Destaque

CORTEJO DO TRAJE DE PAPEL NA FOZ DO DOURO
9 Agosto, 2018 / , , , ,

Os verões na zona mais ocidental do concelho do Porto têm anualmente uma animação cultural muito característica e peculiar – mas, sobretudo, única. De meados de junho a meados de setembro, a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde recebe as Festas de São Bartolomeu, um conjunto de atividades que anima as ruas e une populações e visitantes.

O Cortejo do Traje de Papel é, reconhecidamente, o momento mais esperado das festividades, com uma história que ultrapassa já a centena e meia de anos e que na última década tem ganho especial relevo na cidade.

 

São meses de trabalho e preparação, com um foco permanente nas raízes, na história e nas estórias da região. A 2ª Invasão Francesa de 1809 e a Libertação da Cidade do Porto é o tema para o Cortejo do Traje de Papel em 2018, que decorrerá no dia 26 de agosto. São metros e metros de papel, cirurgicamente trabalhados por mãos dedicadas que mantêm vivo este momento festivo da cidade.

Só em figurantes, a edição deste ano conta com 350, oriundos de coletividades e associações da União de Freguesias, que se juntam às restantes centenas que visitam a Foz do Douro para viver esta experiência ímpar.

O formato atual tem 75 anos e integra um percurso que procura chegar aos principais centros nevrálgicos da história da Foz do Douro. O desfile de trajes inicia-se pelas 10h30 e passa pela Cantareira, rica pela sua tradição piscatória.

Depois da passagem inevitável pelo carismático Jardim do Passeio Alegre, espaço cúmplice de muitos intelectuais que preenchem a cultura da Foz do Douro e do Porto, o Cortejo prossegue até à Praia do Ourigo, na qual se realizam os Banhos de Mar, um dos momentos mais marcantes das Festas de São Bartolomeu.

Estes banhos estão repletos de tradição e lendas. Também conhecidos como “banhos santos”, estes mergulhos nas águas do Atlântico – sete, como manda a tradição – representam uma forma de agradecer os favores de São Bartolomeu no ano transato e de livrar e expurgar as maleitas ao longo dos próximos doze meses.

Os participantes da edição deste ano provêm do Bloco da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, da Associação de Moradores do Bairro Social da Pasteleira – Previdência, da Associação de Moradores do Bairro Social de Aldoar e do Orfeão da Foz do Douro.

Muitas são as personalidades da cidade e não só que se juntam a esta tradição, mostrando que a cidade é feita de todos e com todos, mesmo na mais popular das suas tradições.

Douro Marina – Onde a excelência atraca na qualidade de serviço
16 Julho, 2018 / , ,

Situada na rua da praia, Afurada, na marginal de Vila Nova de Gaia, a Douro Marina é um porto de grandes emoções com vistas incríveis, espaços para passeio, restaurantes, lojas e cafés.

Esta infraestrutura constitui-se como uma das emblemáticas obras do MCA Grupo que foi responsável pelo projeto, construção, financiamento, exploração e manutenção. Com capacidade para 300 embarcações até 20 metros, a Douro Marina é o maior porto a norte de Lisboa. Dispõe de infraestruturas de apoio e serviços com cerca de 2000m2, repartidos por 3 edifícios, cuja arquitetura reflete e interage a paisagem ribeirinha envolvente e vai buscar inspiração na tradição portuguesa da construção naval.

Para além do Porto de Recreio, a Marina tem acolhido no seu espaço multifacetado, eventos de lazer, desportivos, corporativos, conferencias, formações e apresentações, beneficiando das extraordinárias vistas e condições logísticas, onde se inclui o serviço de catering e refeições.

A Douro Marina é um novo conceito onde se integram e combinam o desporto, lazer, turismo, gastronomia e natureza num conceito sustentável, inovador e de serviço completo.

Para quem simplesmente queira relaxar e assistir a um dos melhores por-do-sol do mundo a esplanada é o local ideal, mas pode também usufruir dos 3 restaurantes, charters náuticos, loja de produtos náuticos, academia de vela, academia de SUP e kayaks e bike rent, assim como dos espaços para eventos de grupos ou particulares.

Desde a sua génese que o MCA Grupo/ Douro Marina almejam conquistar reconhecimento ao nível da sustentabilidade e preservação do espaço, sendo um exemplo sintomático onde a intervenção do homem vem acrescentar valor e preservar a natureza envolvente.

