Curiosidades

Gomes Teixeira – O matemático que podia ter sido padre
15 Outubro, 2018 / , , ,

Gomes Teixeira, ilustre matemático que viria a ser o primeiro reitor da Universidade do Porto, só não estudou Teologia por mero acaso.

Nascido em janeiro de 1851 em Armamar, cedo se destacou pela sua inteligência e pelas boas notas obtidas em todas as disciplinas. Naquela altura, era comum que os rapazes com bom aproveitamento escolar fossem encaminhados para o Seminário, mas o jovem era brilhante a Matemática. Assim, quando chegou a altura de ir para a Universidade, a família resolveu que seria a sorte a decidir entre Teologia e Matemática.

A sorte ditou Matemática e desde que chegou à Universidade de Coimbra, Francisco Gomes Teixeira destacou-se pelas notas máximas obtidas. Aos 20 anos publicou o seu primeiro trabalho e em 1874 terminou o curso com a nota de 20 valores. Um percurso académico tão brilhante teria, obviamente, de o conduzir à carreira de professor. Destacou-se na Universidade de Coimbra e na Academia Politécnica do Porto, que viria a dirigir. Em 1911 foi fundada a Universidade do Porto e Gomes Teixeira foi escolhido para ser o seu primeiro reitor. Morreu no Porto em 1933. Após a sua morte foram feitos três bustos em bronze, posteriormente colocados na sua terra natal, na Universidade do Porto e na Universidade de Coimbra.

Fonte: O Tripeiro 7ª Série Ano XIX nº1 e 7ª Série Ano XXX, Número 12

O Cerco do Porto
14 Setembro, 2018 / , ,

Foram 13 meses que marcaram para sempre a cidade. O Cerco do Porto durou entre julho de julho de 1832 a agosto do ano seguinte, mas a sua memória permanece na toponímia e na alma da cidade.

A cidade ficaria para sempre marcada pelos meses em que esteve cercada: para além dos danos materiais e das perdas de vidas humanas, este período da História deu ao Porto o título de “antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto”, atribuído por D. Pedro como forma de agradecimento pela lealdade e valentia com que os portuenses defenderam a causa liberal. O rei viria mesmo a oferecer o seu coração à cidade como forma de agradecimento.

Nomes como “Bairro do Cerco do Porto”, “Rua do Heroísmo” (em memória a uma sangrenta batalha que aí decorreu) ou “Rua da Firmeza”, que perpetua “o denodo e resignação com que os portuenses valorosamente resistiram” ao cerco, evocam essa época e uma guerra entre dois irmãos com convicções opostas.

O Porto nunca aceitou a subida do absolutista D. Miguel ao poder (1828) e quando D. Pedro assume o comando do movimento Liberal, encontra nas gentes da cidade um poderoso aliado. A 8 de Julho de 1832, D. Pedro, vindo dos Açores, desembarca em Pampelido (Mindelo) para tomar a cidade do Porto, chegando à atual Praça da Liberdade ao meio-dia. As tropas de D. Miguel tinham sido deslocadas para Lisboa, pelo que os liberais não tiveram dificuldade em entrar na cidade. No dia seguinte, o exército absolutista, vindo de sul, instala-se na Serra do Pilar, no outro lado do rio, para bombardear a cidade e expulsar os liberais. Começa assim o cerco: os apoiantes de D. Pedro permanecem no Porto, cercados. Os alimentos e bens essenciais começam a escassear e, com o agravar da situação, a cólera e o tifo tornam-se também adversários de quem luta pela causa liberal.

Em junho de 1833, os liberais alteram a estratégia e resolvem atacar a partir do Algarve. As tropas miguelistas, convencidas de que o adversário estava enfraquecido, resolvem lançar um grande ataque ao Porto, mas são derrotadas. A 26 de julho Lisboa estava lá ocupada pelos Liberais, mas o Porto permanecia cercado. A 18 de agosto, sob o comando do Marechal Saldanha, o exército liberal consegue uma vitória decisiva que levará a que, dois dias depois, os apoiantes de D. Miguel batam em retirada. Estava terminado o Cerco do Porto.

