Perfil

Sobrinho Simões – Um portuense que é o motivo de orgulho para a cidade
5 Dezembro, 2017 / ,

Em 2015 a revista The Patologist elegeu-o como o patologista mais influente do mundo. Manuel Sobrinho Simões é um apaixonado pelo Porto e um dos grandes motivos de orgulho da cidade onde nasceu em 1947.

É mundialmente reconhecido pelo trabalho desenvolvido na área do cancro da tiroide, mas também pelas escolas de Patologia que ajudou a fundar um pouco por todo o mundo. Fundador do IPATIMUP  (Instituto de Patologia e Imunologia Molecular e Celular da Universidade do Porto) – uma unidade de investigação reconhecida internacionalmente e que efetua anualmente centenas de consultas de diagnóstico para hospitais e institutos de oncologia da Europa e da América – é um verdadeiro workaholic, mas sempre atento e preocupado com as grandes questões do mundo que o rodeia.

Nascido numa família ligada à Medicina: o bisavô e o avô tinham sido médicos e o pai professor e investigador na área da Bioquímica. Nasceu em Paranhos, estudou na zona das Antas e no Liceu Alexandre Herculano, antes de se matricular no curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Tal como já tinha acontecido no liceu, o seu percurso académico foi sempre pautado por excelentes classificações, tendo conquistado vários prémios de mérito.

Adepto do FC Porto, foi também praticante de hóquei no Estrela e Vigorosa Sport e campeão universitário de pingue-pongue.

Foi na Universidade do Porto que ganhou o gosto pela Patologia. O amor pelas viagens vinha já desde juventude, graças ao dinheiro dos prémios de mérito académico e alguma ajuda do avô. Já depois de casado, fez o pós-doutoramento em Oslo, na Noruega e seria a partir desta experiência internacional que viria a tornar-se conhecido internacionalmente.

Além de colaborar com universidades e hospitais de todo o mundo, é autor e coautor de centenas de artigos. Aos 70 anos, continua a ter um ritmo intenso de trabalho, mas sem descurar os netos e a restante família, com quem gosta de passar os tempos livres. Em criança brincava no jardim de Arca d’Água, mas atualmente prefere os passeios de bicicleta no Parque da Cidade.

 

 

Pinto da Costa – O homem que colocou o FC Porto no topo
7 Novembro, 2017 / ,

Apesar de em tempos ter jogado futebol, não foi a marcar golos que se destacou no FC Porto. A sua visão para o clube, a estratégia que delineou e uma liderança forte transformaram o FC Porto num dos clubes mais prestigiados do mundo.

Jorge Nuno Pinto da Costa não é apenas adorado pelos adeptos do seu clube, que entoam cânticos com o seu nome durante os jogos e que lhe chamam carinhosamente “O Papa”. É também o presidente com mais títulos de futebol conquistados ao comando de um clube: duas Taças dos Campeões/Liga dos Campeões, duas Taças Intercontinentais, duas Taças UEFA/Liga Europa, uma Supertaça Europeia, 20 Campeonatos nacionais, 12 Taças de Portugal e 20 Supertaças.

Desde 13 de janeiro de 2017 deste ano que é também o dirigente que mais tempo liderou um clube a nível mundial: ao 12.684.º dia ultrapassou Santiago Bernabéu (ex-presidente do Real Madrid).

 

Nasceu em Cedofeita, no Baixa do Porto, a 28 de dezembro de 1937, numa família da alta burguesia, mais interessada na cultura do que no desporto. No entanto, um dos seus tios era já fervoroso adepto do FC Porto e levou-o a ver o seu primeiro jogo de futebol no Campo da Constituição. Viria a tornar-se sócio do clube e, depois de concluído o ensino secundário, deixou de ser apenas um adepto para se envolver em cargos relacionados com a gestão do clube. Começou a trabalhar na secção de hóquei em patins, passou pelo boxe e por outras modalidades.