 HASTEAR DE BANDEIRA AZUL 2018 NA DOURO MARINA

Decorreu dia 19 de junho a cerimónia nacional de hastear em 2018 da primeira Bandeira Azul em Marina. Este evento teve lugar na Douro Marina em Vila Nova de Gaia, sendo a primeira Marina galardoada com Bandeira Azul no norte de Portugal nos últimos 9 anos.

Eduardo Vitor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, José Archer, presidente da associação Bandeira Azul da Europa e Manuel Couto Alves presidente do MCA Grupo / Douro Marina presidiram à cerimónia que contou ainda com diversos representantes de entidades públicas e instituições de turismo do Norte de Portugal.

De acordo com o júri nacional Bandeira Azul a escolha da Douro Marina para anfitriã da cerimónia é o reconhecimento do empenho demonstrado e do trabalho realizado em prol da sustentabilidade, sendo que desde 2009 que na região Norte não havia o galardão Bandeira Azul numa Marina ou Porto de Recreio.

Mosteiro de São Bento da Vitória
6 Junho, 2018 / , ,

Classificado Monumento Nacional em 1977, o Mosteiro de São Bento da Vitória é um dos edifícios religiosos mais importantes da cidade.

Quando foi construído, no século XVI, ficava dentro das muralhas da cidade, junto à Porta do Olival, ocupando terrenos que anteriormente integravam a Judiaria. Os frades beneditinos chegam ao Porto em 1597 e no ano seguinte tiveram autorização do rei para construir um mosteiro, destinado a assinalar a presença daCongregação Beneditina Portuguesae a apoiar os frades que passavam pela cidade.

A construção do edifício, projetado pelo arquiteto Diogo Marques Lucas, tem início em 1604, mas as obras duram longos anos. A igreja, por exemplo, foi construída em 1693, mas a sua decoração só ficaria concluída no final do século XVIII, pelo que a arquitetura maneirista e barroca do exterior é acompanhada, no interior, por diversos estilos decorativos, que revelam a mudança de estilos e de gostos verificada durante esse longo período. A primeira pedra do Claustro Nobre foi lançada em 1608, mas só seria concluído entre 1725 e 1728.

A grandiosidade deste monumento em granito é, ainda hoje, impressionante. Mas, na altura em que funcionava como mosteiro, foi um importante centro para a música e para o canto. O órgão que existe na igreja é testemunha deste período áureo.

Os séculos que se seguiram foram algo atribulados: em 1808, durante a Guerra Peninsular, o foi convertido em Hospital Militar e, em 1835, após a expulsão das Ordens Religiosas, foi transformado em Tribunal Militar e Casa de Reclusão, bem como Aquartelamento de Infantaria 31 e Engenharia.

Entre 1985 e 1990 sofreu obras de restauro, funcionando como sede da Orquestra Nacional do Porto e do Arquivo Distrital do Porto. Em 2001, no âmbito da Capital Europeia da Cultura, o Claustro Nobre foi coberto por uma concha acústica. Em 2007, parte do Mosteiro é atribuída ao Teatro Nacional São João. Desde então recebe espetáculos teatrais, concertos e eventos especiais.

Informações:      

Rua de São Bento da Vitória, Porto

Visitas Guiadas:

De segunda a sexta-feira, às 12:00, e primeiro domingo do mês, às 15:00, para um número não superior a 30 pessoas.

Preço: € 3,00 por pessoa.Entrada gratuita para crianças até aos 10 anos, desde que acompanhadas por adultos.

Reservas: 00351 22 340 19 56 ou relacoespublicas@tnsj.pt

PARQUES, JARDINS E AS CAMÉLIAS DO PORTO
9 Março, 2018 / ,

Os parques e jardins são um convite ao lazer e descanso, a uma pausa prolongada, um convite ao prazer de andar a pé e um reencontro com a história destes locais, muito dos quais desconhecidos. Mesmo ao virar da esquina, esta cidade pode surpreendê-lo pela beleza de um espaço verde por descobrir.

Percursos variados e repousantes podem ser feitos nos espaços verdes da cidade, destinados a todas as idades e com diferentes encantos ao longo das estações do ano. A riqueza do património natural e a reconstituição de ambientes esquecidos dos nossos espaços rurais propiciam passeios muito didáticos. Por outro lado, a variedade dos equipamentos de apoio existentes, permitem prolongar a estadia e realizar outro tipo de atividades.

