Atualidade

Museu dos Clérigos
14 Dezembro, 2018 / , ,

O percurso pela Casa da Irmandade (1754-1758), onde se localiza o Museu propicia um regresso ao passado, a experiência de percorrer espaços, que em tempos, foram privados e destinados ao quotidiano da Irmandade dos Clérigos.

Percorrendo a Casa do Despacho, a Sala do Cofre, o Cartório, e a antiga enfermaria, percebe-se que o Museu possui um acervo constituído por bens culturais de valor artístico considerável, do século XIII até ao século XX, que se espraia nas coleções de escultura, pintura, mobiliário e ourivesaria. Esses bens são mensageiros de um património histórico e cultual, cuja função perdida na passagem do tempo, deu lugar à sua musealização.

 

 

A enfermaria da Irmandade dos Clérigos que funcionou até finais do século XIX dedicada ao tratamento dos clérigos doentes, foi convertida num espaço expositivo, e acolhe atualmente a coleção Christus. Esta exposição, concebida a partir da doação de uma coleção por parte de um colecionador particular, desvela a paixão pelo colecionismo, e conta uma história complementada com objetos, outrora de devoção, considerados hoje legados culturais de interesse. São peças de escultura de vulto, pintura e ourivesaria que enaltecem o encontro da arte com a fé.

A exposição, distribuída por três salas – Núcleo da Paixão, Viagem das Formas e Imagens de Cristo – convida a uma viagem pelo tempo e pelo espaço, pela imagem e pela devoção.

O Museu da Irmandade dos Clérigos integra a Rede Portuguesa de Museus, desde 28 de agosto de 2018.

 

Sugestões de Paulo Sarmento e Cunha
7 Dezembro, 2018 / ,

Vivo na Baixa do Porto há 15 anos, desde o tempo em que a zona era decadente e insegura aos olhos da maioria, mas não dos meus.

A Baixa do Porto tem um carácter forte, com espaços envoltos por edifícios com história e tradições. É daqui que parto frequentemente para passeios, normalmente a pé ou de transportes públicos.

Conheço bem a Cidade onde vivo. Fui descobrindo os seus cantos ao longo dos anos, desde onde o rio encontra o mar, até ao canto oposto,  em que a cidade se apresenta ainda fortemente marcada pela era industrial de outros tempos.

Não existem muitos sítios públicos da Cidade por onde eu não tenha passado, alguns bem vívidos e que me preenchem a memória.

Porém, a Cidade surpreende-me sempre. Os sítios renascem e  renovam-se e, por isso, com frequência me sinto turista na minha própria cidade.

Serei turista quando for de novo à Quinta do Barão de Nova Sintra, depois da recente requalficação, o que o fez merecer o nome de “Jardins Românticos de Nova Sintra” para voltar a passear e ver as fontes e chafarizes de sempre e verificar como se integrou a nova escultura de Julião Sarmento no novo Jardim.

Será também um gosto revisitar o Parque da Pasteleira para conhecer a transformação que está a ser sujeita o antigo reservatório de água para acolher um dos pólos do Museu da Cidade. Estou com  curiosidade para saber como será cuidada a história da Cidade dentro das sucessivas células de água do antigo reservatório.

Os meus dias começam normalmente cedo. Tento manter este hábito aos fins-de-semana e sair logo de casa para aproveitar as manhãs. Evito, por isso, a noite e o ambiente de bares. Prefiro cafés e neles gosto de ler à luz do dia. O meu preferido é o Guarany, em plena Av. dos Aliados. Com muita arábica, o gosto do café prolonga-se.

 

Quanto a Restaurante, tenho uma particular relação com o Euskalduna Studio, na Rua de Santo Ildefonso. Nunca consegui lá jantar. “Desculpe, não temos mesa”, “Lamento, estamos cheios ..”, são as respostas com que me tenho frequentemente deparado. Vou tentando …

Para ouvir música …. , naturalmente a Casa da Música.