 

 

A entrada no departamento de futebol aconteceu em 1976. Em 1978 o FC Porto volta a ser campeão nacional, 19 anos depois. O clube parecia ter iniciado um ciclo vitorioso, mas em 1980 Pinto da Costa desentendeu-se com a direção e afastou-se. Em 1982 candidatou-se pela primeira vez à liderança do clube e ganhou com 95% dos votos. O resto é uma história de sucesso.

Durante os anos 80 o FC Porto ganha prestígio nacional e internacional; nos anos 90, conquista pela primeira vez cinco títulos nacionais consecutivos. Na primeira década do século XXI, mais títulos, destacando-se a Taça UEFA em 2003 e a Liga dos Campeões e a Taça Intercontinental em 2004.

Às vitórias no futebol somam-se triunfos noutros desportos, bem como obras de relevo: o rebaixamento do antigo Estádio das Antas, a construção do Estádio do Dragão, do Dragão Caixa e do Museu do FC Porto.

As sugestões de Joaquim de Almeida
6 Novembro, 2017 / , , ,

Com uma carreira de quase 40 anos e mais de 100 filmes e séries de televisão, Joaquim de Almeida é o ator português mais famoso em todo o mundo. Vive nos EUA, onde se desenvolve a maior parte da sua carreira, mas passa alguns períodos do ano em Portugal.

Nasceu em Lisboa em março de 1957, sendo o sexto de oito filhos de um casal de farmacêuticos. A sua carreira, contudo, viria a ser outra e, ainda muito jovem, optou por seguir a profissão de ator. Quando o Conservatório de Lisboa foi temporariamente fechado, devido à agitação causada pela revolução do 25 de abril, mudou-se para Viena para continuar a estudar. Nessa altura chegou a trabalhar como jardineiro.

Em 1976 foi para Nova Iorque para estudar representação com Lee Strasberg, Nicholas Ray e Stella Adler, enquanto trabalhava num bar. O seu primeiro papel de relevo surgiu em 1981 no filme “”The Soldier”, mas seria “Good Morning Babylon” a lançá-lo numa carreira internacional que, desde então, ainda não parou. Trabalhou com atores e realizadores como Harrison Ford, Gene Hackman, Antonio Banderas, Robert Rodriguez, Steven Soderberg, Benicio del Toro ou Kiefer Sutherland.

Aos papéis como ator convidado em séries como “CSI Miami” ou “Bones” – onde despenhou muitas vezes o papel de vilão latino – somou participações regulares em temporadas de outras, como “24”, “Queen of the South” ou “Training Day”. Simultaneamente, continuou a trabalhar com realizadores e atores portugueses, tendo alcançado sucessos de bilheteira e conquistado vários prémios e distinções.

Melhor bar

Numa vertente mais cultural, Os Maus Hábitos. Para sair tarde pela noite fora, em qualquer dia da semana, a Casa Do Livro

Melhor Restaurante

É difícil escolher um. Assim, vão três: O Oficina do chefe Marco Gomes ou o LSD do chef João Lupo e também o menos conhecido Paparico, talvez o maior segredo para comer bem no Porto

Sítio Romântico e Passeio

Subir o Douro no barco que foi construído para os 60 anos de Reinado da Rainha Isabel de Inglaterra. Passar duas noites nuns quartos acolhedores e usufruir de um serviço de primeira. Em Setembro e Outubro é a melhor altura para o fazer.

Segredo da Cidade

É a vista que se tem a partir do espaço da Cooperativa Árvore. Que lindo que é ver o Douro dali, passar a tarde entre um vinho e um petisco…Bem perto do centro e, mesmo assim, ainda tão desconhecido dos portuenses.

Pedro Burmester – Uma vida ao piano
13 Outubro, 2017 /

Toca desde criança, ter uma carreira de grande projeção internacional e é um dos mentores da Casa da Música. Pedro Burmester é um dos maiores nomes da cultura portuense.