Os parques e jardins da cidade do Porto que selecionamos para estes percursos localizam-se em três grandes zonas da cidade que definimos da seguinte forma: Centro Histórico, Baixa e Boavista / (Jardins do Palácio de Cristal, Jardim de João Chagas (Jardim da Cordoaria, Parque das Virtudes, Jardim Botânico, Jardim da Casa da Prelada, entre outros) zona Ocidental (Parque da Cidade, Parque de Serralves e o Jardim do Passeio Alegre, entre outros) e zona Oriental (Parque de S. Roque, Parque de Nova Sintra, Quinta de Villar D´Allen, Quinta de Bonjóia e o Viveiro Municipal, entre outros). Planeie os passeios para as horas mais agradáveis do dia e tenha atenção aos horários de funcionamento dos vários espaços. Recomenda-se o uso de vestuário e calçado confortável.

 

Porque a Primavera está à porta e os dias coloridos começam a fazer falta, não podíamos deixar de dar destaque às Camélias, protagonistas desta época na cidade.

O Porto foi a primeira cidade da Europa a ser conhecida como a “Cidade das Camélias”. Originárias da Ásia, é ao Porto que se deve a entrada destas flores com história no Norte de Portugal e Galiza no séc. XIX. Podemos encontrar estas flores em quase todos os jardins e espaços verdes da cidade. Em espaços públicos, nos cemitérios ou nas casas, as Camélias são rainhas de outubro a abril.

Para que não perca nada da celebração desta flor asiática, descubra os eventos que o Porto preparou para si, no dia 3 e 4 no Mosteiro de São Bento da Vitória. Não perca também o conjunto de iniciativas que vão decorrer em paralelo em diversos locais da cidade!

E não se esqueça: passe por um dos Postos Oficiais de Turismo do Porto, onde poderá encontrar o roteiro “Porto. Cidade das Camélias”, com os melhores locais da cidade para ver e cheirar estas flores! Não deixe de aproveitar também todos os descontos Porto.CARD dedicados a esta época!

Cooperativa Árvore – Uma casa que respira arte
2 Março, 2018 / , ,

Numa antiga casa da nobreza, junto ao Passeio das Virtudes e com uma vista deslumbrante sobre o Rio Douro, nasceu nos anos 60 a Árvore – Cooperativa de Atividades Artísticas, um espaço de divulgação de arte idealizado por grandes nomes da arte portuense.

A Árvore foi fundada em 1963 por artistas, escritores, arquitetos e intelectuais, destacando-se o Mestre José Rodrigues, escultor e autor do famoso Cubo da Ribeira. Juntamente com Armando Alves, Pulido Valente e Ângelo de Sousa, instalaram-se numa quinta abandonada e iniciaram a recuperação do edifício, adaptando-o às novas funções culturais.

A galeria e o auditório foram inaugurados em 1971. Apesar de ter passado já por momentos difíceis, que obrigaram, por exemplo, a que tivessem sido leiloados algumas obras artísticas que pertenciam ao seu espólio, a Árvore tem sobrevivido e marcado, de forma indesmentível, o panorama artístico e cultural da cidade do Porto.

Tendo como objetivo a produção, divulgação e venda de obras artísticas e editoriais e a formação e informação dos sócios e do público em geral na área das artes visuais, dos estudos de arte e em outras áreas da criação e do saber, esta instituição tem uma intensa agenda cultural, com exposições, conferências, palestras e conversas, oficinas e cursos livres, concursos, edição de livros e produção e instalação de obras de arte. Ao longo das últimas décadas recebeu colóquios, ciclos de cinema, teatro e música e deu a conhecer o trabalho de centenas de pintores, escultores, fotógrafos, designers e arquitetos. Poderá visitar, para além das exposições, a loja, as oficinas de técnicas de serigrafia, gravura, litografia e cerâmica (mediante marcação prévia) e desfrutar de uma vista inigualável para o Douro a partir do seu jardim.

 

A casa
O edifício da Árvore foi mandado construir por José Pinto de Meireles e ficou concluído em 1763. O brasão da família é ainda visível na porta de entrada. A quinta e os jardins foram construídos para serem vistos por quem passava no Rio Douro. Hoje, são um miradouro privilegiado e um local bastante animado ao fim do dia, sobretudo no verão.

