Perfil

Ricardo Jorge – Precursor do Sistema Nacional de Saúde
21 Setembro, 2020 / , ,

Ricardo de Almeida Jorge nasceu no Porto, em 9 de maio de 1858.

Frequentou a Escola Médico-Cirúrgica do Porto entre 1874 e 1879, finalizando o curso de Medicina aos 21 anos, com uma dissertação “O nervosismo no Passado” Iniciando a sua vida profissional na Faculdade de Medicina e Cirurgia do Porto. Em 1880, leciona na mesma Faculdade as cadeiras de Anatomia, Histologia e Fisiologia Experimental e concorre ao cargo de professor substituto no Departamento de Cirurgia da mesma escola. Elabora um trabalho sobre Localizações Motrizes no Cérebro, numa época em que a neurologia dava os primeiros passos. Não protelando a pratica clínica, desloca-se várias vezes ao estrangeiro, assistindo às lições do neurologista Charcot.

Entretanto de regresso ao Porto, publica vários artigos em revistas científicas e monta o primeiro laboratório de microscopia e fisiologia do Porto.
Sendo a neurologia seu primeiro interesse, deixou uma obra monumental, abrangendo assuntos diversos, incidindo a maior parte do seu legado sobre as especialidades da Higiene e Epidemiologia. O seu estilo vai além de um homem de ciência, como podemos observar num comentário de Camilo Castelo Branco de quem era amigo “O estilo de Ricardo Jorge desatrema de tudo que se conhece em oratória parlamentar, em dialética académica, em eloquência cívica dos clubes e até em oratória de púlpito…”, na obra Serões de S.Miguel de Seide.

Os estudos desenvolvidos sobre hidroterapia e o interesse de Ricardo Jorge pelo termalismo e hidrologia (realização de algumas experiências sobre os efeitos dos fluoretos alcalinos e nas águas termais) está na sequência, em 1888, do contrato de exploração por cinquenta anos, das Caldas do Gerês, onde exerceu o cargo de director clínico entre 1889 e 1892. Não se revelando vocacionado a actividade empresarial a Companhia das Caldas do Gerês, abriu falência em 1893.

Vários debates sobre a instalação dos cemitérios no Porto, induziram Ricardo Jorge a dar uma série de conferências (1884), numa atitude contestatária ao que as autoridades de saúde pensavam relativamente à higiene social, contribuindo para um grande debate. Foi um momento fundamental no processo evolutivo da saúde pública em Portugal.

A convite da Câmara Municipal do Porto, fez parte de um estudo sobre as condições sanitárias da cidade, elaborando um relatório publicado em 1988. Foi nomeado médico municipal do Porto em 1891, recebendo outro convite, em 1892, para administrar os Serviços Municipais de Saúde e Higiene do Porto e o Laboratório Municipal de Bacteriologia.

Em 1895 é nomeado Professor Titular da Cadeira de Higiene e Medicina Legal da Escola Médico-Cirúrgica do Porto.
Os estudos de Ricardo Jorge, Arantes Pereira e do Conde de Samodães, ajudaram a influenciar a Rainha D. Amélia na criação da Assistência Nacional aos Tuberculosos e à construção de sanatórios para os doentes.

Em 1899 o Porto é atingido por um surto de peste bubónica (em teoria extinta no Ocidente desde 1700). Ricardo Jorge faz o diagnóstico relatando às autoridades competentes o eclodir da epidemia. Foi de imediato solicitada ajuda internacional sendo encomendados ao Instituto Pasteur de Paris duzentos tubos do soro “Yersin”. Ainda que várias pessoas tenham sido vacinadas pelo Dr. Calmette, entre as quais os próprios filhos de Ricardo Jorge.
Conhecendo este muito bem as condições de desenvolvimento da peste pôs em prática rigorosas medidas sanitárias e de eliminação dos agentes transmissores da doença tal como ratos e pulgas ( por cada rato grande entregue numa esquadra de polícia eram pagos 20 réis, por cada pequeno 10), além de medidas preventivas para a erradicação da praga (isolamento de pacientes e a desinfecção de casas onde eram encontrados casos patológicos)
O Conselho de Saúde decreta um cordão sanitário em torno da cidade, defendido pelo exército, no entanto, os prejuízos económicos advindos do isolamento e a instigação por parte de alguns grupos políticos originaram uma revolta da população, eclodindo alguns episódios violentos.

