e qualquer desconhecido que passar por si. Acredite!

– delicie-se com as cascatas sanjoaninas – há-as maravilhosas por toda a cidade – uma espécie de presépio das artes e ofícios, mas em versão São João;

– um manjerico não se cheira, não lhe enfie o nariz (toque-lhe com a mão e sinta depois nela o aroma)!

– não falhe isto por nada – calce os seus sapatos mais confortáveis, vista roupa prática e não dispense um agasalho para a noite – vai andar muuuuuuito, mas mesmo muito, a pé por toda a cidade, da baixa até à foz (e vai demorar muito a fazer trajectos pequenos porque está toda a gente na rua!) e as orvalhadas de São João não são um mito!

– antes da meia-noite, escolha um local privilegiado para assistir ao fogo-de-artifício junto ao rio e à Ponte D. Luís;

– ao longo da noite, vá petiscando uma bela sardinha assada com broa (não há como escapar – a cidade inteira cheira a sardinha assada) e saltando de bailarico em bailarico, de arraial em arraial – há-os por toda a cidade, sendo os mais tradicionais os das Fontaínhas, Miragaia e Massarelos;

– coma bem (uma bifana e um caldo verde também são obrigatórios!), ou não vai aguentar os copos que vão ser garantidamente muitos!

– não se assuste que não é uma invasão marciana no céu do Porto  – são pequenos balões de ar quente em papel que são lançados ao céu – consegue comprá-los em mercearias, quiosques, lojas chinesas…

– para os mais corajosos, diz a tradição que a noite deve terminar na praia, e de preferência com um mergulho no mar. Por isso, atreva-se!

– no dia 24, para curar o cansaço (e a ressaca!), aproveite para descansar à beira-rio e acompanhar a regata de barcos rabelos (as embarcações tradicionais que desciam o Douro com as pipas de vinha do Porto).

Importante mesmo, é que se divirta!

Bom São João!!!

 

 

 

Igreja de S. João Novo
22 Maio, 2019 / , ,

Construída na escarpa que desce até ao Douro, num local designado de “Boa Vista”, encontra-se um dos edifícios religiosos mais significativos do centro histórico do Porto. A Igreja de S. João Novo foi construída em meados do século XVI e apresenta grandes semelhanças artísticas e arquitectónicas com a Igreja de S. Lourenço.

O edifício, com planta de cruz latina, foi construído um pouco acima da antiga ermida de S. João Belmonte. A construção aproveitou, ainda, a muralha, na qual ancorou a construção da igreja e respetivo mosteiro. No exterior, é possível observar partes da muralha e acompanhar o seu percurso. Já no interior da igreja, encontram-se vários altares de talha, do período barroco (século XVII) e azulejos da mesma época.

No altar-mor, enriquecido com retábulo, datado do período entre 1757 e 1766, encontra-se uma tela móvel reservada ao tema da Visão de Santo Agostinho. A obra é atribuída a João Glama Stroberle, pintor de origem alemã, que nasceu em Lisboa, no ano de 1708. No mesmo altar-mor é também possível observar um mausóleo que capta a atenção de qualquer um, pela sua magnífica decoração – o autor da obra é desconhecido.

O Coro Alto da igreja é composto por um cadeiral de uma só fila e do lado do Evangelho encontra-se um órgão de tubos. Destaque ainda para os azulejos alusivos à vida de Santa Rita de Cássia, da autoria de Bartolomeu Antunes, localizados no altar lateral de Santa Rita, a imagem de Santo Ovídeo e a imagem de Nossa Senhora da Guia, da autoria de Manuel Mirada, situada no altar colateral. Também de grande interesse é o altar do Senhor dos Passos, localizado no lado direito; a imagem da invocação de Jesus Cristo é de grandes dimensões e apresenta traços, profundamente, realistas.  Desta igreja saía a procissão do Senhor dos Passos, muito provavelmente seria a imagem que se encontra neste altar lateral que saía em procissão.

Em frente à igreja encontra-se o Palácio de S. João Novo, construído em finais do século XVIII, de estilo barroco e que muitos atribuem a Nicolau Nasoni. Embora se encontre encerrado há mais de uma década, o Palácio serviu de hospital durante o Cerco do Porto, nas Guerras Liberais e, mais tarde, de Museu de Etnografia.

Para além das semelhanças com a igreja do antigo Colégio Jesuítico de S. Lourenço, a Igreja de S. João Novo revela também a influência da Igreja dos Grilos, pela composição da fachada e pelo ordenamento interior.

O edifício está apto para pessoas com limitações físicas e embora esteja encerrada aos domingos, é possível visitar a Igreja de S. João Novo de segunda a sábado, gratuitamente.

Este ano, a Igreja de S. João Novo é um dos espaços da cidade do Porto que integra a programação do In Spiritum – o festival propõe a descoberta do património histórico através da música.

Oferta multidesportiva no mais eclético dos clubes
1 Abril, 2019 / ,

Um clube eclético que representa Porto e Portugal com 115 anos de vida e muitos mais ainda para honrar o seu passado.

