Perfil

Pedro Abrunhosa
13 Agosto, 2018 / ,

É um dos grandes nomes da música portuguesa. Foi com o álbum “Viagens”, de 1994, que se deu a conhecer ao grande público, tendo aí conquistado o sucesso e o carinho de muitos que manteve até hoje através de, no total, 7 trabalhos de originais: a esse primeiro, que contou com a participação especial de Maceo Parker, saxofonista de James Brown, seguiram-se o “Tempo” (1996), “Silêncio” (1999), “Momento” (2002), “Luz” (2007), “Longe” (2010) e “Contramão” (2013). Nos primeiros 5 discos de estúdio, foi acompanhado pela banda ‘Bandemónio’; nos últimos 2, pelos ‘Comité Caviar’. Todas as músicas foram escritas e compostas por ele.

Ele é Pedro Abrunhosa. Nasceu em 1960, começou pelos estudos musicais clássicos, foi professor (a partir dos seus 16 anos) e contrabaixista de Jazz, tendo fundado a Escola de Jazz do Porto e a sua Orquestra. É conhecido por nunca largar os seus óculos de sol, mas principalmente por muitos sucessos dos últimos 25 anos da música portuguesa, como por exemplo “Tudo o que eu te dou”, “Momento”, “Se eu fosse um dia o teu olhar” – música composta para banda sonora do filme “Adão e Eva” de Joaquim Leitão – “Toma conta de mim” ou “Fazer o que ainda não foi feito”. As suas canções são interpretadas no Brasil por nomes como Caetano Veloso (que o convidou para apresentar um espectáculo em conjunto na Expo98), Maria Bethânia, entre muitos outros. Compôs também para outros músicos, como por exemplo Ana Moura, Carlos do Carmo ou Camané. Em 2004 foi um dos artistas que encerrou o Rock in Rio, que pela primeira vez se realizou em Lisboa. Para além dos 7 discos de estúdio lançou dois DVD’s: o “Intimidade”, em 2005, e o “Coliseu”, em 2011.

 

 

Para além de escritor de canções, Pedro Abrunhosa já contracenou com Chiara Mastroianni no filme de Manoel de Oliveira “A Carta”, de 1999, e é um habitual cronista em vários meios de comunicação social. Em 2005 fundou os BoomStudios, estúdios de gravação para si mesmo e para outros nomes da música nacional e internacional. Venceu vários prémios: 3 Globos de Ouro, o Prémio Bordallo de Imprensa, o Prémio SPA – ‘Pedro Osório’, 4 Prémios Blitz, entre outros. Em 2016, Pedro Abrunhosa, enquanto autor, foi responsável pelo cântico de apoio à Seleção Nacional de Futebol no Euro2016, em França, com uma adaptação da canção “Tudo o que eu te dou”. Mas Pedro Abrunhosa é também um homem de causas. E se hoje a cidade vibra com a programação cultural do Coliseu, está seguramente na memória dos Portuenses a imagem de Pedro Abrunhosa algemado às portas simbolizando a oposição da cidade à venda do espaço. Por isso e por tudo o mais, Pedro é um homem da cidade do Porto e o Porto é a cidade de Pedro Abrunhosa.

Souto Moura
20 Julho, 2018 /

Vencedor do Prémio Pritzker de Arquitetura (2011), Eduardo Souto Moura é um dos expoentes da chamada “Escola do Porto”.

Eduardo Elísio Machado Souto de Moura nasceu no Porto em 25 de Julho de 1952 e estudou na Escola Superior de Belas Artes do Porto e na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, tendo colaborado, ainda enquanto estudante, com Siza Vieira. A influência de Siza (que recebeu também um Pritzker (1992) é reconhecida por Souto Moura, mas os dois arquitetos são também amigos e fizeram projetos em conjunto.

Souto Moura recebeu o primeiro prémio da sua carreira logo no ano em que concluiu a licenciatura. No ano seguinte começaria a dar aulas no curso de Arquitetura da Universidade do Porto, mas ao longo da sua carreira também lecionou na Faculdade de Arquitetura de Paris-Belleville, escolas de Arquitetura de Harvard e de Dublin (1989), ETH de Zurich e Escola de Arquitetura de Lausanne.

Para além dos projetos de construção, Souto Moura tem-se destacado também em intervenções realizadas em edifícios históricos, intervenções territoriais e, mais recentemente, trabalhos na área do Design de Produto. Para além do Pritzker, foi o único arquiteto a vencer o Prémio Pessoa. Do seu vasto palmarés destaca-se o recente Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza. Vive no Porto com a família, numa moradia que ele próprio projetou. É vizinho de Siza Vieira e trabalha perto de casa, num edifício que partilha com Siza Vieira e Rogério Cavaca.

