Atualidade

Presépios
23 Dezembro, 2019 / , ,

Joaquim Machado de Castro (Coimbra, 1731 – 1822) foi um dos mais relevantes escultores portugueses de renome, tendo igualmente sido um dos que tiveram maior influência na Europa do século XVIII e princípio do século XIX. Foram vários os Presépios de Natal que produziu, tanto que o mais antigo Presépio da cidade do Porto, que remonta ao séc. XVIII, é da sua autoria, sendo possível visitá-lo na Igreja de São José das Taipas. Mas, também, na Igreja de Corpo Santo de Massarelos é possível ver mais um dos seus belos Presépios, sendo que a sua obra se espalha pelo país.

Sugestões por Nuno Pestana Vasconcelos
13 Dezembro, 2019 / , ,

Nesta pequena grande cidade, tenho por hábito partir sem destino, indo à descoberta de um novo Porto.

Nos últimos anos o Porto tem sabido responder e reinventar-se, como consequência de um efeito crescente do turismo, ao apresentar uma cada vez maior e melhor oferta de espaços, serviços e de eventos. O suficiente para despertar em mim uma vontade constante de partir pela cidade. E muito por aí há para conhecer.

Parto a pé, por vezes sozinho, mas sempre acompanhado pela máquina fotográfica. Muito poderia propor dentro dos tradicionais e habituais circuitos para turistas, os must see que sempre encontramos nos mais variados guias e que são, de facto, a não perder, também neste meu Porto.

Para um fim de tarde, ou princípio de noite, o ponto de encontro tem sido invariavelmente a Capela Incomum. É um espaço inusitado por estar parcialmente dentro de uma antiga capela, com uma área interior acolhedora, ideal para estes dias mais frios, mas com uma pequena esplanada onde nos podemos reunir e assistir ao pôr-do-sol, assim o tempo o permita. A carta de vinhos é suficientemente rica e os amuse bouche ou tapas ajudam a manter uma boa conversa entre amigos, partindo depois pela cidade dentro.

O gosto e a paixão pela fotografia dão o mote para que a minha sugestão seja a descoberta do Porto numa óptica mais artística e estética. Tendo como ponto de partida os Aliados, rodeados por alguns edifícios de referência, com novos e luxuosos hotéis que despontam pela cidade, cafés históricos, edifícios que outrora acolheram bancos, a Câmara, etc, etc, facilmente podemos optar por uma qualquer direcção, que certamente não sairemos desiludidos.

A riqueza arquitectónica do Porto, da mais antiga à contemporânea, daria para sugerir dezenas de interessantíssimos circuitos na cidade.

As ruelas e caminhos estreitos, as escadarias, as calçadas, as ilhas, as praças, jardins, cafés, restaurantes, tascas e tabernas típicas, fazem todos parte deste imaginário mas que é tão real.

As igrejas, antigas salas de cinema, teatros, estações de comboio, comércio tradicional, numa miscelânea de estilos, de espaços, decoração e de vivências, todas contribuem para esta beleza ímpar de um Porto que já tem tanto de europeu, mas que teima em manter-se invicto e fiel às suas raízes e fortes tradições.

A zona envolvente da Igreja e Convento de São Bento da Vitória, da antiga Cadeia da Relação que acolhe o Centro Português de Fotografia, terminando no belíssimo Passeio das Virtudes são locais  incontornáveis por onde passo, que revisito e que recomendo.

Num plano diametralmente oposto mas reconhecendo o esforço que tem vindo a ser feito pela autarquia, ao promover uma zona menos nobre da cidade, o lado oriental, mas com um potencial incrível, sugiro algo que ainda poucos terão vivenciado: a Casa de São Roque. Esta belíssima casa, agora na posse da autarquia e recentemente restaurada e adaptada para acolher e expor arte contemporânea, é hoje um exemplar das casas da época no Porto, pela sua arquitectura e pelo seu belo jardim. É acima de tudo mais um espaço nobre na cidade, que agora surge numa zona que se quer tornar pujante e que certamente irá surpreender o Porto, suas gentes e turistas.

A não perder, ainda na zona de Campanhã, um espaço de artes – Mira Forum e o Espaço Mira, especialmente dedicados à fotografia, em que duas galerias nascem numa área onde antigos armazéns totalmente abandonados fazem agora parte integrante de um circuito cultural por onde passam algumas exposições e outros eventos que não podem ser ignorados.

 

 

Onde vamos sair hoje?
22 Novembro, 2019 / , , ,

A resposta a esta pergunta nem sempre é fácil para quem gosta de sair para dançar e gosta verdadeiramente de música.