Informações:

Rua Azevedo de Albuquerque, 1, Porto

Horário

Segunda –Sexta-feira: 9.30-20:00

Sábado – 15:00-19:00

Encerrado: Domingos e feriados

 

Exposições para ver na Árvore:

 

  • 23 de Fevereiro a 3 de Abril– Emerenciano + Helena Jalles

 

12 MOTIVOS PARA COMPRAR O PORTO.CARD
9 Janeiro, 2018 / ,

Fique a saber porque o Porto.CARD pode ser a sua melhor compra para 2018!

 

1 – Preço atrativo

É possível comprar o Porto.CARD pedonal a partir de 6€ e se optar pela versão digital paga apenas 5,70€. E é vantajoso comprar 1 cartão de 1 dia sem acesso aos transportes públicos? Veja aqui um exemplo: no bilhete do cruzeiro de 1 dia ao Douro obtém um desconto até 20%. Na verdade poupa mais de 10,00€, já a contar com o preço do cartão.

 

2 – Com e sem transporte público

O Porto.CARD existe nas modalidades com e sem transporte público. Esta versão pedonal é uma excelente opção para quem já tiver carro ou pretender alugar carro, mota, bicicleta, etc. Tudo disponível no Porto.CARD. Se for o caso, pode aproveitar os descontos até 57% dos parques de estacionamento SABA.

 

3 – Acesso ilimitado e gratuito aos transportes públicos

Se optar por se deslocar nos transportes públicos, em qualquer uma das modalidades com transporte a partir de 13€, (1, 2, 3 e 4 dias), tem acesso ilimitado a todas as linhas do Metro e em toda a sua extensão, assim como nas linhas dos autocarros da STCP e da CP urbanos Trofa-Valongo-Espinho. O que não pode esquecer é de validar o seu título Andante Tour sempre que muda de linha e/ou de transporte.

 

4 – Oferta cultural e turística diversificada

O Porto.Card disponibiliza-lhe a mais atual e diversificada oferta cultural e turística: desde museus a monumentos, circuitos turísticos (a pé, de carro, de bicicleta, de mota, de mini-bus, de carro clássico, de barco, de veleiro, de helicóptero, de segway, de tuk tuk, de riquexó), são mil e uma as formas de conhecer o Porto com descontos muito interessantes. Os restaurantes e as lojas fazem parte dos mais de 170 pontos de interesse a descobrir no Porto.CARD

 

5 – Facilidade e comodidade na compra

Sabia que pode comprar previamente o Porto.CARD físico em short.visitporto.travel/portocard, nos Postos Oficiais de Turismo ou no balcão da Nova Câmbios do Aeroporto do Porto? Poderá também comprar o Porto.CARD digital em buyportocard.visitporto.travel ou na app (Porto Card – Official City Pass) e começar a usufruir do seu cartão logo à chegada ao destino. Dispõe de várias opções para a sua deslocação:  Metro, autocarros da STCP ou a reserva de um transfer com desconto Porto.CARD. É só escolher a modalidade mais conveniente!

 

 

6– Restaurantes de cozinha variada

No Porto.CARD encontra restaurantes desde a cozinha tradicional à cozinha de autor, esta última galardoada com 1 estrela Michelin. Obviamente que a francesinha marca presença em três restaurantes da especialidade, assim como outros tipos de cozinha. Descontos até 15%

 

7– Um mundo de circuitos turísticos

Sabia que no Porto.CARD encontra descontos em mais de 80 circuitos turísticos, que incluem passeios ao Porto ao Douro e ao Minho? Passeios Diurnos ou Noturnos? De autocarro panorâmico ou de teleférico? De Gastronomia ou de literatura? De arquitetura contemporânea ou pelo Centro Histórico? O difícil vai ser mesmo escolher. Descontos até 25%

 

8 – Conhecer o autêntico Vinho do Porto

Com o Porto.CARD tem a oportunidade de fazer a rota das 9 Caves de Vinho do Porto, ficar a conhecer a sua história e de fazer as provas deste vinho internacionalmente aclamado. O cartão oferece-lhe uma cave com entrada gratuita e nas restantes o desconto chega a atingir os 30%, de novembro a março.

 

9- Famílias com crianças

São muitos os locais a visitar em família e para divertir os mais pequenos com descontos até 50%. Aproveite para descontrair ou divirta-se com as crianças enquanto poupa muito dinheiro.