A estação de metro que é um museu
14 Setembro, 2018 / ,

A estação de metro do Campo 24 de Agosto guarda um verdadeiro tesouro: as ruínas de um reservatório de água que ali existia.

Além de ter sido projetada pelo conceituado arquiteto português Souto Moura, esta estação no centro da cidade tem outro motivo de interesse, albergando os vestígios arqueológicos de um reservatório que abastecia a fonte que existia neste local. No século XIX, a ribeira que ali corria foi soterrada, bem como a ponte que a atravessava. Com o passar do tempo e a urbanização da zona envolvente – que anteriormente era sobretudo rural -, a memória desse passado ficou esquecida, até que o progresso recuperou essa memória.

Aquando da construção da estação de metropolitano, no início deste século, foi descoberto o que restava do antigo reservatório, bem como alguns objetos, incluindo solas de sapato, cerâmica portuguesa, vidro italiano ou porcelana chinesa. Para preservar essas memórias, as ruínas foram desmontadas e depois reconstruidas no local onde hoje podem ser visitadas, acompanhadas de explicações que contextualizam a importância destes vestígios.

As duas imagens da Senhora da Luz
13 Agosto, 2018 / , ,

Antes do farol de São Miguel, que foi edificado em 1758 na Foz, terá existido no local uma capela dedicada à Senhora da Luz.

Segundo alguns estudos, na época pré-histórica aquele local teria um significado especial, como comprovam marcas feitas nas rochas. A referência à “Senhora da Luz” e à respetiva capela já surge em 1680. Seria uma construção simples, mas de grande importância para pescadores e marinheiros.

Bombardeada durante as guerras liberais, a capela seria destruída, mas do seu recheio foi salvo um altar com a imagem que está hoje na Igreja de São João da Foz do Douro. Esta imagem de Nossa Senhora invoca a luz, tão necessária para quem andava no mar. Enquadrada por talha dourada e adornada com imagens de anjos, a Senhora da Luz ainda hoje é venerada.

Na mesma igreja existe também outra imagem, com 30 cm de altura e feita em marfim, representando Nossa Senhora com Jesus ao colo. Apesar do seu reduzido tamanho, esta imagem, decorada com um manto bordado a ouro e pedras coloridas, destaca-se pela raridade e beleza de alguns detalhes. A imagem destinar-se-ia a ser transportada e beijada pelos fiéis em dias festivos.

Fonte: O Tripeiro 7ª Série, Ano XV número 9 Setembro 1996
Um memorial feito de destroços
13 Agosto, 2018 / ,

 

No cemitério de Agramonte, na zona da Boavista, uma gigantesca arca preenchida com ferros queimados e retorcidos lembra uma das maiores tragédias da cidade.

Na noite de 20 de março de 1888, um violento incêndio destruiu completamente o Teatro Baquet, um edifício com duas entradas (pela Rua de Sá da Bandeira e Rua de Santo António, atual Rua 31 de janeiro). Nessa noite fatídica, a sala estava cheia e no palco representava-se uma ópera cómica. Numa mudança de cenário, um dos panos tocou na chama da iluminação a gás. Devido aos materiais,  à antiguidade do edifício e à inexistência de um plano de segurança, o fogo propagou-se rapidamente e 120 pessoas terão morrido nessa tragédia.

O incêndio levou a que fossem redobrados os cuidados com a segurança em todas as salas de espetáculo da cidade e, para que tal desgraça nunca mais fosse esquecida foi feito um memorial no Cemitério de Agramonte. O mausoléu, que ainda hoje intriga quem desconhece este episódio da história da cidade, foi feito com pedaços de ferro e tem no topo uma grande coroa de martírios, também em ferro.

CORTEJO DO TRAJE DE PAPEL NA FOZ DO DOURO
9 Agosto, 2018 / , , , ,

Os verões na zona mais ocidental do concelho do Porto têm anualmente uma animação cultural muito característica e peculiar – mas, sobretudo, única. De meados de junho a meados de setembro, a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde recebe as Festas de São Bartolomeu, um conjunto de atividades que anima as ruas e une populações e visitantes.