Na maioria dos sítios ouve-se sempre a mesma música aonde não faltam os últimos sucessos da radio, música brasileira e o reggaeton.

Mas ainda existem alguns lugares, no Porto, onde a música nos faz viajar para outros tempos  e nos faz recordar aqueles momentos que nos foram especiais ou ainda espaços para  novas descobertas musicais e aonde nos podemos perder em novas  sonoridades.

Para recordar o Batô voltou com as noites do Baú (nas últimas quintas feiras do mês) onde o indie rock  que se ouvia  anos 80 e 90 volta a encher a pista de dança.

Para viajar no tempo o Griffon´s, agora na baixa do Porto,  volta  a apostar nas suas matinés agora aos sábados,  que foram  lendárias nos anos 80 e que ajudaram a criar um gosto musical a toda uma geração que o frequentou.

Para novas descobertas o Maus Hábitos, uma referência na cidade desde a sua abertura, no ano em que o Porto foi capital europeia da cultura, e com uma programação que aposta na descoberta das novas sonoridades.

Para nos perdermos na noite ao ritmo de novas sonoridades o Plano B, apesar de inconstante na sua programação a alternativa das duas pistas de dança assegura algumas noites memoráveis

Hoje, já não temos desculpa para não sair. Vamos dançar e viajar no tempo ou perdermo-nos nos ritmos e na descoberta das novas sonoridades.

Lenda de Miragaia – Porto Legends
12 Novembro, 2019 / , ,

Ramiro, o Rei Cristão, atacou a fortaleza dos Mouros para resgatar a sua esposa, a Rainha Gaia, que fora raptada por Alboazar. No regresso, Ramiro perguntou-lhe porque tanto chorava. Gaia, enquanto olhava para as ruínas do castelo de Alboazar, responde que ali foi realmente feliz. Enfurecido, o rei, disse-lhe: “Então mira, mira… Gaia, porque é a última coisa que irás mirar”! De seguida, matou-a. E assim nasceu o nome da freguesia de Miragaia.

Conheça esta e outras lendas da história do Porto no espetáculo Porto Legends.

Estação de Campanhã
7 Novembro, 2019 / ,

“O silvo dos comboios, o seu matraquear sobre a ponte além do monte fronteiro, diziam-lhe as horas, denunciavam-lhe a direcção do vento e o tempo provável para o amanhã”. É assim que a nossa Agustína se refere a esse pulsante ruído quando o comboio rasga a cidade. Vivia-se aquela paz podre de fim de século. Estancadas as feridas da nação, degladiada por sucessivas guerras civis, a modernização era o desígnio e o caminho-de-ferro um dos seus principais símbolos. A Estação de Campanhã foi inaugurada a 5 de Novembro de 1877, juntamente com a Ponte Maria Pia. Era o produto final de uma série de obras no local da antiga Quinta do Pinheiro. Foi um dos motores do êxodo rural que viria a suceder-se com a fixação em Campanhã de uma larga massa de gente provida do interior do país e que viria a povoar a freguesia.

Do comboio ao autocarro, do autocarro ao metro, a Estação de Campanhã encontra o futuro da intermodalidade num Porto que se vai convertendo numa cidade inteligente. De traçado neoclássico, viria a ser alvo de mudanças ao longo do século XX, culminando no actual terminal, que supera em muito a área da velha estação, nesta pacata convivência entre o novo e o velho, marca cada vez mais firmada da invicta cidade. E eis-nos revivendo as palavras de Ramalho: “apeamo-nos finalmente na estação de Campanhã.”

 

 

Arte Urbana
9 Agosto, 2019 / ,

Esta é uma arte ainda não entendida por muitos. Com uma história negativa associada, onde o vandalismo e a destruição de espaços públicos eram as palavras de ordem, as pessoas olham com desconfiança para os artistas que realizam estas obras.

Hoje, numa tentativa de mudar mentalidades e desmistificar esta forma de arte, surgem estes projetos um pouco por toda a cidade do Porto.

Raul Pinto é licenciado em Design Gráfico na ESAD – Escola Superior de Artes e Design e é conhecido neste mundo da arte como Kilos. Em 2018, teve a sua primeira exposição a solo na Dedicated Store Porto, intitulada de “DEDICATED to Kilos”. Este ano realizou a sua segunda exposição a solo na Suuuper (Porto),intitulada de “Shhh!”. Fique a conhecer algumas das suas obras!

