O Tripeiro

Apolo Terrasse – O cinema esquecido
7 Novembro, 2019 / , , ,

Poucos se lembram deste cinema, construído no início do século XX e demolido no final dos anos 40 para dar lugar à atual Rua de Ceuta. O Apolo Terrasse surgiu numa altura em que o cinema ganhava popularidade. Inicialmente, os filmes eram projetados em barracões ou nas grandes lojas da cidade, mas, à medida que o interesse do público aumentava e que a produção cinematográfica se diversificava, começaram a ser construídos espaços específicos para a exibição de filmes.

De muitos destes lugares de diversão já restam pouco mais do que memórias. Um deles era o Apolo Terrasse, que terá sido construído em 1912. Situava-se no local onde agora passa a Rua de Ceuta e o acesso principal era feito pela Rua José Falcão, mas teria mais dois acessos: uma pelo piso térreo de uma casa na Rua de Santa Teresa e outro pelo meio de quintais que desciam até à Rua da Picaria. Apesar da localização discreta e da simplicidade decorativa, o edifício destacava-se pela imponência de uma grande estrutura de ferro, que servia de vestíbulo.

 

O Apolo Terrasse foi também construído de forma a poder ser também usado para outro tipo de espetáculos e eventos desportivos. Por outro lado, a construção, constituída por dois pisos ligados por duas escadarias e varandas laterais, revelava também uma grande preocupação com a prevenção de incêndios. A iluminação, feita por candeeiros em forma de globo, era mais um elemento de modernidade neste espaço.

Fonte: O Tripeiro, 7ª Série, Ano XXXV,
Número 1, janeiro e fevereiro de 2016.

Na nossa cidade do Porto
29 Março, 2019 / , , ,

Na nossa cidade do Porto, burgo da maior ancestralidade, o desvendar das suas origens e a compreensão da sua malha urbana é, naturalmente, um extenso e interminável programa. O século XX dar-nos-ia um dos mais representativo e consistente cronista e investigador da história da cidade.

A 5 de Março de 1894 nasceria Artur de Magalhães Basto no número 556 da então denominada Rua Duquesa de Bragança, numa distinta e bem delineada moradia mandada construir por seu pai António José de Magalhães Basto, cerca de 1875, ao então arquitecto e professor da Academia Portuense de Belas Artes José Geraldo da Silva Sardinha.

A sua formação em Direito na Universidade lisboeta de pouco lhe iria servir no futuro, pois desde muito jovem o seu rumo em direcção à investigação e paleografia se iria declarar, nomeadamente com a sua carreira docente integrando ele a primeira faculdade de Letras da cidade, onde leccionaria entre 1922 e 1931. Para a Câmara Municipal do Porto de que fará parte até à sua morte, a 3 de Junho de 1960, chefiará, desde 1934, os Serviços de Paleografia e Manuscritos da biblioteca; desde 1938 será Director do Gabinete de História da Cidade e assumirá o cargo de chefe dos serviços culturais, também até 1960. Foi ainda Director do Arquivo Distrital do Porto, desde 1939, bem como chefe do grande Cartório da Santa Casa da Misericórdia do Porto, desde 1933.