Algumas obras emblemáticas:

  • Casa das Artes, Porto
  • Ponte dell’Accademia, Bienal de Veneza, Itália
  • Reconversão do Convento de Santa Maria do Bouro
  • Burgo Empreendimento – edifícios de escritórios e galeria comercial, na Avenida da Boavista, Porto
  • Bloco de habitação na Rua do Teatro, Porto
  • Biblioteca infantil e auditório para a Biblioteca Pública Municipal do Porto
  • Remodelação e valorização do Museu Grão Vasco, Viseu
  • Reconversão do edifício da Alfândega do Porto em Museu dos Transportes e Comunicações
  • Reconversão da Faixa Marginal de Matosinhos Sul
  • Centro Português de Fotografia, edifício da Cadeia da Relação do Porto
  • Projeto de arquitetura para o Metro do Porto
  • Casa do Cinema Manoel de Oliveira
  • Estádio Municipal de Braga
  • Casa das Histórias Paula Rego, Cascais
Vasco Graça Moura
6 Junho, 2018 /

Escritor, poeta e tradutor, Vasco Graça Moura foi uma das figuras mais marcantes da vida cultural portuguesa mais recente. Licenciado em Direito, fez das Letras a sua grande paixão, mas teve igualmente uma grande intervenção na política.

Nascido na Foz do Douro, no Porto, em 3 de janeiro de 1942, Vasco Graça Moura ainda terá sentido o apelo das Belas Artes, mas acabou por seguir o curso de Direito que era, aliás, uma tradição na sua família.

A primeira obra que publicou foi Modo Mudando, em 1963. Ao longo da sua vida, foi autor de mais de 100 obras, entre poemas, romances ou ensaios. Destacar-se-ia também na tradução, dedicando-se a autores como Rilke, Shakespeare ou Dante. A tradução de “A Divina Comédia” valeu-lhe mesmo a Medalha de Ouro da Cidade de Florença (Itália). A esta distinção junta também condecorações recebidas no Brasil e as mais prestigiadas condecorações atribuídas em Portugal.

Entre os vários prémios recebidos destacam-se o Prémio Pessoa (1995), o Prémio Internacional “La cultura del mar”, em Itália  (2002), a Coroa de Ouro do Struga Poetry Evenings (Macedónia, 2004) ou o Prémio Vergílio Ferreira (2007).

Para além de uma vasta carreira literária, Vasco Graça Moura destacou-se também na política: integrou, enquanto Secretário de Estado, dois governos. Foi diretor de programas da televisão pública portuguesa (RTP) em 1978 e nesse ano passou também a administrar a parte editorial da Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Entre 1988 e 1995 foi presidente da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e comissário-geral de Portugal para a Exposição Universal de Sevilha (1988-1992).

Em 1999, foi eleito deputado ao Parlamento Europeu, cargo que viria a exercer durante dez anos. Em 2012 foi nomeado para a presidência da Fundação Centro Cultural de Belém. Morreu em Lisboa a 27 de abril de 2014.

José Rodrigues – O escultor que deixou a sua marca no Porto
18 Abril, 2018 /

José Rodrigues, um dos maiores escultores portugueses, faleceu no passado dia 10 de setembro, mas as suas obras continuam a marcar a paisagem da cidade.

Nascido em Luanda, Angola, em 1936, José Rodrigues mostrou desde cedo o gosto pela escultura e já em criança gostava de moldar barro. Já em Portugal, estudou Escultura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde mais tarde viria a ser professor.

Foi fundador e presidente da Cooperativa de Ensino Artístico Árvore e fundador da Bienal de Cerveira.

Além da escultura dedicou-se igualmente a outras expressões artísticas. Faz Ilustração para livros de escritores e poetas, produziu cerâmica e medalhística, realizou cenografias e desenhou o cenário da cerimónia de classificação do Porto como Património da Humanidade.

A sua fundação, localizada numa antiga fábrica de chapéus, acolhia o seu atelier, mas é também um local para divulgação das artes, com salas de exposições e um auditório, acolhendo igualmente uma companhia de bailado e de teatro.

Entre as suas obras mais famosas estão o Cubo da Praça da Ribeira (1976) ou ao monumento ao empresário, de 1992.

Alexandre Quintanilha
15 Março, 2018 / ,

Cientista internacionalmente reconhecido, Alexandre Quintanilha nasceu em África e viveu nos Estados Unidos, antes de se radicar no Porto, onde dirigiu Instituto de Biologia Molecular e Celular e onde deu aluas até se jubilar. Atualmente é deputado na Assembleia República.