Ainda que protegido pelas autoridades e contando com a solidariedade dos médicos do Porto Ricardo Jorge parte para Lisboa onde é nomeado Inspector-Geral dos Serviços Sanitários do Reino, lente de Higiene na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa e membro do Conselho Superior de Higiene e Saúde.

Em 1899 cria a Direcção-Geral de Saúde e Beneficência Pública e o Instituto Central de Higiene, mais tarde Instituto Superior de Higiene (que ostenta hoje o seu nome).

Podemos dizer que Ricardo Jorge nos finais do século XIX dá origem a uma profunda reforma na saúde pública em Portugal, em todas as vertentes que lhe estão ao alcance (académica, legislativa e de investigação)

A instabilidade politica da I República não permitiu desenvolvimento visionado por Ricardo Jorge e só durante o Estado Novo com Marcelo Caetano como Presidente do Conselho de Ministros se dá um novo impulso às questões da saúde, sendo exemplo de peso o modelo sanitário apresentado por Baltazar Rebelo de Sousa e Gonçalves Ferreira, fulcrais na criação do futuro Sistema Nacional de Saúde.

Uma curiosidade interessante foi o facto de ter proibido a coca-cola em Portugal (em 1927 enquanto Diretor-geral da Saúde.

Só em 1977 é desbloqueada essa proibição.
Foi activo até quase ao final da sua vida, intervindo e participando numa reunião do Escritório Internacional de Higiene três meses antes de morrer em Lisboa, em 29 de julho de 1939.

Jaime Isidoro
17 Setembro, 2020 /

O Porto foi o tema principal das suas pinturas

Nasceu a 21 de Março de 1924, estudou desenho e pintura na Escola Soares dos Reis, no Porto, e a sua primeira exposição individual em 1945, na cidade do Porto, no então designado Salão Fantasia (na Rua 31 de Janeiro).

O Porto foi o tema principal dos seus quadros, principalmente aguarelas.

Em paralelo com a sua carreira de pintor, manteve uma vasta acção de animador cultural, galerista e professor, estando ligado a momentos importantes das artes plásticas na cidade do Porto e no país. Promoveu os Encontros Internacionais de Arte na década de 1970 e editou a Revista de Artes Plásticas, que contou com a colaboração de críticos e artistas portugueses de relevo, demonstrando um interesse particular pela concretização de projectos culturais inovadores

Em 1978, fundou a Bienal de Arte de Vila Nova de Cerveira, no Alto Minho, que viria a tornar-se na principal bienal de arte do país. Nos últimos anos da sua vida, Jaime Isidoro esteve ainda ligado à bienal, sendo presidente da mesa de assembleia geral do Projecto Núcleo de Desenvolvimento Cultural, que organiza a iniciativa de Cerveira.
Recebeu os prémios Armando Basto (1954), António Carneiro (1955), Henrique Pousão (1957). Foi ainda distinguido com a Medalha de Mérito Cultural da Câmara de Cerveira (1982) e com as medalhas de ouro das câmaras do Porto, em 1988, e de Gaia, em 2002. Está representado em coleções públicas e privadas, entre as quais: Museu do Chiado; Museu Machado de Castro entre outras. Em 2006 apresentou uma exposição antológica da sua obra na Casa-Museu Teixeira Lopes, em Vila Nova de Gaia

A 10 de Junho de 2006, foi feito Grande-Oficial da Ordem do Mérito.

Amadeo de Souza Cardoso
16 Dezembro, 2019 / ,

Amadeu de Souza-Cardozo  (1887-1918), nasce em Manhufe, Amarante, frequenta Belas-Artes em Lisboa e desloca-se para Paris onde frequenta a Academia Viti de Anglada Caramassa acabando por se dedicar integralmente à pintura. Convive com Modigliani, Brancusi, Archipenko, Juan Gris, Robert e Sonia Delauney. Em 1912 expõe n o Salon des Indépendants e no Salon d´Autonne. Expõe algumas obras no Armory Show (USA) em1913.