A magia do Natal na Lapa
5 Dezembro, 2018 / , , ,

Se perguntarmos a diferentes pessoas o que é o Natal no Porto, receberemos diferentes respostas. Dirão que é a beleza da árvore de Natal dos Aliados, a cor das iluminações da baixa, o frenesim de Sta. Catarina, o bolo rei de diferentes pastelarias tradicionais ou o bacalhau de determinada mercearia conceituada por anos de infalível serviço ao palato dos portuenses. Tudo isto é verdade, e haveria mais a acrescentar. Contudo, tudo isto faz parte de algo infinitamente mais importante, tudo isto sublinha a alegria do que é realmente o Natal, mas não o esgota nem ofusca. O Natal é o nascimento de Cristo, o anúncio da redenção, a celebração da suprema confiança de Deus no Seu Povo.

Viver, ou estar no Porto, nesta data torna obrigatório testemunhar o modo como a cidade vive este momento central da sua espiritualidade. Atrevo-me a dizer que, pelo menos uma vez na vida, para não roubar público às outras paróquias, é obrigatório participar na extraordinária Missa do Galo na Lapa. O Natal também é magia, e a magia não é incompatível com a solenidade. A experiência da Missa do Galo na Lapa é isso mesmo, mágica e solene. Alí o espírito é desperto através dos diferentes sentidos de modo sublime. Enquanto os olhos se maravilham com a riqueza artística da Igreja e com o rigor estético da celebração, o cheiro do tradicional incenso reforça a intensidade do momento e a música de extraordinária execução e delicada escolha preenche o tempo entre as palavras que dão sentido a tudo o resto. É uma experiência única!

O cuidado muito especial posto nesta Missa, a observância estrita de uma tradição que se reforça a cada ano que passa, tem tido o condão de atrair cada vez mais gente, dando mais sentido ao Natal de cada um dos que escolhe aderir a esta celebração. Pode-se dizer que há pompa, rigor, encenação até, mas sem nunca se perder de vista o essencial. Todos dão o seu melhor para receber o Cristo chegado. Diria que é o ouro, o incenso e a mirra que o Porto tem para oferecer ao Menino.

 

Ousaria dizer que este não é um momento exclusivo dos crentes, seria um terrível egoismo. Este é tembém um momento para quem não crê, mas gosta de alimentar o seu espírito com a beleza da criatividade e com o poder sublime da arte em diferentes formas, a arquitectura, a pintura, a escultura, a música, a palavra. Crentes e não crentes, por diferentes razões, algumas delas comuns, saem dali de alma cheia e com a clara noção do privilégio da participação num momento tão especial. E o Natal acontece.

A Minha Rua – Rua de Serralves
4 Dezembro, 2018 / ,

Vivo numa rua onde o passado está a dar lugar ao futuro. Uma rua estreita, antiga, algo degradada, típica do Porto antigo. Mas, uma urbanização moderna, soberbamente implantada sobre um terreno amplo e verde, impôs-se no local onde antes estava a antiga Fábrica de Lanifícios de Lordelo.

Aí mesmo, nesse local e aproveitando ainda algumas estruturas da fachada do antigo edifício do início do século XIX, existe agora um modo de viver diferente. Já não são os artesãos que para aí se deslocam para trabalhar na fábrica, mas as famílias ou casais em início de vida que aí habitam.
Das janelas de minha casa ou descendo aos jardins do empreendimento, vejo um ribeiro. Coisa rara! A Ribeira da Granja, como se chama, é o maior curso de água que atravessa a cidade do Porto. E tráz um encanto muito especial a todo o envolvimento. Ouve-se o barulho da água a correr e vêm-se pássaros a poisar na relva onde muitas crianças brincam.

A rua é salpicada de pequeno comércio, cafés e mercearias, pequenas habitações, que trazem uma grande afluência de gente. À medida que se sobe, a rua vai melhorando, com habitação mais moderna, recentemente construída, até chegar ao esplendor de Serralves. A entrada para a Casa de Serralves, um ícone da cidade, quase no cruzamento da Rua de Serralves com a Avenida do Marechal Gomes da Costa, surge, imponente e convidando a uma visita.

É assim a minha rua.

Ferrimex: tudo o que precisa para o “faça você mesmo”
15 Outubro, 2018 / ,

Para quê comprar se pode alugar? A Ferrimex tem ferramentas para as pequenas reparações domésticas.

A Ferrrimex apresenta um leque alargado de produtos e serviços inovadores para bricolage, pequenas reparações, obras de remodelação, iluminação e jardinagem. Na loja física – situada na zona da Boavista – ou da virtual, encontrará produtos de qualidade superior a um preço bastante acessível.