 

10 – Para os mais românticos

Se procura romantismo no Porto esta é a cidade de eleição. Com o Porto.CARD tem disponível os locais mais românticos a visitar, para desfrutar da boa gastronomia e para fazer compras para surpreender quem mais adora! Descontos até 20%

 

11 – Para os mais jovens

As atividade para os mais jovens marcam presença no Porto.CARD. Desde aulas de surf, ao Jet Boating, ao Canyoning e ao Rafting e aos percursos de jipe na natureza do Douro e do Gerês, são muitas as opções para os mais espíritos que procuram irreverência!

 

 

12 – Modalidades adaptadas às necessidades

O Porto.CARD existe em 8 modalidades: 1, 2, 3 e 4 dias, com e sem transporte, o que lhe permite flexibilidade na escolha do cartão mais conveniente. O facto de ser o cartão oficial da cidade oferece-lhe garantia e confiança.

 

Aconselhamento personalizado nos postos de turismo: Se optar por comprar o Porto.CARD nos postos oficiais de turismo será acolhido de forma personalizada por técnicos que conhecem muito bem a cidade e sabem indicar-lhe as melhores soluções para a sua visita. Não deixe de nos visitar e de se surpreender!

 

 

Vinho do Porto: uma tradição de Natal
5 Dezembro, 2017 / ,

Em Portugal o Natal é sempre um bom pretexto para beber, comprar ou oferecer Vinho do Porto. Visitar as Caves do Vinho do Porto é a melhor forma de ter, na mesa ou na lista dos presentes de Natal, os melhores vinhos.

A diversidade é grande e cada tipo de Vinho do Porto se adequa a pratos e momentos específicos, pelo que o melhor é conhecer bem este vinho, porque só assim será capaz de o apreciar em toda a sua plenitude.

O melhor local para ficar a saber tudo sobre o Vinho do Porto são as caves, situadas em Vila Nova de Gaia. Era aí que, até ao século passado, atracavam os barcos rabelos, vindos das quintas do Douro com pipas de vinho, que seria depois armazenado nestes enormes armazéns situados junto ao rio, onde a luz e a humidade ajudam a que o sabor, a cor e a textura sejam apurados.

Hoje, as caves são locais quase obrigatórios para quem visita a cidade do Porto. Além de ficar a conhecer toda a história do Vinho do Porto e o percurso feito pelas uvas desde o Douro até ao momento em que chegam ao seu copo, terá também a oportunidade de provar e de comprar vários tipos de vinho.

A nossa sugestão de visita vai para as caves Ferreira e as Caves Sandeman.

 

CELLARS/ CAVES /BODEGAS

Ferreira

 

Avenida Ramos Pinto, 70, Vila Nova de Gaia

Horário: 10h00 – 12h30 / 14h00 – 18h00

 

 

 

 

Visita Clássica | Preço 10€ pax:
Visita às Caves, incluindo a Sala dos Pertences da Dona Antónia e o Museu, com prova de dois Vinhos do Porto.

Visita Dona Antónia | Preço 20€ pax:
Visita para pequenos grupos, com prova alargada e uma seleção de 5 Vinhos do Porto, num espaço reservado.

Visita Casa Ferreirinha | Preço 14€ pax:
Visita às Caves, com uma prova de três Vinhos do Douro DOP Casa Ferreirinha, produtora do famoso Barca Velha.

Sandeman

 

Largo Miguel Bombarda, 3, Vila Nova de Gaia

Horário:
Todos os dias | 09h30 – 12h30 / 14h00 – 17h30

 

 

 

 

Visita Clássica | Preço 10€ pax:
Visita guiada com prova de dois Vinhos do Porto Reserva

Visita 1790 | Preço 20€ pax:
Uma visita guiada que tem início no Museu Sandeman e finaliza com uma prova mais alargada de Vinhos do Porto, no espaço 1790

Visita “100 Anos de Tawnies  Velhos” | Preço 40€ pax:
Uma visita para descobrir a longa tradição da Sandeman no envelhecimento e blend de Vinhos do Porto. No final, uma prova compreensiva de um século de Tawnies – prova de 10, 20, 30 e 40 anos – num espaço reservado e intimista que também alberga a Coleção de Garrafas Antigas Sandeman.

 

Visita Premium | Preço 13€ pax:
Uma visita guiada pelas Caves Sandeman, com prova de três vinhos de categoria superior (Branco, Ruby e Tawny).