Nascido no Porto a 9 de outubro de 1953, Pedro Burmester estudou durante durante dez anos com Helena Sá Costa (1913-2006), pianista de renome que, para além de uma notável carreira internacional, se destacou também pelo ensino. Burmester foi, desde muito cedo, um aluno prodigioso. Os primeiros concertos aconteceram quanto tinha apenas 10 anos.

Em 1981 terminou o Curso Superior de Piano do Conservatório do Porto com 20 valores. Entre 1983 e 1987 esteve nos Estados Unidos, onde trabalhou com Sequeira Costa, Leon Fleisher e Dmitry Paperno. Frequentou igualmente várias masterclasses com pianistas como Karl Engel, Vladimir Ashkenazi, T. Nocolaieva e E. Leonskaja.

Foi premiado em diversos concursos, como o Prémio Moreira de Sá, o 2º Prémio Vianna da Motta e o Prémio Especial do Júri no Concurso Van Cliburn, nos EUA.

Ao longo da sua carreira participou em todos os festivais de música portugueses e em eventos internacionais em todo o mundo. No final dos anos 90 fez uma tournée na Austrália com a prestigiada Australian Chamber Orchestra.

Colaborou com maestros como Manuel Ivo Cruz, Miguel Graça Moura, Álvaro Cassuto, Omri Hadari, Gabriel Chmura, Muhai Tang, Lothar Zagrosek, Michael Zilm, Frans Brüggen e Georg Solti.

A discografia de Pedro Burmester é vasta, incluindo discos a solo, mas também colaborações com outros artistas.

Em dezembro de 2013 atuou na Casa da Música, num recital editado em Janeiro de 2015. Nesse mesmo ano interpretou os cinco Concertos para piano e orquestra de Beethoven com a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.

Foi Diretor Artístico e de Educação na Casa da Música, projeto que ajudou a criar e a implementar. Hoje em dia, para além da sua atividade artística, é professor na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) no Porto.

 

Hélder Pacheco
10 Julho, 2017 /

O contador das histórias do Porto

Estudioso da História da cidade, publicou dezenas de livros e centenas de artigos sobre o Porto. Conhece como poucos os segredos da cidade e a alma dos portuenses.

Nascido na antiga Rua do Correio, na freguesia da Vitória, Hélder Pacheco é, desde criança, um apaixonado pela cidade. O avô levava-o ao antigo Palácio de Cristal (que desapareceu nos anos 50); com o pai, adepto de vários desportos, acompanhava os eventos desportivos que decorriam no Académico, no Parque das Camélias ou no Parque do Fluvial.

Às memórias de infância juntou largos anos de estudo, que fizeram dele um dos maiores especialistas na História da Cidade. Para além de várias obras sobre a história e personagens do Porto, estudou também, por exemplo, os hospitais da cidade, a festa de São João, os tascos ou os elétricos. Mas, mais do que relatar factos e histórias, Hélder Pacheco põe nos textos que escreve toda a sua paixão pela cidade, partilhando também a sua opinião e a sua visão sobre o que é o Porto e o que é ser portuense.

Um percurso que pode parecer surpreendente, tendo em conta que estudou Belas Artes. Mais tarde, estudaria também Ciências Pedagógicas e História, tendo passado pelas universidades do Porto e de Coimbra. Como estudante e investigador aprofundou fora de Portugal os seus conhecimentos nas áreas da Educação e Património Cultural. Colabora com jornais e revistas, já teve programas de rádio e participou em conferências em Portugal e no estrangeiro.

Desde os anos 70 que tem tido uma intensa atividade cívica, integrando comissões e entidades nas áreas da Educação e do Património. O seu trabalho tem sido reconhecido com vários prémios, incluindo a Medalha de Mérito – Grau Ouro – da Câmara  Municipal do Porto (1988). É também sócio honorário de diversas coletividades da cidade.

 

Rui Veloso
26 Junho, 2017 /

O pai do rock português

Uma carreira com 37 anos, 25 álbuns editados, mais de um milhão de discos vendidos. Chamam-lhe o pai do rock português, porque foi com o seu primeiro álbum, lançado em 1980, que o rock nacional nasceu e cresceu, conquistando o grande público.