Em 1914, encontra-se em Barcelona com Gaudi e o escultor Sola seu amigo e regressa nesse ano a Portugal devido ao início da guerra, instalando-se na quinta em Manhufe com Lucia Pecetto com quem casa posteriormente no Porto.

Morre em Espinho em outubro de 1918, vítima da gripe espanhola.

Amadeo de Souza-Cardozo, constitui a principal referência do Museu ao qual dá o nome, localizado num espaço do edifício que abrigava o convento dominicano de S. Gonçalo de Amarante.

Miguel Veiga – Um ilustre portuense
29 Junho, 2019 / , ,

Miguel Luís Kolback da Veiga nasceu no Porto a 30 de Junho de 1936, cidade onde faleceu em 14 de Novembro de 2016.

Ilustre advogado portuense, Miguel Veiga era célebre pela esmerada produção, quase literária, das suas peças processuais e pela forma brilhante como se apresentava em juízo.

Desde cedo integrou movimentos académicos de oposição ao regime de Salazar, o que o impediu anos mais tarde de ser admitido como docente universitário.

Depois da revolução de Abril, logo em Maio de 1974, é responsável, ao lado de Francisco Sá Carneiro, Magalhães Mota e Francisco Pinto Balsemão, pela fundação do Partido Popular Democrático, hoje Partido Social Democrata, do qual fez parte até à data da sua morte e do qual foi um dos seus membros mais brilhantes, mesmo quando para frontalmente discordar do rumo traçado. Por isso, contra as indicações do seu partido, foi apoiante de Mário Soares na sua primeira candidatura a Presidente da República e, mais recentemente, de Rui Moreira, atual presidente da Câmara Municipal do Porto.

Apesar de solicitado para tal, nunca exerceu funções governativas. Dizia, em resposta aos convites recebidos para tal, “não querer perder a sua liberdade nem deixar o Porto”, cidade da sua paixão.

Ao lado do seu trabalho, da intervenção cívica e política de elevado nível, Miguel Veiga era ainda um amante das artes, da literatura à pintura, do cinema à escultura, aí recolhendo contributos que muitas vezes ilustravam as suas intervenções públicas.

O nome de Miguel Veiga é importante para a história da democracia portuguesa, da busca e afirmação dos valores da liberdade e da justiça, da frontalidade, independência e firmeza de carácter que é tão apanágio dos homens bons do Porto.

Miguel Veiga foi ainda autor de vários ensaios jurídicos e culturais, e uma voz presente na imprensa escrita onde ao longo da vida muito colaborou.

É Grande Oficial da Ordem da Liberdade e recebeu a medalha de Honra da Cidade, a mais alta distinção do Porto.

D. António Ferreira Gomes: procurar o bem sem temer a pena
15 Dezembro, 2018 / ,

Seria desonesto, e mesmo bizarro, negar a dimensão e o impacto político de uma figura como o antigo Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes (1906 – 1989) identificado como um crítico do regime ditatorial do Estado Novo em Portugal que vigorou de 1933 até 25 de abril de 1974. Mas é fácil desfocar o olhar e diminuir a pessoa quando afunilamos a perspetiva a partir da qual a procuramos compreender. Entender que em Deus se pode encontrar a força libertadora, a confiança que dá aos gestos e às palavras a emancipação de todos os poderes que passam (sobretudo dos que se creem eternos), preveniria muitos enganos. É um engano reduzir D. António a um ator político e ler a partir daí os seus gestos e as suas intenções.

O Bispo do Porto foi um homem de Deus, movido pelo desejo de fidelidade à Igreja e à sua Doutrina Social. Não quis estar à frente do seu tempo. Foi por ser um homem do seu tempo que soube ler os dramas humanos, sociais e religiosos dos dias que vivia. Por isso, gerou tantas resistências. A carta que escreveu a Salazar, e acabou por contribuir para o seu exílio de dez anos (1959 – 1969), revela essa sua capacidade de compreender a realidade. Escritas a 13 de julho de 1958, aquelas linhas pretendiam preparar um encontro com Salazar. Tratava-se de um “pró-memória” através do qual D. António quis apresentar ao Presidente do Conselho os temas e as questões que gostaria de discutir no encontro que deveriam ter.