Pontos de interesse:
Coleção de garrafas Sandeman – mais de 60 exemplares de garrafas inglesas feitas à mão dos séculos XVII e XVIII.

As sugestões de Joaquim de Almeida
6 Novembro, 2017 / , , ,

Com uma carreira de quase 40 anos e mais de 100 filmes e séries de televisão, Joaquim de Almeida é o ator português mais famoso em todo o mundo. Vive nos EUA, onde se desenvolve a maior parte da sua carreira, mas passa alguns períodos do ano em Portugal.

Nasceu em Lisboa em março de 1957, sendo o sexto de oito filhos de um casal de farmacêuticos. A sua carreira, contudo, viria a ser outra e, ainda muito jovem, optou por seguir a profissão de ator. Quando o Conservatório de Lisboa foi temporariamente fechado, devido à agitação causada pela revolução do 25 de abril, mudou-se para Viena para continuar a estudar. Nessa altura chegou a trabalhar como jardineiro.

Em 1976 foi para Nova Iorque para estudar representação com Lee Strasberg, Nicholas Ray e Stella Adler, enquanto trabalhava num bar. O seu primeiro papel de relevo surgiu em 1981 no filme “”The Soldier”, mas seria “Good Morning Babylon” a lançá-lo numa carreira internacional que, desde então, ainda não parou. Trabalhou com atores e realizadores como Harrison Ford, Gene Hackman, Antonio Banderas, Robert Rodriguez, Steven Soderberg, Benicio del Toro ou Kiefer Sutherland.

Aos papéis como ator convidado em séries como “CSI Miami” ou “Bones” – onde despenhou muitas vezes o papel de vilão latino – somou participações regulares em temporadas de outras, como “24”, “Queen of the South” ou “Training Day”. Simultaneamente, continuou a trabalhar com realizadores e atores portugueses, tendo alcançado sucessos de bilheteira e conquistado vários prémios e distinções.

Melhor bar

Numa vertente mais cultural, Os Maus Hábitos. Para sair tarde pela noite fora, em qualquer dia da semana, a Casa Do Livro

Melhor Restaurante

É difícil escolher um. Assim, vão três: O Oficina do chefe Marco Gomes ou o LSD do chef João Lupo e também o menos conhecido Paparico, talvez o maior segredo para comer bem no Porto

Sítio Romântico e Passeio

Subir o Douro no barco que foi construído para os 60 anos de Reinado da Rainha Isabel de Inglaterra. Passar duas noites nuns quartos acolhedores e usufruir de um serviço de primeira. Em Setembro e Outubro é a melhor altura para o fazer.

Segredo da Cidade

É a vista que se tem a partir do espaço da Cooperativa Árvore. Que lindo que é ver o Douro dali, passar a tarde entre um vinho e um petisco…Bem perto do centro e, mesmo assim, ainda tão desconhecido dos portuenses.

Ribeira – o mais famoso postal do Porto
17 Outubro, 2017 / ,

A paisagem é inconfundível e mundialmente famosa devido à sua beleza e singularidade. O casario e as ruas estreitas enquadram o Rio Douro, onde os barcos rabelos e as pontes ajudam a compor um quadro colorido e inesquecível.

A Ribeira é uma das zonas mais famosas da cidade e local obrigatório para quem quer conhecer a cidade e guardar, em fotografia ou vídeo, uma paisagem que permanece na memória. Na verdade, a história do Porto está intrinsecamente ligada à Ribeira, pois foi a partir daqui que foi sendo construída não só a cidade, como a própria alma dos portuenses.

O Rio Douro foi, desde tempos remotos, um local de comércio e de intercâmbio de culturas; os comerciantes de várias partes do mundo deixavam aqui as suas mercadorias, levando pelo mundo foram produtos como o Vinho do Porto, que ajudariam a dar fama e riqueza a esta cidade única.

A zona da Ribeira está incluída na classificação de Património da Humanidade atribuída pela UNESCO. Percorrer as suas ruas estreitas, contemplar o rio ou deixar-se encantar pelos seus monumentos e gastronomia são atividades “obrigatórias” para que visita a cidade.

Pontos de interesse:

Praça da Ribeira: O chafariz foi reconstruído após descobertas arqueológicas realizadas nos anos 80. Nessa altura foi também instalado na praça o Cubo da Ribeira, uma escultura da autoria de José Rodrigues. A estátua de São João Baptista, feita por João Cutileiro, foi colocada no chafariz no ano 2000. Com uma localização invejável e diversas esplanadas, é o local ideal para parar um pouco e desfrutar da paisagem.

