Cultura

O MENSAGEIRO, de IRENE VILAR
13 Fevereiro, 2019 / ,

Uma estátua plantada à beira-rio que traz esperança à cidade do Porto

Irene Vilar nasceu em Matosinhos em 1930 e é detentora de uma vasta obra plástica espalhada por muitos países como Alemanha, África do Sul, Brasil, Bélgica, Holanda e Macau. Distinguida ao longo da vida com vários prémios, a artista afirmou-se em áreas diversas como a escultura, numismática, medalhística e pintura. Foram cerca de cinco décadas de produção e afirmação artística que lhe valeram diversos prémios e distinções

A artista teve desde muito nova uma grande ligação à Foz do Douro, onde viveu a partir dos 19 anos e onde veio a montar o seu atelier.

Uma das suas obras mais emblemáticas é sem dúvida “O Mensageiro”. Escultura em bronze – um dos seus materiais de eleição – , de cariz expressionista, marca majestosamente a margem do Rio Douro  junto ao Cais de Sobreiras, em plena Foz do Douro.

Inaugurada em 2001, “O Mensageiro”, ou “O Anjo” como é vulgarmente conhecida pelas pessoas do Porto, trazia, segundo a autora “a boa esperança à cidade do Porto”. Talvez por isso se tenha transformado quase num local de culto, onde as pessoas depositam flores e velas a seus pés.

Irene Vilar morreu aos 77 anos, em 2008.

 

 

IGREJA DOS GRILOS – MUSEU DE ARTE SACRA E ARQUEOLOGIA
4 Fevereiro, 2019 / , , ,

Igreja de S. Lourenço ou Igreja dos Grilos, uma visita a não perder e com uma vista panorâmica sobre o rio Douro, a Invicta e a margem de Gaia

Um passeio a pé pelo centro da cidade com destino à Sé do Porto é um roteiro habitual dos turistas que visitam a invicta. Descobrir a baixa da cidade é uma aventura. À medida que caminhamos pelas ruas estreitas da cidade antiga vamos descobrindo os seus segredos e as suas curiosidades.

Convidamos hoje o turista a aventurar-se pelo Bairro da Sé adentro. A Sé, imponente, é o ponto de partida para a nossa aventura. Logo a poucos metros, num beco que parece não ter saída, surge a Igreja de S. Lourenço, mais conhecida por Igreja dos Grilos que, em conjunto com o Colégio homónimo, está classificada como Monumento Nacional.

Começou a ser edificada pelos jesuítas no século XVI e só foi terminada no século XVIII. Se a maioria das Igrejas ostenta uma riqueza e opulência muitas vezes exagerada, a Igreja dos Grilos surpreende pelas suas linhas simples que deixam as paredes desnudas e sem adornos.

Na Igreja destacam-se o lindíssimo altar de Nossa Senhora da Purificação, o fantástico órgão com 1500 tubos que, segundo os registos foi construído em finais do séc. XVIII e o presépio, uma construção única, datado do século XVIII e cuja autoria é atribuída a Machado de Castro. Na altura do Natal, a par da tradição de tantas outras igrejas da cidade, é possível apreciar este raríssimo presépio composto por largas dezenas de figuras e que é colocado logo à entrada do monumento.

A Igreja dos Grilos, apesar de correctamente se designar por Igreja de S. Lourenço, foi inicialmente a Igreja e o Colégio dos Jesuítas. Com a extinção e expulsão dos jesuítas pelo Marquês de Pombal, no século XVIII, a Igreja é doada à Universidade de Coimbra e mais tarde comprada pelos Frades Descalços de Santo Agostinho, que por terem a sua residência principal em Lisboa, na Calçada dos Grilos, eram vulgarmente chamados por Padres Grilos. E é assim, que se começa a chamar a esta Igreja, a Igreja dos Grilos, e apesar de estes já aí não residirem.