A carta era reveladora da sua sensibilidade à injustiça. Seguindo a Doutrina da Igreja, falava da necessidade dos frutos do trabalho serem equitativamente distribuídos, reconhecia o Direito à greve, denunciava misérias humanas e abria a possibilidade de se criarem partidos. Desejava para os católicos uma formação política e cívica que lhes possibilitasse uma participação consciente e livre na vida social. A carta acabaria por ser revelada publicamente. O Bispo do Porto negou sempre qualquer responsabilidade neste incidente.

O que movia D. António Ferreira Gomes não eram jogos infrutíferos ou a procura de protagonismos. A partir da leitura profunda e exigente da realidade, liberto de medos, porque fundado em Deus, desejou o bem e a justiça.

Esta raiz espiritual é muitas vezes difícil de captar. São poucos os que são capazes de compreender o ser humano a partir de convicções e motivações tão profundas. Mas apenas estas sustentam os homens livres. E só quem é livre encontra o desapego de procurar o bem sem temer a pena.

Francisco de Sá Carneiro – Frontal na Vida e na Política
7 Novembro, 2018 / , , ,

Se chegou ao Porto, aterrando no Aeroporto Francisco de Sá Carneiro, ou se, passeando pelas Antas, se cruzou com a sua estátua na praça com o mesmo nome, este artigo é para si!

Nascido e criado no Porto em 1934, Francisco de Sá Carneiro é um advogado e político português que se destacou desde cedo na oposição ao regime ditatorial então vigente, de que é expoente máximo a luta pelo regresso ao país do Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes (cuja estátua poderá admirar-se junto à Igreja dos Clérigos), exilado pelo Estado Novo de Salazar.

Em 1969, como independente, é eleito para a Assembleia Nacional e cedo se torna o rosto da chamada Ala Liberal, sendo responsável por várias iniciativas que visavam a transição pacífica e progressiva de Portugal para um regime democrático e livre.

Perante o fracasso da implementação da sua visão democrata, personalista e humanista, resigna ao cargo de deputado e regressa ao Porto, onde ajuda a germinar a ideia de criar um partido social democrata, o qual veria a luz do dia após a revolução do 25 de abril de 1974, que pôs fim ao regime ditatorial. Nasce, assim, em 6 de maio de 1974, o Partido Popular Democrático (PPD), mais tarde Partido Social Democrata (PSD), de que é co-fundador e principal impulsionador Francisco Sá Carneiro.

Como Presidente do PPD, foi eleito deputado à Assembleia Constituinte (1975) que haveria de preparar e aprovar a primeira Constituição da República do regime democrático.

Em finais de 1979, cria a Aliança Democrática, a qual veio a vencer as eleições legislativas seguintes. Na liderança da maior coligação governamental desde o 25 de abril de 1974, Sá Carneiro é nomeado Primeiro-Ministro em janeiro de 1980, cargo que exerce até ao seu inesperado e trágico desaparecimento em 4 de dezembro de 1980, quando o avião em que se deslocava para o Porto se despenhou em Camarate, em circunstâncias que até hoje não foi possível apurar.

O seu lado público não o impediu de viver a sua própria vida e arriscar a crítica, num país tradicionalista e onde o divórcio não era, sequer, permitido, quando se separou para se juntar à fundadora da editora D. Quixote, Snu Abecassis, que viria também a perder a vida no acidente de Camarate. Lapidar e frontal, como sempre na vida, cedo esclareceu: “Se a situação for considerada incompatível com as minhas funções, escolherei a mulher que amo”.

Um verdadeiro homem-bom da sua cidade e do seu país, com uma nobreza e retidão de carácter ímpares,  a morte de Francisco de Sá Carneiro constituiu uma perda irreparável para a vida pública portuguesa e a sua memória é, ainda hoje, inspiradora para todos quantos reconhecem, no seu exemplo, a forma maior de ser e estar na politica, para todos quantos sabem como ele que “acima da Social-Democracia, a Democracia, e acima da Democracia, o Povo Português”.