Mas é como cronista da cidade que mais se vai destacar Magalhães Basto: da sua escrita jorrarão os mais diversos temas de história e da arte ligados sempre à cidade de que daremos apenas alguns exemplos: os indispensáveis ”Falam Velhos Manuscritos”, 1445 artigos semanais no jornal portuense O 1º de Janeiro” entre 1930 e 1960; e os seus fundamentais artigos na revista de História da cidade “ O Tripeiro”, da qual viria a ser director entre 1945 e 1960.Algumas das suas 160 obras publicadas são transcrições de conferências, uma das suas especialidades, quanto a nós digna de referência especial, pela urgência e estilo com que fazia chegar a todos, sem discriminação, de uma forma muito simples e directa, a sua narrativa histórica e os seus estudos sobre a Nossa Cidade do Porto. Aliás estas conferências seriam como que uma forma de contrariar o silêncio, a solidão da Poeira dos arquivos, sua natural rotina, como tão bem referiria num texto de Fevereiro de 1960:”- Como deve ser maçador passar uma vida, ou mesmo que seja um ano, um dia, ou até uma única hora, encafuado sozinho num arquivo a folhear, a ler, a decifrar papelada velha, amarrotada, amarelecida pelo tempo, roída dos ratos, picada da traça e a cheirar a bafio!”.
O nosso querido e liustre investigador morreria na sua última residência, no Porto, no nº 500 da rua de Gondarém, arriscando nós rematar com uma digna nota deixada pelo professor Luís Duarte no catálogo da exposição que ao mestre seria dedicada em 2005 na Galeria do Palácio :”percebemos que na história da nossa terra, houve um antes e um depois do magistério e do trabalho de Artur de Magalhães Basto”.

Gomes Teixeira – O matemático que podia ter sido padre
15 Outubro, 2018 / , , ,

Gomes Teixeira, ilustre matemático que viria a ser o primeiro reitor da Universidade do Porto, só não estudou Teologia por mero acaso.

Nascido em janeiro de 1851 em Armamar, cedo se destacou pela sua inteligência e pelas boas notas obtidas em todas as disciplinas. Naquela altura, era comum que os rapazes com bom aproveitamento escolar fossem encaminhados para o Seminário, mas o jovem era brilhante a Matemática. Assim, quando chegou a altura de ir para a Universidade, a família resolveu que seria a sorte a decidir entre Teologia e Matemática.

A sorte ditou Matemática e desde que chegou à Universidade de Coimbra, Francisco Gomes Teixeira destacou-se pelas notas máximas obtidas. Aos 20 anos publicou o seu primeiro trabalho e em 1874 terminou o curso com a nota de 20 valores. Um percurso académico tão brilhante teria, obviamente, de o conduzir à carreira de professor. Destacou-se na Universidade de Coimbra e na Academia Politécnica do Porto, que viria a dirigir. Em 1911 foi fundada a Universidade do Porto e Gomes Teixeira foi escolhido para ser o seu primeiro reitor. Morreu no Porto em 1933. Após a sua morte foram feitos três bustos em bronze, posteriormente colocados na sua terra natal, na Universidade do Porto e na Universidade de Coimbra.

Fonte: O Tripeiro 7ª Série Ano XIX nº1 e 7ª Série Ano XXX, Número 12

Os grilos e a sua igreja ( O TRIPEIRO)
19 Setembro, 2018 / , , ,

Diz a lenda que, no local onde foi construída a , ouvia-se o constante cantar dos grilos. Por isso, a igreja é, ainda hoje, conhecida como a Igreja dos Grilos.

A lenda, que há muito é conhecida na cidade, conta que o templo jesuíta foi edificado no local onde existiam as hortas do Bispo do Porto, que doou estes terrenos à Companhia de Jesus. Um local que, devido à enorme abundância destes insetos cantores, era conhecido como o Campo dos Grilos. Assim, os portuenses nunca adotaram a designação oficial de Igreja de São Lourenço e desde que foi construído, no século XVI, este templo foi sempre conhecido como … Igreja dos Grilos.

Outra explicação, mais fundamentada com factos históricos, está relacionada com a expulsão dos Jesuítas do país, em 1759. A igreja e o colégio passaram a pertencer à Universidade de Coimbra, que acabaria por vender os edifícios à congregação dos Agostinhos Descalços, também conhecidos como “Padres grilos”, uma vez que a sua sede ficava na Calçada do Grilo.

A história do nome pode não ser consensual, mas a imponência da fachada e a riqueza do seu interior justificam uma visita.

Fonte: O Tripeiro 7ª Série Ano XXXIV número 5  – Maio 2015