O Museu de Arte Sacra e Arqueologia do Porto – com acesso por uma porta contígua à esquerda da Igreja – expõe uma coleção de peças interessantes desde a estatuária de santos, à ourivesaria religiosa e outras peças litúrgicas. É também aqui no Museu que, da magnífica varanda, se pode ter uma vista ímpar sobre o Porto e Gaia e sobre o rio Douro. Uma vista deslumbrante que não poderá perder!

Guilhermina Suggia
10 Janeiro, 2019 / ,

Nasceu no Porto, em 1885. Guilhermina Suggia cresceu rodeada de música, muito devido ao seu pai que era violoncelista. Muito cedo começou a ter aulas de violoncelo e com apenas 7 anos fez a sua primeira aparição em público, em Matosinhos. Com 13 anos já integrava o Orfeão Portuense e rapidamente apaixonou os portuenses. Foi um passo até dar os  primeiros espectáculos, muitas vezes acompanhada da sua irmã. Com 16 anos recebeu uma bolsa, da Rainha D. Amélia, para frequentar o melhor Conservatório Europeu. Passou pelas salas mais conceituadas de Londres e de todo o mundo, mas nunca esqueceu a sua cidade natal. É neste percurso que encontra a diretora do Conservatório de Música do Porto e é também nesta saga que nasce a Orquestra Sinfónica do Conservatório. Guilhermina Suggia percorre Portugal de Norte a Sul e encanta todos com o seu talento. Na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, em Matosinhos, encontram-se  diversos documentos como a sua correspondência pessoal e oficial, fotografias…

Partiu com apenas 65 anos, mas deixou a sua marca, como melhor violoncelista portuguesa.

 

O Porto Escondido
9 Janeiro, 2019 / , , ,

As cidades constroem-se por cima das cidades. Esta é uma ideia que quer os arqueólogos, quer os arquitectos pressentem na realidade do seu trabalho cotidiano, que os condiciona, que os motiva e que está na raiz do futuro de qualquer cidade.

Desde que o Homem se sedentarizou, isto é, desde que os bandos de caçadores recolectores nómadas em busca dos melhores terrenos de caça deram origem ao assentamento permanente em aldeias cujos habitantes passaram a viver da agricultura e da criação de gado, que o tipo de habitação se modificou e passou a ter um carácter estável, com a adoção de materiais como o adobe, o tijolo e a pedra, para além da madeira, utilizada desde sempre.

Constatamos isso em povoados tão antigos como Çatal Hüyük (Anatólia, sul da Turquia) ou Jericó (Palestina), talvez as cidades mais antigas que se conhecem, construídas entre 8.000 e 7.000 a.C., e onde as construções se foram sucedendo, sendo as cidades ampliadas horizontalmente, mas também à custa dos derrubes das construções anteriores, aproveitando-se muitas vezes os seus alicerces para sobre eles se erguerem novas construções.

O Porto não terá sido diferente. Mas quem o sobrevoa, quem chega da outra margem ou quem percorre as suas ruas e observa o seu casario, não tem essa percepção, vê apenas aquilo que os seus olhos captam, as ruas, as casas, os prédios, as infra estruturas, não se lembrando que esta é apenas a nossa cidade, não a dos nossos avós e outros ancestrais.

Essas, as cidades deles, estão por vezes enterradas debaixo da nossa e, num momento em que o Porto vibra com a sua recuperação, sobretudo com a recuperação do seu Centro Histórico, os sinais dessas “cidades” que nos antecederam vêm ao de cima.

Talvez os vestígios mais antigos se encontrem no edifício da Rua D. Hugo, nº5, por detrás da Sé, onde foi possível sequenciar uma ocupação com vestígios desde o século VIII a.C., com casas de planta redonda. A que se sobrepõem casas já do período romano, de planta quadrangular.