Nasceu em Moçambique a 9 de agosto de 1945, filho de um açoriano e de uma alemã. O pai era um biólogo famoso, mas Alexandre começou por estudar física. Licenciou-se em Física Teórica na Universidade de Joanesburgo, na África do Sul. Viajou mais tarde para os Estados Unidos, estudou na prestigiada Universidade de Berkeley, na Califórnia. Foi durante este período, quando enquanto vivia em San Francisco, que conheceu Richard Zimler, na altura estudante. Zimler, com quem viria a casar já em Portugal, é hoje um escritor famoso, sendo também professor universitário.

Entre 1983 e 1990 foi diretor assistente da secção de Energia e Ambiente no Laboratório Nacional Lawrence. Nos anos 90 foi desafiado a regressar a Portugal e ajudar a fundar o  Instituto de Biologia Molecular e Celular, do qual viria a ser diretor.  A vinda para o Porto aconteceu a convite do neurologista Corino de Andrade, que na altura estava já a pensa criar o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Seria ali que Alxenadre Quintanilha daria aulas até se jubilar. É autor de publicações nas áreas de Biologia, Ambiente e Física Aplicada. É o único português membro do Conselho para Investigação e Exploração da National Geographic Society. Publicou perto de 100 artigos em várias revistas científicas de nível mundial, foi editor e autor de seis volumes em áreas da Biologia e Ambiente. Mais do que um cientista, Alexandre Quintanilha é um apaixonado pelo conhecimento. Viveu em três continentes, fala quatro línguas e gosta de questionar permanente o que parece certo. Se no início sentiu algumas dificuldades de adaptação à cidade, rapidamente se deixou contagiar pela beleza do Porto e pela forma cordial como foi recebido.

 

As sugestões de João Espírito Santo
15 Fevereiro, 2018 / , ,

É um dos mais famosos dentistas portugueses, com presença regular em programas televisivos e uma missão que o tem levado a revelar um lado solidário: fazer sorrir e cuidar da saúde oral, mesmo das pessoas em situação económica mais débil.

Em Portugal conhecem-no sobretudo como “Senhor Doutor” ou “Doutor João”, graças à sua participação num programa de televisão em que faz tratamentos dentários gratuitos aos mais desfavorecidos. Para além da das consultas e da investigação, tem dado aulas em escolas portuguesas e espanholas.

Nascido no Porto em 1979, João Espírito Santo estudou e trabalhou quase sempre na cidade, onde fundou e dirige a clínica Medical Art Center. Apesar de, por questões académicas e profissionais ter viajado muito durante os últimos anos, o Porto, e sobretudo a zona da Foz são a sua base. É aqui que tem a sua clínica e que reside e é nesta área que estão alguns dos seus locais favoritos. Casado e pai de três filhos, João Espírito Santo aprecia os pratos e restaurantes mais tradicionais, mas também não dispensa um passeio em família junto ao mar ou perto do Rio Douro.

  • Bar 

Casa do Livro (R. da Galeria de Paris, 85 Porto)

Fé Wine & Club (Praça D. Filipa de Lencastre nº1)

  • Restaurante

Cepa Torta

  1. de Gondarém 843, Porto
  • Um passeio

Pelos jardins de Serralves

Ou fazer um passeio de bicicleta da Foz até à Afurada, atravessando de barco e regressando pela ponte D. Luís

  • Local romântico

Jardins do Museu do Vinho Porto –  Rua de Monchique 94

  • Um segredo da cidade (local pouco conhecido)

Enroladinhos de fiambre na Casa Bacelar (Praça Dom Afonso V, 55, Porto) Filetes ou cabidela no Restaurante A Capoeira (Esplanada do Castelo 63, Porto) Capela de Santa Teresinha

 

João Queiroz – O arquiteto da Baixa
7 Fevereiro, 2018 / , ,

O Café Majestic é, talvez, a sua obra mais emblemática. João Queiroz trabalhou sempre sozinho num pequeno atelier na Baixa do Porto e ajudou a definir a estética de uma das zonas mais conhecidas da cidade.

Nasceu no Porto em 1892 e viveu durante toda a juventude numa casa situada na Rua de Santa Catarina, em frente ao local onde está hoje o Café Majestic. Esses terrenos, onde na altura existiam amoreiras que eram fundamentais para a produção de seda, viriam a ser ocupados por edifícios marcantes para a história da cidade, vários deles com a traça deste arquiteto.