Quando em 1904, José Marques Barbosa e José Meirelles, dois jovens remadores se lembraram de formar um clube, nunca imaginaram que volvidos todos estes anos o centenário Sport Club do Porto tornar-se-ia num dos mais ecléticos emblemas nacionais, com equipamentos desportivos numa e outra margem do rio Douro que o viu nascer e em diversos municípios.

É esta dispersão territorial e de equipamentos, aliada à vasta oferta ao nível das modalidades – andebol, culturismo, dança, desporto adaptado, desporto automóvel, esgrima, fitness, futebol, ginástica, halteres, hipismo, hóquei em campo, náutica de recreio, rugby, padel, patinagem artística, ténis, vela e voleibol –, que fazem do Sport um caso ímpar no desporto, mas também ao nível da promoção turística.

Da Marina do Freixo ao Centro de Vela, em Leça da Palmeira, do Centro de Remo em Gaia ao Centro Hípico na Prelada, não faltam as mais variadas valências para quem procura nesta área metropolitana muito para além dos habituais roteiros turísticos, que complementado com a sua vasta oferta na Vila Desportiva do Sport, no Parque da Cidade, torna o nosso clube num ‘anfitrião’ de excelência, com equipamentos sem paralelo e em tão grande escala em todos estes municípios por onde se distribui: Gaia, Matosinhos e Porto.

Toda esta oferta ao nível de equipamentos tem também implícita uma história desportiva sem paralelo de 115 anos, traduzida em muitos títulos nacionais nas mais diversas modalidades e constantes presenças de alguns dos nossos mais brilhantes atletas em Campeonatos da Europa, Taças do Mundo, Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos.

Entre os muitos nomes que passaram pelo Sport, recordamos com orgulho o cineasta Manoel de Oliveira que muito antes de ser uma personalidade incontornável do cinema mundial foi atleta do Sport nas mais diferentes modalidades. Para além de ter sido triplo campeão de salto à vara e piloto de automóveis, foi juntamente com o seu irmão Casimiro trapezista na nossa primeira companhia de circo.

É assim o Sport, em que a para além da vertente desportiva tem tido um papel sem igual na formação de sucessivas gerações de jovens que habitam esta área metropolitana ou que em dado momento da sua vida académica também passaram pelo Porto.

Exposição Escher na Alfandega
29 Março, 2019 / , , ,

O Hey Porto falou com Frederico Guidiceandrea, um dos curadores da exposição e um grande especialista da obra de M.C. Escher

– O que pode o público esperar desta exposição no Porto?

Esta exposição cobre toda a carreira artística de MC Escher, começando pelos seus trabalhos iniciais que reflectem a influência do seu professor, Jesserun de Mesquita, um expoente máximo da arte nova nos Países Baixos. Um espaço importante é dedicado ao período italiano, às imagens nocturnas de Roma, às paisagens do sul de Itália e aos estudos da natureza.

Nas zonas seguintes são apresentados os seus trabalhos mais conhecidos: as tesselações, os edifícios impossíveis, as fitas, os sólidos regulares, as superfícies reflectivas e as metamorfoses. A exposição continua com trabalhos esporádicos que MC Escher criou por encomenda tal como bookplates, cartões comemorativos, selos postais e outros.

A exposição termina com um amplo espaço dedicado à Eschermania, onde é demonstrada a influência de MC Escher na iconografia dos séculos 20 e 21. Capas de livros, posters psicadélicos, capas de LPs, banda desenhada, revistas, clips de vídeo e trabalhos de artistas contemporâneos inspirados em MC Esher.

Ao longo da exposição uma série de jogos experimentais trazem o público ao mundo de MC Escher. É possível experienciar os paradoxos da percepção codificados pelas leis de Gestalt e entrar fisicamente em algumas obras do artista.

– Como define a arte de Escher?

A arte de Escher pode ser interpretada por camadas. À primeira vista o espanto prevalece, e depois ao observar mais profundamente poderá descobrir mais e mais detalhes: paradoxos de percepção, estruturas matemáticas, referências à paisagem italiana e aos grandes artistas do passado. Todas as vezes que monto esta exposição, apesar de já ter visto as obras centenas de vezes, descubro sempre algo novo.

– Quais são as suas principais referências?

A sua principal influência, especialmente na sua fase inicial, é certamente a arte do seu mentor Jesserun de Mesquita, que foi um importante expoente da arte nova holandesa. Mais tarde em Itália tomou contacto com os expoentes do Futurismo, em particular com um movimento chamado ‘Aeropittura’ que retratava cenas e paisagens de cima com um uso incomum de perspectiva. Nos seus últimos trabalhos a maior influência veio do contacto com o mundo da matemática, especialmente da correspondência que manteve com importantes matemáticos como Roger Penrose or Harlod Coxeter que foi base de muitos trabalhos icónicos.

– Escher é intrigante, perturbador, desconcertante, um verdadeiro génio. Concorda?

Sim, o seu trabalho captura várias tendências da sociedade tecnológica. Teorias científicas modernas tais como a teoria da relatividade ou da física quântica mudaram profundamente a modo como vemos o mundo. O mundo não é como o observamos, numa escala muito grande ou muito pequena pode ser muito contra-intuitivo e paradoxal. MC Escher, através das suas tesselações e estruturas impossíveis, abre uma janela que nos permite ver a complexidade do mundo.