Capela da Senhora do Ó: Edifício datado do séc. XVII, remodelado no séc. XIX após a destruição ocorrida durante as lutas liberais. No interior, destaca-se um retábulo em talha de inícios do séc. XVIII e a imagem da Senhora do Ó, proveniente da capela da Porta da Ribeira, que foi demolida em 1821.

Pilares da Ponte Pênsil: A ponte abriu ao público em 1843, respondendo assim à necessidade de uma travessia permanente entre o Porto e Gaia. Existiu apenas durante 44 anos, já que a população não confiava na sua segurança. Foi substituída pela Ponte de Luiz I, mas ainda restam dois pilares em pedra, em forma de obelisco.

Alminhas da Ponte: um baixo-relevo que recorda um dos momentos mais trágicos da história do Porto. Durante as Invasões Francesas, centenas de pessoas tentaram fugir para a outra margem percorrendo uma ponte feita de barcos. A ponte afundou com o peso e ainda hoje são colocadas no local velas em memória das muitas vítimas desta tragédia.

Postigo do Carvão: É o único que resta das 18 portas e postigos que existiam nas Muralhas Fernandinas, construídas no séc. XIV em redor da cidade do Porto. Fazia a ligação da Rua da Fonte Taurina ao Cais da Ribeira, onde atracavam os barcos no rio Douro.

 

As praias do Porto
10 Julho, 2017 /

Os dias de sol e de calor convidam a uma ida à praia e no Porto não é preciso ir muito longe para encontrar um lugar tranquilo à beira-mar para apanhar sol, passear, saborear um deliciosa refeição ou uma bebida fresca.

Ter praia na cidade é um sonho fácil de concretizar para quem está no Porto. Conheça as nove praias com Bandeira Azul onde pode desfrutar do Verão sem abdicar da vida na cidade.

Praia do Ourigo – A tradição dos banhos na Praia do Ourigo já remonta ao século XVI, quando se acreditava que estas águas curavam doenças.

Praia do Homem do Leme – Ideal para quem tem crianças, já que dispõe de dois parques infantis. É uma praia rochosa, com um areal de 374 metros. O nome vem da estátua de bronze, colocada na Avenida de Montevideu, que presta homenagem aos pescadores.

Praia do Carneiro – Tem um areal extenso e já é bastante frequentada desde o século XIX. Há alguns séculos aquela era uma zona de pastoreio. Diz a lenda popular que foi ali que um desses carneiros se perdeu do rebanho. A imagem do carneiro ficou eternizada em cima do Chalé Suíço (um quiosque que ainda hoje existe na Rua do Passeio Alegre).

Praia das Pastoras – O areal é delimitado por dois molhes, o que a protege do vento. É neste local que o Rio Douro desagua no Oceano Atlântico. Tem este nome porque era costume as pastoras trazerem aqui os seus carneiros a pastar as ervas e a maresia.

Praia de Gondarém – Praia com 115 metros de extensão. O nome desta praia deriva do Latim e significa algo como “descanso na batalha”. Tem um paredão de pedra que é encoberto para preia-mar, tornando-a mais segura para crianças.

Praia do Molhe – Tem uma extensão de 168 metros e deve o seu nome à estrutura costeira, semelhante a um pontão, que avança para o mar e que delimita a zona de banhos. A paisagem é embelezada pela Pérgola da Foz, uma balaustrada de cimento construída nos anos 30 que funciona como um miradouro privilegiado sobre o mar. A escadaria e a zona envolvente fazem com que seja uma das praias mais bonitas do Porto.

Praia dos Ingleses – Tal como o nome indica, era a praia preferida pela comunidade britânica do Porto. Tem um areal com 86 metros de areal, uma zona de declives bastante suaves e areia fina.

Praia da Luz – Um pequeno areal enquadrado por rochas e por uma zona ajardinada na Avenida do Brasil. Quando a maré está baixa podem ver-se dois pontões de apoio aos banhos do século XIX.

Praia do Castelo do Queijo – Situada junto ao Castelo do Queijo. É uma zona rochosa, bastante procurada por pescadores e por pessoas que procuram aproveitar as propriedades medicinais das rochas.