Rui Veloso nasceu em Lisboa em 1957, mas quando tinha apenas três meses de idade a família mudou-se para o Porto e foi aqui que começou a tocar harmónica, com apenas 6 anos. Os blues foram a sua primeira paixão e Eric Clapton, Bob Dylan e B.B. King as suas maiores influências. Ainda adolescente, formou uma banda e começou a compor música. Em 1976 conheceu Carlos Tê, o autor das letras da maior parte dos seus temas. Fez algumas gravações mais ou menos artesanais de temas inéditos e um dia, sem que ele soubesse, a mãe enviou as cassetes para uma editora portuguesa, que o desafiou a cantar em Português. É lançado em 1980 “Ar de Rock”, um álbum com uma sonoridade pioneira, que obtém grande sucesso junto do público e da crítica.

Seria apenas o início de uma carreira cheia de sucessos. Rui Veloso tem conquistado, ao longo das últimas décadas, um lugar de destaque na música portuguesa e o reconhecimento internacional que lhe permitiu, por exemplo, tocar ao lado de B.B. King, em 1990. Nesse mesmo ano, atuou para 12 mil pessoas no Pavilhão do Dramático, em Cascais, um feito nunca antes alcançado por qualquer artista português.

No ano seguinte atuou na primeira parte do concerto de Paul Simon, perante mais de 50 mil pessoas.

Para além de ter já realizado muitos concertos fora do país e de ter editado álbuns noutros países, Rui Veloso tem participado em vários projetos com outros músicos portugueses.

 

As sugestões de Katty Xiomara
23 Abril, 2017 / , ,

É um dos nomes mais internacionais da moda portuguesa. Embora tenha nascido na Venezuela, a sua carreira tem sido desenvolvida no Porto e é a partir daqui que desenha criações que desfilam nas passerelles de todo o mundo.

Katty Xiomara nasceu em Caracas, na Venezuela, tendo chegado ao Porto aos 18 anos. Foi nessa altura que decidiu começar a estudar moda. Ainda como estudante venceu, com apenas 22 anos, o primeiro prémio do Porto de Moda. Em 1996 participou no Porrtugal Fashion pela primeira vez e desde então tem sido presença assídua neste evento, tendo também apresentado coleções no Portugal Fashion Paris.

Desde 2005 que participa em feiras internacionais como a Bread & Butter, Berlim e Barcelona, e a Project, Las Vegas entre outras. Esta carreira internacional foi consolidada em 2013, quando começou a estar presente na Semana de Moda de Nova Iorque. Em 2014 recebeu o Silver Winner, atribuído pela IDA “International Design Awards”, prémio que voltaria a ganhar em 2015.

Em 2007 instalou o seu atelier numa casa na Rua da Boavista, mas é possível encontrar as suas coleções nos Estados Unidos e Japão. As suas criações são elegantes e intemporais, mas ao mesmo tempo alegres e românticas, destinando-se a mulheres confiantes e que apostam num estilo individual único.

Na carreira de Katty Xiomara destacam-se também colaborações com várias marcas internacionais, que vão desde a roupa desportiva à criação de uniformes. A designer é também professora na mesma escola de moda onde se formou, o Modatex.

Atelier

Rua da Boavista, 795
Telefone: +351 220 133 784

  • Bar – Sei que não é propriamente um bar, mas gosto muito do mojito, do blackberry fizz e do berrygood no Honorato (Baixa)
  • Restaurante – Um tradicional e sem pretensões: o Antunes. Noutro registo, salientaria o Flow ou o Reitoria
  • Passeio – Palácio de Cristal, a marginal da Foz até a Ribeira
  • Local romântico – O antigo solar do vinho do Porto, nos jardins românticos do Palácio de Cristal
  • Um segredo da cidade: Não é propriamente um segredo, mas gosto muito do Passeio das Virtudes, o Centro Português de Fotografia/Antiga Cadeia da Relação e Museu Soares dos Reis

 

Fernando Távora – O Mestre da “Escola do Porto”
3 Março, 2017 /

Foi um dos mais conceituados nomes da arquitetura portuguesa e o “pai” da chamada “Escola do Porto”.