Desfile de trajes de papel está de volta à Foz do Douro
7 Agosto, 2019 / , ,

Há quase dois mil anos atrás, São Bartolomeu morreu esfolado na Turquia e hoje inspira uma curiosa festividade celebrada anualmente, em Agosto, na cidade do Porto.

As festas de São Bartolomeu são um dos eventos mais esperados da cidade, com atividades gastronómicas, animação e espetáculos musicais garantidos até ao início de setembro.
A tradição remonta ao século XVI, quando as populações locais tomavam banhos na expectativa de curar doenças como a gaguez, a gota ou a epilepsia.
Oficialmente, as festas de São Bartolomeu existem desde o século XIX.

As festividades em honra de São Bartolomeu têm como ponto alto o Cortejo do Traje de Papel. Com muito trabalho e meses de preparação, folhas coloridas de papel transformam-se em
autênticos fatos e adereços que enchem as ruas do Porto de cor e alegria.
O desfile termina, como é habitual, com um mergulho nas águas do Atlântico. Manda a tradição que o ritual “banho santo” inclua sempre sete mergulhos. Só assim os participantes poderão agradecer os favores de São Bartolomeu e esperar amplos benefícios de cura e proteção proporcionados pelo santo para o ano seguinte.
O desfile realiza-se já no próximo dia 25 de agosto e o tema da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde será uma Homenagem a Sophia de Mello Breyner Andresen no seu Centenário.
Este é um dos eventos mais originais da cidade e do país, e uma tradição única no mundo que, ano após ano, atrai um número crescente de participantes, tanto nacionais como internacionais

Miguel Veiga – Um ilustre portuense
29 Junho, 2019 / , ,

Miguel Luís Kolback da Veiga nasceu no Porto a 30 de Junho de 1936, cidade onde faleceu em 14 de Novembro de 2016.

Ilustre advogado portuense, Miguel Veiga era célebre pela esmerada produção, quase literária, das suas peças processuais e pela forma brilhante como se apresentava em juízo.

Desde cedo integrou movimentos académicos de oposição ao regime de Salazar, o que o impediu anos mais tarde de ser admitido como docente universitário.

Depois da revolução de Abril, logo em Maio de 1974, é responsável, ao lado de Francisco Sá Carneiro, Magalhães Mota e Francisco Pinto Balsemão, pela fundação do Partido Popular Democrático, hoje Partido Social Democrata, do qual fez parte até à data da sua morte e do qual foi um dos seus membros mais brilhantes, mesmo quando para frontalmente discordar do rumo traçado. Por isso, contra as indicações do seu partido, foi apoiante de Mário Soares na sua primeira candidatura a Presidente da República e, mais recentemente, de Rui Moreira, atual presidente da Câmara Municipal do Porto.

Apesar de solicitado para tal, nunca exerceu funções governativas. Dizia, em resposta aos convites recebidos para tal, “não querer perder a sua liberdade nem deixar o Porto”, cidade da sua paixão.

Ao lado do seu trabalho, da intervenção cívica e política de elevado nível, Miguel Veiga era ainda um amante das artes, da literatura à pintura, do cinema à escultura, aí recolhendo contributos que muitas vezes ilustravam as suas intervenções públicas.

O nome de Miguel Veiga é importante para a história da democracia portuguesa, da busca e afirmação dos valores da liberdade e da justiça, da frontalidade, independência e firmeza de carácter que é tão apanágio dos homens bons do Porto.

Miguel Veiga foi ainda autor de vários ensaios jurídicos e culturais, e uma voz presente na imprensa escrita onde ao longo da vida muito colaborou.

É Grande Oficial da Ordem da Liberdade e recebeu a medalha de Honra da Cidade, a mais alta distinção do Porto.

São João – A noite mais longa!
21 Junho, 2019 / , ,

Se estiver no Porto na noite de 23 para 24 de Junho, seja bem vindo ao São João!

Com origens na celebração pagã do solstício de verão, o feriado municipal da cidade (dia 24) é hoje uma festa católica que assinala o nascimento de São João Baptista.  Apesar de não ser o santo padroeiro da cidade (responsabilidade que cabe a Nossa Senhora da Vandoma), o São João é a maior e mais popular festa que o Porto acolhe. Na noite de 23 toda a cidade sai à rua (por isso prepare-se para banhos de multidão em todo o lado) numa explosão de alegria, música, animação e cor que só termina com o raiar do dia.