António de Sousa Pereira – 20.º Reitor da Universidade do Porto
7 Outubro, 2018 / ,

Licenciado, mestre e doutor em Medicina pelo ICBAS, foi nesta faculdade da Universidade do Porto que desenvolveu toda a sua carreira académica. Em abril deste ano foi eleito pelo Conselho Geral como Reitor da Universidade do Porto para o quadriénio 2018-2022.

António Manuel de Sousa Pereira nasceu a 17 de outubro de 1961, na freguesia de Ramalde, Porto. Licenciado, mestre e doutor em Medicina pelo ICBAS, foi nesta faculdade da Universidade do Porto que desenvolveu toda a sua carreira académica, tendo prestado as provas de agregação na área de Anatomia no ano 2000. Quatro anos mais tarde, e já na qualidade de Professor Catedrático, viria a ser eleito pela primeira vez como diretor da faculdade.

É membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida eleito pela Assembleia da República, Vice-Presidente do Conselho Estratégico do Instituto Português de Oncologia do Porto, membro do Conselho Diretivo do Centro Académico Clínico ICBAS/Centro Hospitalar do Porto e do Conselho estratégico do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho.

Entre os cargos que exerceu, dentro e fora da academia, incluem-se ainda os de Presidente do Conselho Nacional de Ensino e Educação Médica da Ordem dos Médicos, consultor do Governo da República Dominicana para a avaliação da Reforma das Escolas de Medicina (2016-2017), ou membro do Conselho de Administração da ORPHEUS – Organisation of PhD Education in Biomedicine and Health Sciences in European System (2013-2016).

Enquanto investigador, colaborou, no âmbito da sua tese de doutoramento, com a organização e informatização de um Registo Oncológico de Base Populacional, que constituiu o primeiro registo oncológico de base populacional feito em Portugal. Nos últimos anos, desenvolveu a sua atividade de investigação na área da gestão universitária e políticas de saúde. Entre outros projetos internacionais, coordenou e participou no estudo “Guidelines for Accreditation and Quality Assurance of Health Care Units Used for Teaching in Undergraduate Medicine”, em parceria com o Imperial College.

Fora da Universidade, António de Sousa Pereira, de 56 anos, continua a ser um homem bastante ligado ao Porto, cidade onde nasceu e estudou quase sempre: em jovens estudou no Liceu Alexandre Herculano e posteriormente ICBAS da U. Porto para a licenciatura, mestrado e doutoramento. É simpatizante do FC Porto, embora admita que não vai muitas vezes ao Estádio do Dragão; entre os pratos preferidos estão as “Tripas à moda do Porto”, especialmente se forem confecionadas pela mãe.

Casado, pais de dois filhos, vive perto do Rio Douro e ocupa os tempos livres com uma paixão antiga: coleção de máquinas fotográficas. Foi praticante de xadrez e ainda é atleta federado de tiro de pistola.

Manuel Pinheiro
19 Setembro, 2018 / ,

O Presidente da Comissão Executiva da CVRVV – Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes gosta passear para descobrir a cidade onde nasceu. Apesar de ser um apaixonado pelos automóveis antigos, é a pé que gosta de percorrer o Porto.

Manuel Pinheiro nasceu em 1966 na Sé, uma das mais típicas freguesias do Porto e foi também na sua terra natal que estudou Direito na Universidade Católica. A Pós-Graduação em Administração foi feita no Collége d´Europe em Brugge, Bélgica, mas regressaria ao Porto para trabalhar.

É presidente da ANDOVI – Associação Nacional das Denominações de Origem Vitivinícolas, entidade que reúne as Regiões Demarcadas Portuguesas e membro do Conselho Consultivo do Instituto da Vinha e do Vinho. Foi vice-presidente do CEPV, Conselho Europeu Profissional do Vinho, membro do Conselho Interprofissional da CIRDD e do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto e secretário-geral da ANCEVE. É presidente da CVRVV desde 2000.

Os automóveis antigos são uma das suas paixões. “Gosto de trabalhar neles e de os conduzir com a calma que hoje, na azáfama do dia-a-dia, já não conhecemos”, revela. Em 1995 esta paixão levou-o a abrir, na Rua da Constituição, a Ascari (http://www.ascari.pt), que ainda hoje é a única livraria especializada em temas de automóveis, motos e técnica.