O Cortejo do Traje de Papel é, reconhecidamente, o momento mais esperado das festividades, com uma história que ultrapassa já a centena e meia de anos e que na última década tem ganho especial relevo na cidade.

 

São meses de trabalho e preparação, com um foco permanente nas raízes, na história e nas estórias da região. A 2ª Invasão Francesa de 1809 e a Libertação da Cidade do Porto é o tema para o Cortejo do Traje de Papel em 2018, que decorrerá no dia 26 de agosto. São metros e metros de papel, cirurgicamente trabalhados por mãos dedicadas que mantêm vivo este momento festivo da cidade.

Só em figurantes, a edição deste ano conta com 350, oriundos de coletividades e associações da União de Freguesias, que se juntam às restantes centenas que visitam a Foz do Douro para viver esta experiência ímpar.

O formato atual tem 75 anos e integra um percurso que procura chegar aos principais centros nevrálgicos da história da Foz do Douro. O desfile de trajes inicia-se pelas 10h30 e passa pela Cantareira, rica pela sua tradição piscatória.

Depois da passagem inevitável pelo carismático Jardim do Passeio Alegre, espaço cúmplice de muitos intelectuais que preenchem a cultura da Foz do Douro e do Porto, o Cortejo prossegue até à Praia do Ourigo, na qual se realizam os Banhos de Mar, um dos momentos mais marcantes das Festas de São Bartolomeu.

Estes banhos estão repletos de tradição e lendas. Também conhecidos como “banhos santos”, estes mergulhos nas águas do Atlântico – sete, como manda a tradição – representam uma forma de agradecer os favores de São Bartolomeu no ano transato e de livrar e expurgar as maleitas ao longo dos próximos doze meses.

Os participantes da edição deste ano provêm do Bloco da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, da Associação de Moradores do Bairro Social da Pasteleira – Previdência, da Associação de Moradores do Bairro Social de Aldoar e do Orfeão da Foz do Douro.

Muitas são as personalidades da cidade e não só que se juntam a esta tradição, mostrando que a cidade é feita de todos e com todos, mesmo na mais popular das suas tradições.

As barbearias tradicionais do Porto
20 Julho, 2018 / , , ,

Estas são nove das barbearias tradicionais na cidade do Porto e todas se situam entre o Hospital Santo António e a Estação de São Bento.

Também tradicional é a decoração destas barbearias, com cadeirões de ferro e instrumentos de latão capazes de aguentar décadas de uso. Os profissionais também acompanham esta longevidade: muitos são senhores de idade avançada com o cabelo descolorado pelo tempo e os dedos hábeis envoltos em rugas.

  • Barbearia Porto: Nasceu em 1946, mas dessa data só restam as cadeiras e uma caixa de engraxador. O resto da decoração vintage foi trazida pelos novos proprietários. Fica a dois passos dos Aliados.
  • Barbearia Garrett: Desde 1979 nas mãos de Acácio Branco, esta barbearia encontra-se a poucos metros da Câmara Municipal do Porto. Com uma decoração à moda antiga, este estabelecimento só tem clientes masculinos.
  • Oficina do Cabelo: Antiga barbearia Tinoco, reabriu com este nome. De 1929 mantém os lavatórios em mármore, cadeiras em ferro, enormes espelhos e chão revestido com mosaicos em leque. É hoje considerada património do Porto.
  • Barbearia Santo António: Não é muito maior do que um corredor, mas traz muita história nas mãos de António Cardoso. São mais de 50 anos de cortes no início da Rua 31 de Janeiro.
  • Barbearia Norton: Nesta barbearia, na zona da Batalha, fala-se de tudo e mantém-se viva a tradição do barbeiro de bairro, com cadeiras de couro, pincel para a barba e navalhas para a barba.
  • Salão Veneza: São quase 90 anos de vida e mais de 70 de barbeiro. Nestas poltronas bordeaux já se sentaram figuras incontornáveis da nossa história.
  • Barbearia Sport: Foi em 1942 que se instalou no Porto esta barbearia que viveu uma era em que se perdia mais tempo a embelezar o bigode do que a cortar o cabelo.
  • Barbearia Invicta: Aventino Silva está nesta barbearia desde os 10 anos e apesar da chegada das lâminas não perdeu clientes.
  • Barbearia Orlando: Já conta com dois espaços no Porto, mas é na Rua Álvaro Castelões que se mantém a tradição, os clientes e as conversas sobre tudo.