Outro fantástico exemplo da forma como a cidade se foi construindo, é-nos fornecido pelas escavações arqueológicas da Casa do Infante, já numa zona baixa da cidade, em que a uma grande e luxuosa casa romana e tardo-romana (Séc. IV-VI) se sobrepõem as construções medievais, com a edificação dos armazéns do Rei, da Alfândega Régia e da Casa da Moeda, perdurando a sua ocupação e sucessivas ampliações ao longa da Idade Moderna e Contemporânea.

Mas o exemplo que vamos dar é igualmente representativo: numas obras dum edifício com frentes para a rua de S. Francisco e para a Rua Nova da Alfândega, onde esteve sedeada a antiga empresa de trânsitos A. J. Gonçalves de Moraes, em escavações aí realizadas apareceram vestígios da cidade oitocentista, mais concretamente o antigo quarteirão dos Banhos.

Aterrado quando das grandes transformações urbanísticas inerentes à construção do edifício da Alfândega Nova (1860-1870), construção da Rua Nova da Alfândega e da Rua Ferreira Borges, que implicou a destruição do Mosteiro de S. Domingos, o velho quarteirão dos Banhos ficou sepultado sob 5 metros de entulho.

As escavações mostraram uma outra faceta da cidade, uma zona ribeirinha e mal-afamada, que começava no areal já descrito por Ranulfo de Granville em 1147 e onde se situavam uns dos balneários da cidade, junto ao postigo dos Banhos e à Rua dos Banhos.

Fui uma dessas vielas, ainda com edifícios dos dois lados que foi posta a descoberto. Uma das casas, defronte da porta de entrada ladeada por janelas com grades de ferro, tinha um pátio lajeado.

Numa zona contígua, por debaixo cerca de um metro, o forte alicerce do que pode ter sido o edifício medieval dos banhos públicos. A escavação ficou por aí.

Mas o achado de materiais de construção romanos pode indiciar a presença de vestígios bem mais antigos…

 

Marcelo Mendes Pinto – Arqueólogo. Investigador CITCEM

Fenianos, pelo Porto.
15 Dezembro, 2018 / ,

O Clube Fenianos Portuenses nasceu a 25 de Março de 1904 primeiramente na Praça da Batalha passando depois em 1935 para a sua localização atual, na Av. dos Aliados bem ao lado da Câmara Municipal do Porto.

O clube foi reconhecido como comendador da ordem militar de cristo pelos serviços prestados nos seus 111 anos de existência e com a medalha de ouro da cidade, já que o seu lema é “Pelo Porto”.

Um conjunto de quatro dos fundadores por volta de 1903, cidadãos portuenses e futuros fenianos, procuraram obter os conhecimentos necessários para a organização de um corso carnavalesco com a exuberância do carioca e a beleza estética do de Veneza, tendo realizado uma viagem ao Brasil para esse efeito.

A partir desta colaboração nasce cerca de um ano depois o Clube Carnavalesco Fenianos Portuenses, mais tarde Clube Fenianos Portuenses. O objetivo principal era devolver à cidade um carnaval à altura da sua sensibilidade artística.

Como nota de curiosidade o soalho do salão nobre também traz consigo o “efeito brasil” já que todo ele é de pau-cetim de tom claro e macacaúba.

A história, património, memórias e intervenção cívica e cultural na cidade, dos Fenianos, entranhou-se na cidade e foi acarinhada pelas suas populações, eruditos, notáveis e anónimos, tornando-se tradição memorável do Porto. A sua centenária e nobre história, os seus livros de ouro e as lápides e quadros que revestem, interiormente, as suas vetustas paredes, registam a presença de algumas das mais importantes forças vivas da cidade, da indústria e do comércio, nomes de grande vulto de escritores, como Aquilino Ribeiro, Jorge de Sena, José Régio, dramaturgos como Pirandello, artistas plásticos, fotógrafos e pintores de renome como Guedes de Oliveira e o renomado pintor Amadeu de Sousa Cardoso, folcloristas e musicólogos como Armando Leça, palestras com o historiador da cidade Artur de Magalhães Basto e muitas, muitas outras individualidades de craveira nacional e internacional.