Nascido no Porto a 25 de Agosto de 1923, no Porto, Fernando Távora pertencia a uma família conservadora, descendente da nobre linhagem dos Távoras. Os primeiros anos de vida foram passados nas propriedades da família, no Minho, na Bairrada e nas praias da Foz do Douro. Desde cedo mostrou grande aptidão para o desenho e muito interesse por casas antigas. Contrariando a vontade da família, que desejava que estudasse Engenharia Civil, inscreveu-se na Escola de Belas Artes do Porto, em 1941, para frequentar o Curso Especial de Arquitetura.

Foi professor em instituições como a Escola Superior de Belas Artes do Porto  (ESBAP), a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto  (FAUP) – que ajudou a instalar – e na Universidade de Coimbra. Fundador da chamada “Escola do Porto”, foi uma das grandes influências de outros grandes nomes da arquitetura nacional, como Siza Vieira.

Para além de várias obras que projetou, e que refletem criatividade, funcionalidade, mas também responsabilidade social, teve igualmente um trabalho notável na área da conservação do património.

Fernando Távora faleceu a 3 de Setembro de 2005.

Algumas das obras mais emblemáticas: 

  • Mercado Municipal de Santa Maria da Feira
  • Pavilhão de ténis e arranjos exteriores na Quinta da conceição, Matosinhos
  • Restauro e adaptação do Convento de Santa Marinha a Pousada, Guimarães
  • Plano geral de Urbanização de Guimarães
  • Remodelação e ampliação do Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto
  • Restauro e adaptação do Palácio do Freixo a Pousada, Porto
  • Casa dos 24, Porto

 

 

Eugénio de Andrade
2 Março, 2017 /

Eugénio de Andrade, um dos poetas portugueses mais traduzidos, manteve durante grande parte da sua vida uma forte ligação ao Porto.

Embora tenha nascido no Fundão, Eugénio de Andrade (cujo verdadeiro nome era José Fontinhas), viveu no Porto mais de 50 anos, até à sua morte, a 13 de junho de 2005. Chegou ao Porto na década de 50. Nessa altura, e embora já tivesse obras escritas, a sua profissão era inspetor administrativo do Ministério da Saúde e foi nessa condição que, na sequência de uma transferência, veio viver para a cidade. Mais tarde receberia o título de cidadão honorário.

Autor de dezenas de obras que lhe valeram prémios nacionais e distinções internacionais, foi também tradutor de obras de autores como Federico García Lorca  ou Jorge Luís Borges. Entre as diversas antologias poéticas de que foi autor, destaca-se aquela que dedicou ao Porto (Daqui Houve Nome Portugal, 1968). Embora cultivasse fortes relações de amizade com outros escritores e artistas, era discreto. Não gostava de dar entrevistas nem de comparecer a eventos sociais e culturais.

Viveu largos anos no número 111 da Rua Duque de Palmela, mas desde 1994 até à sua morte habitou na Casa Serrúbia, na Rua do Passeio Alegre, na Foz do Douro. Esta casa viria a ser a sede da Fundação Eugénio de Andrade, entretanto extinta. Os seus manuscritos e outra documentação estão atualmente na Sala de Coleções Especiais da Biblioteca Pública Municipal do Porto.

Não muito longe dali, no Cemitério do Prado do Repouso, fica a sepultura de Eugénio de Andrade: uma campa rasa em mármore branco, desenhada pelo amigo Siza Vieira, em que estão escritos versos do seu livro “As Mãos e os Frutos”.

Citações:

“A sabedoria do poeta é uma segunda inocência.”

“Uma palavra é como a nota que procura outras para um acorde perfeito”