Nos seus tempos livres, o presidente da CVRVV também adora caminhar: “O Porto tem imensas opções para o caminhante. Seja o centro da cidade, a zona histórica com vielas e escadarias por descobrir, sejam as avenidas como a Boavista ou a Marechal Gomes da Gosta com imponentes moradias. Um dos percursos mais interessantes é a marginal do Douro, desde o centro histórico até às praias da Foz. São duas cidades numa só: o centro urbano e a zona da costa, antigamente local de veraneio dos portuenses e hoje uma zona residencial e de restaurantes excelentes”, aconselha.

Restaurante

O Porto tem cada vez mais oferta de comidas de todos os sabores e origens. Vamos portanto regressar a dois locais que preservam a gastronomia tradicional Portuense e cujas salas se enchem de clientes locais. O Morfeu Marginal, na rua do Ouro 400, quase sob a ponte da Arrábida, com ementa que varia todos os dias (não perca o cozido à sexta!) e a Cozinha do Martinho, no outro extremo da cidade, na Areosa (Rua de Costa Cabral 2598), que preserva uma ementa tradicional que seduziu o Anthony Bourdain na sua última visita ao Porto.

Bar

De copo na mão, de pé a conversar e a ver a cidade passar, o Aduela (Rua das Oliveiras, 36 ) é um bom ponto de encontro informal.

 Local/Passeio na cidade

Vá para o extremo menos turístico da cidade, em Campanhã, e faça a ecovia sobre o Douro que começa junto à Pousada do Freixo/Museu de Imprensa e vai até um ótimo local para almoçar com uma visita inesquecível, a Casa Lindo. Esta ecovia segue sempre sobre o rio, muito serena acompanhando as curvas da margem. Perfeito para um fim de tarde também.

Um segredo da cidade 

Todos os visitantes ao Porto passam pela Sé Catedral, edifício central da cidade datado do século XII. Se o visitante estiver na porta da Sé e olhar em frente com atenção, verá uma seta amarela marcada na pedra. Caminhe até essa seta e procure outra. Siga as setas pela cidade fora e diga-nos onde elas o levaram.

 Onde beber um vinho verde

Mesmo ao lado do Porto, Matosinhos, facilmente acessível a pé ou de metro, tem uma oferta imensa de restaurantes com peixe fresco a cada dia. É o ambiente ideal para provar o melhor da gastronomia Portuguesa com um ótimo Vinho Verde.

 

Agustina Bessa-Luís
14 Setembro, 2018 / ,

“Vivo aqui, mas o Porto não é para mim um lugar; é um sentimento”

Agustina Bessa-Luís é uma das mulheres mais emblemáticas da cultura portuguesa. Com dezenas de obras publicadas e dona de uma personalidade única, tem uma enorme paixão pelo Porto.

Nasceu em Vila-Meã, Amarante, a 15 de Outubro de 1922, mas durante a infância e adolescência viveu em várias cidades, mantendo, contudo, uma forte ligação à região do Douro, notória em muitas das suas obras. A biblioteca do avô materno permitiu-lhe o primeiro contacto com a literatura francesa e inglesa, que a influenciaria.

Na adolescência chegou a escrever romances sob pseudónimo, mas foi em 1948 que publicou o primeiro livro, Mundo Fechado. Três anos antes casara com Alberto Luís; conheceu o marido através de um anúncio que publicou num jornal em que procurava uma pessoa culta com quem trocar correspondência, o que revela bem o seu temperamento independente e determinado. Em 1953, com o premiado romance, A Sibila, Agustina Bessa-Luís ganhou um enorme reconhecimento.

Desde então, e até aos primeiros anos do século XXI, publicou dezenas de obras, algumas delas adaptadas ao cinema por Manoel de Oliveira. Apesar de muitas vezes não ter ficado satisfeita com estas adaptações, esta colaboração foi longa e profícua. Agustina escreveu mesmo o texto que acompanha o filme Visita ou Memórias e Confissões, feito para ser exibido após a morte do realizador. A Corte do Norte também foi adaptada ao cinema por João Botelho e várias obras foram adaptadas ao palco. Além de romances, escreveu também peças de teatro, biografias, ensaios e livros infantis. Entre 1986 e 1987 foi diretora do jornal  O Primeiro de Janeiro e entre 1990 e 1993 esteve na direção do Teatro Nacional de D. Maria II.