Nos dias de hoje continua a manter uma programação anual de actividades sócio-culturais permanentes, que vão da Música, Canto Coral e Instrumentos ao Ilusionismo, passando pelo Teatro, Dança, Bilhar, Ténis de Mesa e outros Jogos de Salão, não só para os associados mas para todos os que o visitam.

D. António Ferreira Gomes: procurar o bem sem temer a pena
15 Dezembro, 2018 / ,

Seria desonesto, e mesmo bizarro, negar a dimensão e o impacto político de uma figura como o antigo Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes (1906 – 1989) identificado como um crítico do regime ditatorial do Estado Novo em Portugal que vigorou de 1933 até 25 de abril de 1974. Mas é fácil desfocar o olhar e diminuir a pessoa quando afunilamos a perspetiva a partir da qual a procuramos compreender. Entender que em Deus se pode encontrar a força libertadora, a confiança que dá aos gestos e às palavras a emancipação de todos os poderes que passam (sobretudo dos que se creem eternos), preveniria muitos enganos. É um engano reduzir D. António a um ator político e ler a partir daí os seus gestos e as suas intenções.

O Bispo do Porto foi um homem de Deus, movido pelo desejo de fidelidade à Igreja e à sua Doutrina Social. Não quis estar à frente do seu tempo. Foi por ser um homem do seu tempo que soube ler os dramas humanos, sociais e religiosos dos dias que vivia. Por isso, gerou tantas resistências. A carta que escreveu a Salazar, e acabou por contribuir para o seu exílio de dez anos (1959 – 1969), revela essa sua capacidade de compreender a realidade. Escritas a 13 de julho de 1958, aquelas linhas pretendiam preparar um encontro com Salazar. Tratava-se de um “pró-memória” através do qual D. António quis apresentar ao Presidente do Conselho os temas e as questões que gostaria de discutir no encontro que deveriam ter.

A carta era reveladora da sua sensibilidade à injustiça. Seguindo a Doutrina da Igreja, falava da necessidade dos frutos do trabalho serem equitativamente distribuídos, reconhecia o Direito à greve, denunciava misérias humanas e abria a possibilidade de se criarem partidos. Desejava para os católicos uma formação política e cívica que lhes possibilitasse uma participação consciente e livre na vida social. A carta acabaria por ser revelada publicamente. O Bispo do Porto negou sempre qualquer responsabilidade neste incidente.

O que movia D. António Ferreira Gomes não eram jogos infrutíferos ou a procura de protagonismos. A partir da leitura profunda e exigente da realidade, liberto de medos, porque fundado em Deus, desejou o bem e a justiça.

Esta raiz espiritual é muitas vezes difícil de captar. São poucos os que são capazes de compreender o ser humano a partir de convicções e motivações tão profundas. Mas apenas estas sustentam os homens livres. E só quem é livre encontra o desapego de procurar o bem sem temer a pena.

Museu dos Clérigos
14 Dezembro, 2018 / , ,

O percurso pela Casa da Irmandade (1754-1758), onde se localiza o Museu propicia um regresso ao passado, a experiência de percorrer espaços, que em tempos, foram privados e destinados ao quotidiano da Irmandade dos Clérigos.

Percorrendo a Casa do Despacho, a Sala do Cofre, o Cartório, e a antiga enfermaria, percebe-se que o Museu possui um acervo constituído por bens culturais de valor artístico considerável, do século XIII até ao século XX, que se espraia nas coleções de escultura, pintura, mobiliário e ourivesaria. Esses bens são mensageiros de um património histórico e cultual, cuja função perdida na passagem do tempo, deu lugar à sua musealização.