Para viver em pleno esta noite, eis o que precisa saber:

– durante a tarde, compre um martelo de plástico ou um alho-porro – vai precisar deles para bater na cabeça de todo e qualquer desconhecido que passar por si. Acredite!

– delicie-se com as cascatas sanjoaninas – há-as maravilhosas por toda a cidade – uma espécie de presépio das artes e ofícios, mas em versão São João;

– um manjerico não se cheira, não lhe enfie o nariz (toque-lhe com a mão e sinta depois nela o aroma)!

– não falhe isto por nada – calce os seus sapatos mais confortáveis, vista roupa prática e não dispense um agasalho para a noite – vai andar muuuuuuito, mas mesmo muito, a pé por toda a cidade, da baixa até à foz (e vai demorar muito a fazer trajectos pequenos porque está toda a gente na rua!) e as orvalhadas de São João não são um mito!

– antes da meia-noite, escolha um local privilegiado para assistir ao fogo-de-artifício junto ao rio e à Ponte D. Luís;

– ao longo da noite, vá petiscando uma bela sardinha assada com broa (não há como escapar – a cidade inteira cheira a sardinha assada) e saltando de bailarico em bailarico, de arraial em arraial – há-os por toda a cidade, sendo os mais tradicionais os das Fontaínhas, Miragaia e Massarelos;

– coma bem (uma bifana e um caldo verde também são obrigatórios!), ou não vai aguentar os copos que vão ser garantidamente muitos!

– não se assuste que não é uma invasão marciana no céu do Porto  – são pequenos balões de ar quente em papel que são lançados ao céu – consegue comprá-los em mercearias, quiosques, lojas chinesas…

– para os mais corajosos, diz a tradição que a noite deve terminar na praia, e de preferência com um mergulho no mar. Por isso, atreva-se!

– no dia 24, para curar o cansaço (e a ressaca!), aproveite para descansar à beira-rio e acompanhar a regata de barcos rabelos (as embarcações tradicionais que desciam o Douro com as pipas de vinha do Porto).

Importante mesmo, é que se divirta!

Bom São João!!!

 

 

 

Oferta multidesportiva no mais eclético dos clubes
1 Abril, 2019 / ,

Um clube eclético que representa Porto e Portugal com 115 anos de vida e muitos mais ainda para honrar o seu passado.

Quando em 1904, José Marques Barbosa e José Meirelles, dois jovens remadores se lembraram de formar um clube, nunca imaginaram que volvidos todos estes anos o centenário Sport Club do Porto tornar-se-ia num dos mais ecléticos emblemas nacionais, com equipamentos desportivos numa e outra margem do rio Douro que o viu nascer e em diversos municípios.

É esta dispersão territorial e de equipamentos, aliada à vasta oferta ao nível das modalidades – andebol, culturismo, dança, desporto adaptado, desporto automóvel, esgrima, fitness, futebol, ginástica, halteres, hipismo, hóquei em campo, náutica de recreio, rugby, padel, patinagem artística, ténis, vela e voleibol –, que fazem do Sport um caso ímpar no desporto, mas também ao nível da promoção turística.

Da Marina do Freixo ao Centro de Vela, em Leça da Palmeira, do Centro de Remo em Gaia ao Centro Hípico na Prelada, não faltam as mais variadas valências para quem procura nesta área metropolitana muito para além dos habituais roteiros turísticos, que complementado com a sua vasta oferta na Vila Desportiva do Sport, no Parque da Cidade, torna o nosso clube num ‘anfitrião’ de excelência, com equipamentos sem paralelo e em tão grande escala em todos estes municípios por onde se distribui: Gaia, Matosinhos e Porto.

Toda esta oferta ao nível de equipamentos tem também implícita uma história desportiva sem paralelo de 115 anos, traduzida em muitos títulos nacionais nas mais diversas modalidades e constantes presenças de alguns dos nossos mais brilhantes atletas em Campeonatos da Europa, Taças do Mundo, Campeonatos do Mundo e Jogos Olímpicos.

Entre os muitos nomes que passaram pelo Sport, recordamos com orgulho o cineasta Manoel de Oliveira que muito antes de ser uma personalidade incontornável do cinema mundial foi atleta do Sport nas mais diferentes modalidades. Para além de ter sido triplo campeão de salto à vara e piloto de automóveis, foi juntamente com o seu irmão Casimiro trapezista na nossa primeira companhia de circo.

É assim o Sport, em que a para além da vertente desportiva tem tido um papel sem igual na formação de sucessivas gerações de jovens que habitam esta área metropolitana ou que em dado momento da sua vida académica também passaram pelo Porto.