A empresa aposta também na inovação e tem disponível um serviço de aluguer de ferramentas, destinado a quem precisa de fazer uma pequena reparação e não quer investir em algo que provavelmente não voltará a usar.

Saiba mais sobre este serviço inovador através dos seguintes contactos:

 

Ferrimex Home & Office, Rua João de Deus, 58 Porto

Telefone: +351 223 264 249

Email: comercial@ferrimex.pt

www.ferrimex.pt

 

Sugestões – Marco lo Faro (Erasmus)
15 Outubro, 2018 / , ,

Nacionalidade: italiana

Experiência internacional: estágio ao abrigo do programa Erasmus+

Antes do Porto, as minhas paragens de Erasmus foram Madrid e Barcelona: duas cidades populosamente cheias de vida. No entanto, o meu tempo no Porto foi de longe o melhor que eu poderia ter imaginado. E comunidade internacional vibrante que o Porto oferece. Assim que cheguei senti-me bem-vindo e tive a sensação de que todos se conheciam ou queriam ser amigos.

 

  1. Uma sugestão de restaurante a ir no Porto

Tasquinha dos sabores (restaurante favorito)

 

  1. Um bar que é mesmo preciso conhecer

Labirintho Bar

 

  1. Um passeio a dar pelo Porto

Rua Santa Catarina para dar um passeio e ir às compras

 

  1. Um local para estudar

Livraria Lello para estudar ou para ir quando se está com falta de motivação para estudar. Este lugar inspira qualquer um a escolher um livro e começar a ler.

 

  1. Um segredo da cidade do Porto

Ponto Panorâmico desde o Guindalense Futebol Clube.

 

Sugestões – Elien Declerck (Erasmus)
15 Outubro, 2018 / , ,

Nacionalidade: belga

Experiência internacional: estágio e atualmente está a viver e a trabalhar no Porto, cidade para onde se mudou por aqui ter encontrado o seu namorado.

  1. Uma sugestão de restaurante a ir no Porto

Bira dos namorados, na Rua de Ceuta. É um restaurante que abriu recentemente, mas que já existia em Braga. É uma hamburgueria e pregaria, com uma ementa simples mas muito boa. Adoro o espaço porque está repleto de motivos minhotos com um estilo próprio e é quase tudo construído através de materiais reutilizados.

  1. Um bar que é mesmo preciso conhecer

Capela Incomum, na Travessa do Carregal, na zona de Cedofeita. É um bar dentro de uma antiga capela do século XIX.

 

  1. Um passeio a dar pelo Porto

Recomendo muito um passeio de bicicleta, junto do rio Douro, até o Foz. Há vários sítios junto da Ribeira onde se pode alugar uma bicicleta, por isso, não há desculpas para não fazer este passeio. Depois, quando chegar ao Foz, é obrigatório comer peixe num dos restaurantes!

 

  1. Um local para estudar

E-Learning Café no Jardim Botânico. Além de ser um espaço para estudar, o e-learning café também organiza vários eventos académicos e culturais. O jardim é o cenário perfeito para fazer uma pausa e um piquenique, antes de voltar a estudar.

 

  1. Um segredo da cidade do Porto

O ingrediente secreto do molho da francesinha! Ainda não descobri. O Porto tem vários restaurantes bons para comer francesinha. O meu favorito é o restaurante Santiago. Foi lá onde comi a minha primeira francesinha e fiquei fã!

Praça Gomes Teixeira (Praça dos Leões)
12 Outubro, 2018 / , ,

Ponto central da vida estudantil do Porto, esta praça tem o nome de um ilustre matemático, mas são os leões da sua imponente fonte que a tornaram conhecida.

A designação oficial desta praça na Baixa do Porto é uma homenagem a Gomes Teixeira, matemático que foi o primeiro reitor da Universidade do Porto. No entanto, é mais conhecida por Praça dos Leões, devido à fonte em granito e bronze que existe na zona central.

Na verdade, este local é muito anterior à fonte e até à própria universidade. Segundo a lenda, no século XII, o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques e a sua mulher, D. Mafalda, iam a caminho de Guimarães quando a rainha caiu num precipício. Naquele momento de aflição, cada elemento do casal invocou um santo. Gratos por se terem livrado do perigo, terão mandado construir, naquele local, capelas a Nossa Senhora da Graça e São Miguel-o-Anjo (já demolidas).