 

 

A enfermaria da Irmandade dos Clérigos que funcionou até finais do século XIX dedicada ao tratamento dos clérigos doentes, foi convertida num espaço expositivo, e acolhe atualmente a coleção Christus. Esta exposição, concebida a partir da doação de uma coleção por parte de um colecionador particular, desvela a paixão pelo colecionismo, e conta uma história complementada com objetos, outrora de devoção, considerados hoje legados culturais de interesse. São peças de escultura de vulto, pintura e ourivesaria que enaltecem o encontro da arte com a fé.

A exposição, distribuída por três salas – Núcleo da Paixão, Viagem das Formas e Imagens de Cristo – convida a uma viagem pelo tempo e pelo espaço, pela imagem e pela devoção.

O Museu da Irmandade dos Clérigos integra a Rede Portuguesa de Museus, desde 28 de agosto de 2018.

 

A magia do Natal na Lapa
5 Dezembro, 2018 / , , ,

Se perguntarmos a diferentes pessoas o que é o Natal no Porto, receberemos diferentes respostas. Dirão que é a beleza da árvore de Natal dos Aliados, a cor das iluminações da baixa, o frenesim de Sta. Catarina, o bolo rei de diferentes pastelarias tradicionais ou o bacalhau de determinada mercearia conceituada por anos de infalível serviço ao palato dos portuenses. Tudo isto é verdade, e haveria mais a acrescentar. Contudo, tudo isto faz parte de algo infinitamente mais importante, tudo isto sublinha a alegria do que é realmente o Natal, mas não o esgota nem ofusca. O Natal é o nascimento de Cristo, o anúncio da redenção, a celebração da suprema confiança de Deus no Seu Povo.

Viver, ou estar no Porto, nesta data torna obrigatório testemunhar o modo como a cidade vive este momento central da sua espiritualidade. Atrevo-me a dizer que, pelo menos uma vez na vida, para não roubar público às outras paróquias, é obrigatório participar na extraordinária Missa do Galo na Lapa. O Natal também é magia, e a magia não é incompatível com a solenidade. A experiência da Missa do Galo na Lapa é isso mesmo, mágica e solene. Alí o espírito é desperto através dos diferentes sentidos de modo sublime. Enquanto os olhos se maravilham com a riqueza artística da Igreja e com o rigor estético da celebração, o cheiro do tradicional incenso reforça a intensidade do momento e a música de extraordinária execução e delicada escolha preenche o tempo entre as palavras que dão sentido a tudo o resto. É uma experiência única!

O cuidado muito especial posto nesta Missa, a observância estrita de uma tradição que se reforça a cada ano que passa, tem tido o condão de atrair cada vez mais gente, dando mais sentido ao Natal de cada um dos que escolhe aderir a esta celebração. Pode-se dizer que há pompa, rigor, encenação até, mas sem nunca se perder de vista o essencial. Todos dão o seu melhor para receber o Cristo chegado. Diria que é o ouro, o incenso e a mirra que o Porto tem para oferecer ao Menino.

 

Ousaria dizer que este não é um momento exclusivo dos crentes, seria um terrível egoismo. Este é tembém um momento para quem não crê, mas gosta de alimentar o seu espírito com a beleza da criatividade e com o poder sublime da arte em diferentes formas, a arquitectura, a pintura, a escultura, a música, a palavra. Crentes e não crentes, por diferentes razões, algumas delas comuns, saem dali de alma cheia e com a clara noção do privilégio da participação num momento tão especial. E o Natal acontece.

Francisco de Sá Carneiro – Frontal na Vida e na Política
7 Novembro, 2018 / , , ,

Se chegou ao Porto, aterrando no Aeroporto Francisco de Sá Carneiro, ou se, passeando pelas Antas, se cruzou com a sua estátua na praça com o mesmo nome, este artigo é para si!

Nascido e criado no Porto em 1934, Francisco de Sá Carneiro é um advogado e político português que se destacou desde cedo na oposição ao regime ditatorial então vigente, de que é expoente máximo a luta pelo regresso ao país do Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes (cuja estátua poderá admirar-se junto à Igreja dos Clérigos), exilado pelo Estado Novo de Salazar.