Fez o Curso Preparatório de Desenho da Escola de Belas Artes do Porto e em 1926, depois de ter trabalhado na Direção Geral dos Edifícios e Monumentos do Norte, obteve o diploma de arquiteto. Voltaria a estudar aos 52 anos, matriculando-se no curso de Urbanologia, que tinha sido criado nesse mesmo ano. O seu percurso académico e a vida profissional foram marcados pelas duas guerras mundiais, pelo que desenvolveu também uma sólida carreira militar, tendo atingido o posto de capitão. Era, aliás, conhecido como Capitão Queiroz.

O seu primeiro projeto consistiu num prédio racionalista, localizado na Rua de Santa Catarina, no Porto, que criou para o seu pai. Foi lá que instalou o atelier onde sempre trabalhou.

O seu edifício mais famoso foi, sem dúvida, o Café Majestic, inicialmente chamado Café Elite; quando os proprietários do café decidiram criar uma janela para venda de jornais nas traseiras do café, recorreram novamente aos serviços deste arquiteto. O Cine Teatro Olímpia ou o Cinema Trindade são igualmente edifícios da sua autoria; foi também autor de um projeto, não concretizado, para o Coliseu do Porto.

Entre as suas obras estão também casas de habitação particular e loja; uma das mais inovadoras fica no número 54 da Rua de Santa Catarina e, na época, a montra circular não agradou aos mais conservadores. Em termos de habitações, destacam-se o nº 65 da Rua António Aroso e o n.º 315 da Rua António Patrício.

Faleceu aos 90 anos, a 25 de Fevereiro de 1982.

 

Marques da Silva – O arquiteto do Porto
10 Janeiro, 2018 / ,

A sua obra marca definitivamente a cidade do Porto. De habitações particulares, passando por escolas e até por um monumento icónico, Marques da Silva ajudou a construir uma cidade mais moderna e mais bonita.

Nascido na Rua Costa Cabral, no Porto, viria a falecer na mesma cidade em 1947. José Marques da Silva nasceu, viveu e morreu no Porto, mas Paris e a estética francesa viriam a influenciá-lo. Começou por estudar na Academia Portuense de Belas-Artes, ingressando depois na  École Nationale et Spéciale des Beaux-Arts.

Regressou a Portugal em 1896, assinando logo um projeto de grande importância: a estação de São Bento. Aliás, a Gare Central tinha sido o seu trabalho final no curso de Arquitetura tirado em Paris. No entanto, a ideia inicial teve de ser sucessivamente reformulada, pelo que a estação só viria a ficar concluída em 1916. No entanto, o facto de lhe ter sido entregue uma obra de tamanha envergadura – a primeira estação ferroviária da cidade – demonstra o prestígio que tinha já na fase inicial da sua carreira. Em 1900 recebeu uma medalha de prata na exposição de Paris, o que contribuiu para aumentar o seu prestígio nacional e internacional.

Ao longo da sua vida, Marques da Silva assinou vários projetos que modernizaram o rosto da cidade. São edifícios que aliam o lado estético à funcionalidade e que estão um pouco por toda a cidade, da Baixa a Serralves.

Foi também professor e diretor na Faculdade de Belas-Artes do Porto e na Escola de Arte Aplicada Soares Reis. Foi também autor de obras de relevo em Guimarães e em Barcelos.

Algumas obras emblemáticas no Porto:

Estação de São Bento (1896-1916)

Edifício das Quatro Estações (1905), Rua das Carmelitas

Casa Atelier Marques da Silva (1909),  Praça do Marquês de Pombal

Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular (1909), Rotunda da Boavista

Teatro Nacional S. João (1910-1920), na Praça da Batalha

Edifício dos Grandes Armazéns Nascimento, (1914-1927), esquina da Rua de Santa Catarina com Passos Manuel

Liceu Alexandre Herculano (1914-1931), na Avenida de Camilo

Palácio do Conde Vizela (1917-1923), na Rua das Carmelitas/ Rua do Conde de Vizela/ Rua de Cândido dos Reis

Liceu Rodrigues de Freitas (1918-1932), na Praça de Pedro Nunes

Edifício Joaquim Emílio Pinto Leite (1922), na Avenida dos Aliados,

Edifício de Rendimento (1925-1928), na Rua de Alexandre Braga

Casa e Jardins de Serralves (1925-1943), na Rua de Serralves

 

 

Sobrinho Simões – Um portuense que é o motivo de orgulho para a cidade
5 Dezembro, 2017 / ,

Em 2015 a revista The Patologist elegeu-o como o patologista mais influente do mundo. Manuel Sobrinho Simões é um apaixonado pelo Porto e um dos grandes motivos de orgulho da cidade onde nasceu em 1947.

