Ricardo Jorge – Precursor do Sistema Nacional de Saúde

Ricardo Jorge – Precursor do Sistema Nacional de Saúde

Ricardo de Almeida Jorge nasceu no Porto, em 9 de maio de 1858.

Frequentou a Escola Médico-Cirúrgica do Porto entre 1874 e 1879, finalizando o curso de Medicina aos 21 anos, com uma dissertação “O nervosismo no Passado” Iniciando a sua vida profissional na Faculdade de Medicina e Cirurgia do Porto. Em 1880, leciona na mesma Faculdade as cadeiras de Anatomia, Histologia e Fisiologia Experimental e concorre ao cargo de professor substituto no Departamento de Cirurgia da mesma escola. Elabora um trabalho sobre Localizações Motrizes no Cérebro, numa época em que a neurologia dava os primeiros passos. Não protelando a pratica clínica, desloca-se várias vezes ao estrangeiro, assistindo às lições do neurologista Charcot.

Entretanto de regresso ao Porto, publica vários artigos em revistas científicas e monta o primeiro laboratório de microscopia e fisiologia do Porto.
Sendo a neurologia seu primeiro interesse, deixou uma obra monumental, abrangendo assuntos diversos, incidindo a maior parte do seu legado sobre as especialidades da Higiene e Epidemiologia. O seu estilo vai além de um homem de ciência, como podemos observar num comentário de Camilo Castelo Branco de quem era amigo “O estilo de Ricardo Jorge desatrema de tudo que se conhece em oratória parlamentar, em dialética académica, em eloquência cívica dos clubes e até em oratória de púlpito…”, na obra Serões de S.Miguel de Seide.

Os estudos desenvolvidos sobre hidroterapia e o interesse de Ricardo Jorge pelo termalismo e hidrologia (realização de algumas experiências sobre os efeitos dos fluoretos alcalinos e nas águas termais) está na sequência, em 1888, do contrato de exploração por cinquenta anos, das Caldas do Gerês, onde exerceu o cargo de director clínico entre 1889 e 1892. Não se revelando vocacionado a actividade empresarial a Companhia das Caldas do Gerês, abriu falência em 1893.

Vários debates sobre a instalação dos cemitérios no Porto, induziram Ricardo Jorge a dar uma série de conferências (1884), numa atitude contestatária ao que as autoridades de saúde pensavam relativamente à higiene social, contribuindo para um grande debate. Foi um momento fundamental no processo evolutivo da saúde pública em Portugal.

A convite da Câmara Municipal do Porto, fez parte de um estudo sobre as condições sanitárias da cidade, elaborando um relatório publicado em 1988. Foi nomeado médico municipal do Porto em 1891, recebendo outro convite, em 1892, para administrar os Serviços Municipais de Saúde e Higiene do Porto e o Laboratório Municipal de Bacteriologia.

Em 1895 é nomeado Professor Titular da Cadeira de Higiene e Medicina Legal da Escola Médico-Cirúrgica do Porto.
Os estudos de Ricardo Jorge, Arantes Pereira e do Conde de Samodães, ajudaram a influenciar a Rainha D. Amélia na criação da Assistência Nacional aos Tuberculosos e à construção de sanatórios para os doentes.

Em 1899 o Porto é atingido por um surto de peste bubónica (em teoria extinta no Ocidente desde 1700). Ricardo Jorge faz o diagnóstico relatando às autoridades competentes o eclodir da epidemia. Foi de imediato solicitada ajuda internacional sendo encomendados ao Instituto Pasteur de Paris duzentos tubos do soro “Yersin”. Ainda que várias pessoas tenham sido vacinadas pelo Dr. Calmette, entre as quais os próprios filhos de Ricardo Jorge.
Conhecendo este muito bem as condições de desenvolvimento da peste pôs em prática rigorosas medidas sanitárias e de eliminação dos agentes transmissores da doença tal como ratos e pulgas ( por cada rato grande entregue numa esquadra de polícia eram pagos 20 réis, por cada pequeno 10), além de medidas preventivas para a erradicação da praga (isolamento de pacientes e a desinfecção de casas onde eram encontrados casos patológicos)
O Conselho de Saúde decreta um cordão sanitário em torno da cidade, defendido pelo exército, no entanto, os prejuízos económicos advindos do isolamento e a instigação por parte de alguns grupos políticos originaram uma revolta da população, eclodindo alguns episódios violentos.

Ainda que protegido pelas autoridades e contando com a solidariedade dos médicos do Porto Ricardo Jorge parte para Lisboa onde é nomeado Inspector-Geral dos Serviços Sanitários do Reino, lente de Higiene na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa e membro do Conselho Superior de Higiene e Saúde.

Em 1899 cria a Direcção-Geral de Saúde e Beneficência Pública e o Instituto Central de Higiene, mais tarde Instituto Superior de Higiene (que ostenta hoje o seu nome).

Podemos dizer que Ricardo Jorge nos finais do século XIX dá origem a uma profunda reforma na saúde pública em Portugal, em todas as vertentes que lhe estão ao alcance (académica, legislativa e de investigação)

A instabilidade politica da I República não permitiu desenvolvimento visionado por Ricardo Jorge e só durante o Estado Novo com Marcelo Caetano como Presidente do Conselho de Ministros se dá um novo impulso às questões da saúde, sendo exemplo de peso o modelo sanitário apresentado por Baltazar Rebelo de Sousa e Gonçalves Ferreira, fulcrais na criação do futuro Sistema Nacional de Saúde.

Uma curiosidade interessante foi o facto de ter proibido a coca-cola em Portugal (em 1927 enquanto Diretor-geral da Saúde.

Só em 1977 é desbloqueada essa proibição.
Foi activo até quase ao final da sua vida, intervindo e participando numa reunião do Escritório Internacional de Higiene três meses antes de morrer em Lisboa, em 29 de julho de 1939.

(Visited 22 times, 1 visits today)
21 Setembro, 2020 / , ,
Comments

Comments are closed here.

Publicidade
 Instagram #heyporto
No images found!
Try some other hashtag or username
Subscreva a nossa newsletter!