Fonte: “Os bigodes à antiga e a arte de os fazer bem feitos” – Prova de Aptidão Artística de Edgar Duarte (Escola Artística Soares dos Reis)

A fonte que mudou de lugar
20 Julho, 2018 /

A Fonte das Oliveiras nem sempre esteve no Largo Alberto Pimentel.

Construída em 1718 para aproveitar as águas de nascentes que existiam perto da Rua das Oliveiras. Em 1823, quando as águas do aqueduto de Paranhos foram desviadas, a fonte sofreu uma pequena remodelação. O facto de ser muito procurada e de as pessoas ocuparem a via pública enquanto esperavam para encher os cântaros fez com que fosse transferida para um local mais calmo.

Em 1866 foi desmontada e seria reconstruída, em 1879 no Largo Alberto Pimentel, onde se encontra até hoje. Está encostada a um edifício de oitocentista, com a fachada revestida a azulejos. Em 1941 foi limpa e restaurada.

A fonte, fonte é composta por um espaldar e por um pilar central. A única decoração é uma concha que envolve um golfinho, que funciona como bica. O tanque é também bastante simples.

 

O elevador dos Guindais
16 Julho, 2018 / , ,

Hoje em dia existe o funicular, mas no fim do século XIX o percurso entre a Batalha e o Cais dos Guindais era feito por um elevador. Inaugurado a 4 de junho de 1891, sofreu, dois anos depois, um acidente que ditou a sua paragem durante mais de 100 anos.

O elevador surgiu para que fosse feita a ligação entre o Cais dos Guindais, local onde chegavam, de barco, produtos alimentares e a zona da Batalha que, pela sua localização central, era um ponto de distribuição destes produtos para outros pontos da cidade. A diferença entre o ponto mais alto e o mais baixo era de 75 metros, mas existiam dois níveis de inclinação diferentes (7% e 47%). O engenheiro portuense Raul Mesnier fez o projeto e a obras iniciaram-se em 1889. A pedreira dos Guindais foi desmontada, o elevador construído e, depois de vários testes, inaugurado em junho de 1891.

O transporte era feito por três carros – um de contrapeso e dois principais, com 5,6 metros de comprimento e capacidade para 40 pessoas. Na parte central destes carros existiam compartimentos de luxo, com tapetes, assentos estofados e persianas. As viagens decorriam de cinco em cinco minutos e custavam 40 reis, mas o grande investimento necessário à construção e manutenção do elevador nunca foi compensado pela receita. Em 1893, um acidente – apenas com prejuízos materiais – ditou o seu encerramento. O atual funicular foi inaugurado em 2004.

Fonte: O Tripeiro 7ª série Ano XXII nº 3 Março 2003

As janelas do Porto
6 Junho, 2018 / ,

Servem para apreciar a paisagem, mas fazem também parte da paisagem e, quando vistas de fora, podem surpreender pela beleza, originalidade e pelo trabalho artístico.

Rodeadas por azulejos, escondidas por varandas de ferro e por vasos de flores ou abrindo sobre as ruas estreitas, as janelas do Porto têm um encanto que só um passeio tranquilo e demorado pode apreender totalmente. Palácios nobres, grandes casas da burguesia de séculos passados e casas mais pequenas e humildes têm em comum janelas que são também um testemunho do quotidiano de diferentes épocas. Serviam para ver quem passava, para conversar com os vizinhos e até para namorar.

Hoje em dia, as janelas do Porto são mais um pretexto para descobrir recantos da cidade, tal como fez o autor da página Porto a Penantes, que partilhou com os leitores do Hey Porto algumas das fotografias que ilustram a beleza destes elementos arquitetónicos.

facebook.com/PortoaPenantes/