Em 1969, como independente, é eleito para a Assembleia Nacional e cedo se torna o rosto da chamada Ala Liberal, sendo responsável por várias iniciativas que visavam a transição pacífica e progressiva de Portugal para um regime democrático e livre.

Perante o fracasso da implementação da sua visão democrata, personalista e humanista, resigna ao cargo de deputado e regressa ao Porto, onde ajuda a germinar a ideia de criar um partido social democrata, o qual veria a luz do dia após a revolução do 25 de abril de 1974, que pôs fim ao regime ditatorial. Nasce, assim, em 6 de maio de 1974, o Partido Popular Democrático (PPD), mais tarde Partido Social Democrata (PSD), de que é co-fundador e principal impulsionador Francisco Sá Carneiro.

Como Presidente do PPD, foi eleito deputado à Assembleia Constituinte (1975) que haveria de preparar e aprovar a primeira Constituição da República do regime democrático.

Em finais de 1979, cria a Aliança Democrática, a qual veio a vencer as eleições legislativas seguintes. Na liderança da maior coligação governamental desde o 25 de abril de 1974, Sá Carneiro é nomeado Primeiro-Ministro em janeiro de 1980, cargo que exerce até ao seu inesperado e trágico desaparecimento em 4 de dezembro de 1980, quando o avião em que se deslocava para o Porto se despenhou em Camarate, em circunstâncias que até hoje não foi possível apurar.

O seu lado público não o impediu de viver a sua própria vida e arriscar a crítica, num país tradicionalista e onde o divórcio não era, sequer, permitido, quando se separou para se juntar à fundadora da editora D. Quixote, Snu Abecassis, que viria também a perder a vida no acidente de Camarate. Lapidar e frontal, como sempre na vida, cedo esclareceu: “Se a situação for considerada incompatível com as minhas funções, escolherei a mulher que amo”.

Um verdadeiro homem-bom da sua cidade e do seu país, com uma nobreza e retidão de carácter ímpares,  a morte de Francisco de Sá Carneiro constituiu uma perda irreparável para a vida pública portuguesa e a sua memória é, ainda hoje, inspiradora para todos quantos reconhecem, no seu exemplo, a forma maior de ser e estar na politica, para todos quantos sabem como ele que “acima da Social-Democracia, a Democracia, e acima da Democracia, o Povo Português”.

Gomes Teixeira – O matemático que podia ter sido padre
15 Outubro, 2018 / , , ,

Gomes Teixeira, ilustre matemático que viria a ser o primeiro reitor da Universidade do Porto, só não estudou Teologia por mero acaso.

Nascido em janeiro de 1851 em Armamar, cedo se destacou pela sua inteligência e pelas boas notas obtidas em todas as disciplinas. Naquela altura, era comum que os rapazes com bom aproveitamento escolar fossem encaminhados para o Seminário, mas o jovem era brilhante a Matemática. Assim, quando chegou a altura de ir para a Universidade, a família resolveu que seria a sorte a decidir entre Teologia e Matemática.

A sorte ditou Matemática e desde que chegou à Universidade de Coimbra, Francisco Gomes Teixeira destacou-se pelas notas máximas obtidas. Aos 20 anos publicou o seu primeiro trabalho e em 1874 terminou o curso com a nota de 20 valores. Um percurso académico tão brilhante teria, obviamente, de o conduzir à carreira de professor. Destacou-se na Universidade de Coimbra e na Academia Politécnica do Porto, que viria a dirigir. Em 1911 foi fundada a Universidade do Porto e Gomes Teixeira foi escolhido para ser o seu primeiro reitor. Morreu no Porto em 1933. Após a sua morte foram feitos três bustos em bronze, posteriormente colocados na sua terra natal, na Universidade do Porto e na Universidade de Coimbra.

Fonte: O Tripeiro 7ª Série Ano XIX nº1 e 7ª Série Ano XXX, Número 12