É mundialmente reconhecido pelo trabalho desenvolvido na área do cancro da tiroide, mas também pelas escolas de Patologia que ajudou a fundar um pouco por todo o mundo. Fundador do IPATIMUP  (Instituto de Patologia e Imunologia Molecular e Celular da Universidade do Porto) – uma unidade de investigação reconhecida internacionalmente e que efetua anualmente centenas de consultas de diagnóstico para hospitais e institutos de oncologia da Europa e da América – é um verdadeiro workaholic, mas sempre atento e preocupado com as grandes questões do mundo que o rodeia.

Nascido numa família ligada à Medicina: o bisavô e o avô tinham sido médicos e o pai professor e investigador na área da Bioquímica. Nasceu em Paranhos, estudou na zona das Antas e no Liceu Alexandre Herculano, antes de se matricular no curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Tal como já tinha acontecido no liceu, o seu percurso académico foi sempre pautado por excelentes classificações, tendo conquistado vários prémios de mérito.

Adepto do FC Porto, foi também praticante de hóquei no Estrela e Vigorosa Sport e campeão universitário de pingue-pongue.

Foi na Universidade do Porto que ganhou o gosto pela Patologia. O amor pelas viagens vinha já desde juventude, graças ao dinheiro dos prémios de mérito académico e alguma ajuda do avô. Já depois de casado, fez o pós-doutoramento em Oslo, na Noruega e seria a partir desta experiência internacional que viria a tornar-se conhecido internacionalmente.

Além de colaborar com universidades e hospitais de todo o mundo, é autor e coautor de centenas de artigos. Aos 70 anos, continua a ter um ritmo intenso de trabalho, mas sem descurar os netos e a restante família, com quem gosta de passar os tempos livres. Em criança brincava no jardim de Arca d’Água, mas atualmente prefere os passeios de bicicleta no Parque da Cidade.

 

 

Pinto da Costa – O homem que colocou o FC Porto no topo
7 Novembro, 2017 / ,

Apesar de em tempos ter jogado futebol, não foi a marcar golos que se destacou no FC Porto. A sua visão para o clube, a estratégia que delineou e uma liderança forte transformaram o FC Porto num dos clubes mais prestigiados do mundo.

Jorge Nuno Pinto da Costa não é apenas adorado pelos adeptos do seu clube, que entoam cânticos com o seu nome durante os jogos e que lhe chamam carinhosamente “O Papa”. É também o presidente com mais títulos de futebol conquistados ao comando de um clube: duas Taças dos Campeões/Liga dos Campeões, duas Taças Intercontinentais, duas Taças UEFA/Liga Europa, uma Supertaça Europeia, 20 Campeonatos nacionais, 12 Taças de Portugal e 20 Supertaças.

Desde 13 de janeiro de 2017 deste ano que é também o dirigente que mais tempo liderou um clube a nível mundial: ao 12.684.º dia ultrapassou Santiago Bernabéu (ex-presidente do Real Madrid).

 

Nasceu em Cedofeita, no Baixa do Porto, a 28 de dezembro de 1937, numa família da alta burguesia, mais interessada na cultura do que no desporto. No entanto, um dos seus tios era já fervoroso adepto do FC Porto e levou-o a ver o seu primeiro jogo de futebol no Campo da Constituição. Viria a tornar-se sócio do clube e, depois de concluído o ensino secundário, deixou de ser apenas um adepto para se envolver em cargos relacionados com a gestão do clube. Começou a trabalhar na secção de hóquei em patins, passou pelo boxe e por outras modalidades.

 

 

A entrada no departamento de futebol aconteceu em 1976. Em 1978 o FC Porto volta a ser campeão nacional, 19 anos depois. O clube parecia ter iniciado um ciclo vitorioso, mas em 1980 Pinto da Costa desentendeu-se com a direção e afastou-se. Em 1982 candidatou-se pela primeira vez à liderança do clube e ganhou com 95% dos votos. O resto é uma história de sucesso.

Durante os anos 80 o FC Porto ganha prestígio nacional e internacional; nos anos 90, conquista pela primeira vez cinco títulos nacionais consecutivos. Na primeira década do século XXI, mais títulos, destacando-se a Taça UEFA em 2003 e a Liga dos Campeões e a Taça Intercontinental em 2004.

Às vitórias no futebol somam-se triunfos noutros desportos, bem como obras de relevo: o rebaixamento do antigo Estádio das Antas, a construção do Estádio do Dragão, do Dragão Caixa e do Museu do FC Porto.