Curiosidades

A fonte que mudou de lugar
20 Julho, 2018 /

A Fonte das Oliveiras nem sempre esteve no Largo Alberto Pimentel.

Construída em 1718 para aproveitar as águas de nascentes que existiam perto da Rua das Oliveiras. Em 1823, quando as águas do aqueduto de Paranhos foram desviadas, a fonte sofreu uma pequena remodelação. O facto de ser muito procurada e de as pessoas ocuparem a via pública enquanto esperavam para encher os cântaros fez com que fosse transferida para um local mais calmo.

Em 1866 foi desmontada e seria reconstruída, em 1879 no Largo Alberto Pimentel, onde se encontra até hoje. Está encostada a um edifício de oitocentista, com a fachada revestida a azulejos. Em 1941 foi limpa e restaurada.

A fonte, fonte é composta por um espaldar e por um pilar central. A única decoração é uma concha que envolve um golfinho, que funciona como bica. O tanque é também bastante simples.

 

O elevador dos Guindais
16 Julho, 2018 / , ,

Hoje em dia existe o funicular, mas no fim do século XIX o percurso entre a Batalha e o Cais dos Guindais era feito por um elevador. Inaugurado a 4 de junho de 1891, sofreu, dois anos depois, um acidente que ditou a sua paragem durante mais de 100 anos.

O elevador surgiu para que fosse feita a ligação entre o Cais dos Guindais, local onde chegavam, de barco, produtos alimentares e a zona da Batalha que, pela sua localização central, era um ponto de distribuição destes produtos para outros pontos da cidade. A diferença entre o ponto mais alto e o mais baixo era de 75 metros, mas existiam dois níveis de inclinação diferentes (7% e 47%). O engenheiro portuense Raul Mesnier fez o projeto e a obras iniciaram-se em 1889. A pedreira dos Guindais foi desmontada, o elevador construído e, depois de vários testes, inaugurado em junho de 1891.

O transporte era feito por três carros – um de contrapeso e dois principais, com 5,6 metros de comprimento e capacidade para 40 pessoas. Na parte central destes carros existiam compartimentos de luxo, com tapetes, assentos estofados e persianas. As viagens decorriam de cinco em cinco minutos e custavam 40 reis, mas o grande investimento necessário à construção e manutenção do elevador nunca foi compensado pela receita. Em 1893, um acidente – apenas com prejuízos materiais – ditou o seu encerramento. O atual funicular foi inaugurado em 2004.

Fonte: O Tripeiro 7ª série Ano XXII nº 3 Março 2003

As janelas do Porto
6 Junho, 2018 / ,

Servem para apreciar a paisagem, mas fazem também parte da paisagem e, quando vistas de fora, podem surpreender pela beleza, originalidade e pelo trabalho artístico.

Rodeadas por azulejos, escondidas por varandas de ferro e por vasos de flores ou abrindo sobre as ruas estreitas, as janelas do Porto têm um encanto que só um passeio tranquilo e demorado pode apreender totalmente. Palácios nobres, grandes casas da burguesia de séculos passados e casas mais pequenas e humildes têm em comum janelas que são também um testemunho do quotidiano de diferentes épocas. Serviam para ver quem passava, para conversar com os vizinhos e até para namorar.

Hoje em dia, as janelas do Porto são mais um pretexto para descobrir recantos da cidade, tal como fez o autor da página Porto a Penantes, que partilhou com os leitores do Hey Porto algumas das fotografias que ilustram a beleza destes elementos arquitetónicos.

facebook.com/PortoaPenantes/

O clube que nasceu debaixo de um candeeiro
6 Junho, 2018 /

Em 1911, três amigos assistiram a um jogo de futebol entre o FC Porto e o Benfica. E foi numa conversa animada sobre futebol, alumiada por um candeeiro na esquina da Rua da Constituição com a Rua Particular de Salgueiros, que viria a nascer o Salgueiros.

Em dezembro de 1911, João da Silva Almeida, Aníbal Jacinto e Antenor, entusiasmados pelo jogo que tinham visto, resolveram criar um clube de futebol. O dinheiro necessário foi conseguido cantando as janeiras (cânticos tradicionais da época de Natal e Ano Novo) aos vizinhos. Compraram bolas, equipamentos e não demorou muito a que começassem a jogar. Nos anos 20 surgiria a designação Sport Comércio e Salgueiros.