Já no século XVII surgiram o Convento dos Carmelitas (onde atualmente está o  quartel da GNR) e colégios onde era m acolhidos órfãos, o que levou a que este local fosse também conhecido como Largo do Carmo ou Campo dos Meninos Órfãos. Mais tarde, e porque por ali se vendia farinha e pão, foi também conhecido como Praça do Pão ou Praça da Feira do Pão. Já no século XIX, tornou-se Praça dos Voluntários da Rainha, homenageando assim o batalhão liberal do exército português que tinha ocupado o Convento dos Carmelitas.

Quando foi criada a Universidade do Porto, passou a chamar-se Praça da Universidade e, mais tarde, Praça Gomes Teixeira.

O atual edifício da Reitoria da Universidade do Porto foi construído ao longo do século XIX e ali funcionaram também a Faculdade de Ciências e a de Engenharia. A praça ganhou então uma nova vida; a presença dos estudantes foi decisiva para que surgissem cafés, como o mítico Café Âncora d’Ouro  (mais conhecido como O Piolho), livrarias e outros serviços ligados à vida académica. As lojas e armazéns nas proximidades criaram também, junto dos portuenses e de quem visitava a cidade, o hábito de fazer compras nesta zona.

Hoje em dia é um dos locais centrais da animação noturna e continua a ser ponto de encontro nos principais momentos da vida académica da cidade, como a Queima das Fitas ou a Receção aos novos alunos da Universidade do Porto.

As igrejas do Carmo e dos Carmelitas, separadas pela casa mais estreita da cidade, são outro ponto de interesse no local.

A fonte

Imponente, esta emblemática fonte foi mandada construir pela Companhia das Águas do Porto em 1882, com o objetivo de fornecer água aquela zona da cidade. Construída em França pela Compagnie Générale des Eaux pour l’Etranger, tem 8 metros de diâmetro e 6 metros de altura, sendo composta por um tanque de granito e por uma fonte central de bronze com quatro leões alados e sentados nas extremidades. Duas taças na parte superior completam a decoração desta fonte que, em tempos, já foi protegida por uma vedação de ferro.

Praça de Liège
9 Outubro, 2018 / ,

Este jardim da Foz do Douro é uma homenagem a heróis de guerra. Foi recentemente renovado e é o local perfeito para desfrutar de momentos de tranquilidade.

Até 1914 esta praça tinha a designação de Largo do Monte da Luz, já que era este o nome daquela zona da Foz do Douro. No entanto, um episódio de guerra mudaria o nome do local. A invasão alemã a Liège, durante a I Guerra Mundial, e a forma heroica como os habitantes desta cidade belga se bateram, causaram, no Porto e em várias localidades portuguesas, uma enorme onda de solidariedade. No dia 8 de outubro de 1914 foi aprovada a proposta para a atribuição do nome de Praça de Liège ao Largo do Monte da Luz.

Este jardim, conhecido pela sua grande tranquilidade, foi recentemente renovado, numa intervenção que recuperou o pavimento e as duas pérgulas. O repuxo na zona central do jardim foi também recuperado.

Douro Academy
7 Outubro, 2018 / ,

A Douro Academy é o local perfeito para todas as suas experiências de surf e canoagem.

A academia está situada na Douro Marina, em Vila Nova de Gaia, numa das mais belas paisagens da região norte, junto ao Rio Douro e com o oceano mesmo à vista. A localização é, assim, ideal para quem pratica ou quer aprender desportos náuticos. Pode trazer o seu barco ou prancha ou alugar o equipamento da academia.

Quer seja para treinar, aprender ou passear, a Douro Academy tem disponíveis várias experiências que permitem usufruir da paisagem enquanto se pratica desporto. É possível marcar aulas de Surf, Stand Up Paddle (SUP), Surfski e Kayak Surf, bem como passeios de caiaque e SUP, ideais para apreciar a beleza das margens do Douro.

 

 

Os preços e condições de participação são explicados de forma detalhada no site www.douroacademy.com.

Informações:

Douro Academy

Douro MarinaRua da Praia, Vila Nova de Gaia

GPS: 41º 08’ 35’’ N | 8º 39’ 02” W

Tel: + 351 914 322 630

E-mail: info@douroacademy.com