É membro da Academie Européenne des Sciences, des Arts et des Lettres (Paris) e da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa. Entre as distinções recebidas contam-se a Ordem de Sant’Iago da Espada (1980), a Medalha de Honra da Cidade do Porto (1988) e o grau de Officier de l’Ordre des Arts et des Lettres, do Governo francês (1989). Tem obras traduzidas para alemão, castelhano, dinamarquês, francês, grego, italiano e romeno.

Destemida, inteligente, sarcástica e sem medo de desafiar convenções e poderes, Agustina-Bessa Luís nunca temeu dizer o que pensava nem se deixou intimidar pelo facto de ser mulher ou de não pertencer aos círculos do poder. Por razões de saúde, está afastada da vida pública e literária há vários anos.

Pedro Abrunhosa
13 Agosto, 2018 / ,

É um dos grandes nomes da música portuguesa. Foi com o álbum “Viagens”, de 1994, que se deu a conhecer ao grande público, tendo aí conquistado o sucesso e o carinho de muitos que manteve até hoje através de, no total, 7 trabalhos de originais: a esse primeiro, que contou com a participação especial de Maceo Parker, saxofonista de James Brown, seguiram-se o “Tempo” (1996), “Silêncio” (1999), “Momento” (2002), “Luz” (2007), “Longe” (2010) e “Contramão” (2013). Nos primeiros 5 discos de estúdio, foi acompanhado pela banda ‘Bandemónio’; nos últimos 2, pelos ‘Comité Caviar’. Todas as músicas foram escritas e compostas por ele.

Ele é Pedro Abrunhosa. Nasceu em 1960, começou pelos estudos musicais clássicos, foi professor (a partir dos seus 16 anos) e contrabaixista de Jazz, tendo fundado a Escola de Jazz do Porto e a sua Orquestra. É conhecido por nunca largar os seus óculos de sol, mas principalmente por muitos sucessos dos últimos 25 anos da música portuguesa, como por exemplo “Tudo o que eu te dou”, “Momento”, “Se eu fosse um dia o teu olhar” – música composta para banda sonora do filme “Adão e Eva” de Joaquim Leitão – “Toma conta de mim” ou “Fazer o que ainda não foi feito”. As suas canções são interpretadas no Brasil por nomes como Caetano Veloso (que o convidou para apresentar um espectáculo em conjunto na Expo98), Maria Bethânia, entre muitos outros. Compôs também para outros músicos, como por exemplo Ana Moura, Carlos do Carmo ou Camané. Em 2004 foi um dos artistas que encerrou o Rock in Rio, que pela primeira vez se realizou em Lisboa. Para além dos 7 discos de estúdio lançou dois DVD’s: o “Intimidade”, em 2005, e o “Coliseu”, em 2011.

 

 

Para além de escritor de canções, Pedro Abrunhosa já contracenou com Chiara Mastroianni no filme de Manoel de Oliveira “A Carta”, de 1999, e é um habitual cronista em vários meios de comunicação social. Em 2005 fundou os BoomStudios, estúdios de gravação para si mesmo e para outros nomes da música nacional e internacional. Venceu vários prémios: 3 Globos de Ouro, o Prémio Bordallo de Imprensa, o Prémio SPA – ‘Pedro Osório’, 4 Prémios Blitz, entre outros. Em 2016, Pedro Abrunhosa, enquanto autor, foi responsável pelo cântico de apoio à Seleção Nacional de Futebol no Euro2016, em França, com uma adaptação da canção “Tudo o que eu te dou”. Mas Pedro Abrunhosa é também um homem de causas. E se hoje a cidade vibra com a programação cultural do Coliseu, está seguramente na memória dos Portuenses a imagem de Pedro Abrunhosa algemado às portas simbolizando a oposição da cidade à venda do espaço. Por isso e por tudo o mais, Pedro é um homem da cidade do Porto e o Porto é a cidade de Pedro Abrunhosa.