Na história centenária e nem sempre feliz deste clube da cidade, destacam-se mais de 20 épocas na I Divisão portuguesa de futebol e uma presença na Taça UEFA, frente ao Cannes (onde se estreava Zidane). Um dos factos mais curiosos é, sem dúvida, o facto de o Salgueiros ter sido 12 vezes campeão de polo aquático, isto apesar de o clube nunca ter possuído uma piscina para treinar ou para jogar.

Hoje em dia o Salgueiros joga nos escalões secundários do futebol nacional e o seu estádio deu lugar a uma estação de metro. Ainda assim, a mítica “alma salgueirista” nunca se perdeu.

Cerveja made in Portugal
26 Abril, 2018 / ,

A cerveja é uma das bebidas preferidas em qualquer altura do ano, mas é no verão que sabe melhor, a acompanhar uma refeição leve, numa tarde na esplanada ou até num concerto ao ar livre.

Cerveja e verão combinam bem e complementam-se. Talvez por isso, os portugueses, para além de grandes apreciadores de cerveja, são também produtores de marcas reconhecidas internacionalmente. É o caso da Super Bock, fabricada a poucos quilómetros do Porto, que é única marca no mercado a ganhar 36 medalhas de ouro no concurso internacional Monde Selection da la Qualité. A cor, o sabor, a espuma e o corpo são únicos e fazem com que seja a preferida dos portugueses e estrangeiros que visitam Portugal. A mesma fábrica produz também a Cristal, a cerveja mais antiga do mercado português. Existe desde 1890 e também já conquistou várias medalhas de ouro. Para quem prefere cervejas com menos álcool, a Cheers garante o melhor sabor e mais leveza.

Queima das Fitas – A grande festa dos estudantes do Porto
26 Abril, 2018 / , ,

De 6 a 12 de maio os estudantes universitários do Porto estão em festa e a cidade é invadida por uma enorme onda de cor e alegria. Concertos, um gigantesco cortejo e várias atividades culturais envolvem mais de 350 mil estudantes.

A tradição mantem-se há décadas. Durante uma semana, os estudantes universitários do Porto estão em festa, saindo à rua com os trajes académicos, vestes negras que ganham cor cartolas, bengalas e fitas nas pastas que ostentam a cor de cada curso. A festa começa com uma monumental serenata, às zero horas de domingo, dia 6. Na terça-feira, durante a tarde e noite, os estudantes percorrem as ruas da cidade num cortejo que acaba por envolver os seus familiares, os portuenses e os turistas. O cortejo começa junto à Reitoria da Universidade do Porto e termina nos Aliados.

A Missa da Bênção das Pastas, que também tem lugar nos Aliados, é outro dos pontos altos de um intenso programa, que inclui também concertos no Parque da Cidade.

Igreja de Santo Ildefonso
18 Abril, 2018 / , , ,

A Igreja de Santo Ildefonso tem cerca de 11.000 azulejos na frontaria e nos lados das torres sineiras.

Estes azulejos são da autoria de Jorge Colaço, que também criou os azulejos da Estação de São Bento, e representam cenas da vida de Santo Ildefonso e do Evangelho. Foram colocados apenas em 1931, mas a construção da igreja é bastante mais antiga.

A Igreja de Santo Ildefonso começou a ser construída em 1709, tendo a primeira fase (ainda sem as torres sineiras) ficado concluída em 1730. No interior destacam-se oito vitrais e um retábulo em talha barroca e rococó da primeira metade do século XVIII, da autoria de Nicolau Nasoni. Ao visitar esta igreja, situada em plena Baixa do Porto, não deixe de prestar atenção a duas grandes telas de 5,80 x 4,30 metros, suspensas nas paredes laterais, pintadas entre 1785 e 1792.

Na zona do coro existe um órgão de tubos do início do século XIX, que foi restaurado. A igreja apresenta também vestígios de um antigo cemitério, descoberto aquando das obras de recuperação do pavimento realizadas em 1996.

Foi a partir da escadaria desta igreja que em 1891 foram disparados os tiros que acabariam com a revolução que foi a primeira tentativa de implantação da República em Portugal.

Um sabor único com séculos de tradição – O que precisa de saber sobre o Vinho do Porto
18 Abril, 2018 / , , ,

Produzido na Região Demarcada do Douro, é mundialmente famoso e pode ser saboreado nas mais diversas ocasiões.

Os socalcos e o clima do Douro aliam-se à experiência adquirida durante séculos para criar um vinho único no mundo, com um aroma e sabores exclusivos, que apresenta uma grande diversidade de cores – que vão desde o retinto ao branco pálido, passando pelo branco dourado) e doçuras (muito doce, doce, meio-seco ou extra seco).

O tipo de envelhecimento leva a dois tipos diferentes de Vinho do Porto. Os vinhos Ruby mantêm a cor tinta, o aroma frutado e o vigor dos vinhos jovens. Em termos de qualidade, podem ser divididos em Ruby, Reserva, Late Bottled Vintage (LBV) e Vintage. Os vinhos das melhores categorias, principalmente o Vintage, podem ser guardados vários anos, pois envelhecem bem em garrafa.

Os Tawny são obtidos por lotação de vinhos de grau de maturação variável, através do envelhecimento em cascos ou tonéis. As cores podem ser o tinto-alourado, alourado ou alourado-claro e os aromas evocam os frutos secos e a madeira, características que são acentuadas com a idade. As categorias existentes são: Tawny, Tawny Reserva, Tawny com Indicação de Idade (10 anos, 20 anos, 30 anos e 40 anos) e Colheita. Podem ser consumidos pouco depois de engarrafados.

Francesinha – Receita
18 Abril, 2018 / ,

A inspiração veio do croque-monsieur, mas o molho inventado num restaurante do Porto e os ingredientes portugueses deram-lhe um sabor único. É um dos pratos típicos do Porto, ideal para os dias e noites mais frios. Eis uma receita simples para fazer quando regressar a casa e sentir saudades do Porto.

Molho:

1 Cerveja

1 cubo de Caldo de Carne

1 Folha de Louro

1 Colher de sopa de margarina

1 Cálice de brandy ou vinho do porto

1 Colher de sopa de farinha de amido de milho

2 Colheres de sopa de polpa de tomate

1 dl de leite

Piripiri q.b.

Modo de preparação

Dissolva bem a farinha com o leite e adicione os restantes ingredientes. Com a varinha mágica triture o preparado. Leve ao lume até ferver e engrossar um pouco mexendo sempre para não pegar.

Sande:

4 fatias de Pão de forma (sem côdea)

2 bifes

2 salsichas

2 linguiças

2 fatias de queijo

2 fatias de fiambre

Tempere as bifanas com sal e pimenta e grelhe-as. Grelhe também a salsicha e a linguiça. Torre ligeiramente as fatias de pão de forma. Num prato que possa ir ao forno coloque 1 fatia de pão de forma, o bife, sobre esta a salsicha ao meio no comprimento e na largura, a fatia de fiambre e a linguiça cortada como a salsicha. Tape com a outra fatia de pão de forma e coloque sobre esta 1 fatia de queijo. Depois de montadas as francesinhas, coloque sobre elas o molho bem quente e leve ao forno previamente aquecido para derreter o queijo.

O Porto e os ingleses – Uma amizade de séculos
18 Abril, 2018 / ,

É bem conhecida a influência dos ingleses na cidade por via do Vinho do Porto, mas a relação entre portuenses e britânicos é muito mais antiga.

O primeiro contacto terá acontecido em junho de 1147, quando os cruzados ingleses que se dirigiam à Terra Santa ficaram 11 dias no Porto à espera das forças comandadas pelo conde de Areschot e por Cristiano de Gistell, que se tinham separado da armada devido a um temporal. O primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, ao saber deste facto, procurou estabelecer um acordo com os seus chefes, convencendo-os a ajudar na conquista de Lisboa aos mouros.

O relacionamento intensificou-se durante a Idade Média, com o estabelecimento de relações comerciais. Panos, vinho, madeira, peles e pescado eram os produtos transacionados entre os dois países.

A 2 de fevereiro de 1367 a Sé do Porto foi palco do casamento entre D. João I e D. Filipa de Lencastre, uma união que teve como contrapartida o apoio dos britânicos na luta com Castela.  Em 1642, dois anos após a restauração da independência de Portugal, o Porto recebe o primeiro cônsul britânico, Nicholas Comerforde.