Sugestões

Festival Pão de Portuga: O sabor da tradição em Albergaria-a-Velha
6 Junho, 2018 / , ,

Albergaria-a-Velha recebe, de 1 a 3 de junho, o Festival Pão de Portugal, um evento que irá reunir mais de 70 variedades de pão português, vindo de várias regiões do país.

São diferentes sabores, que têm em comum a tradição no fabrico e a enorme qualidade de um produto que está fortemente presente na gastronomia portuguesa, quer como acompanhamento ou refeição, quer como sobremesa, uma vez que Portugal tem uma grande variedade de pães doces.

Mas não só de pão se faz este festival! O Festival Pão de Portugal recebe também variados complementos, como compotas, queijos, enchidos, entre outros.

O certame contará ainda com um espaço dedicado ao fabrico, onde os presentes poderão conhecer todos os passos para a confeção deste alimento. Ainda na vertente gastronómica, e para além da presença de vários restaurantes, será possível assistir a showcookings.

Para além do evento gastronómico, o festival proporciona momentos de lazer, culturais e desportivos, como visitas aos moinhos de Albergaria-a-Velha, um festival de cinema documental, concertos e animação para todas as idades.

Informações:

Horários:

1 de junho – 17h à 01h00

2 de junho – 10h30 à 01h00

3 de junho – 10h30 às 20h00

Quinta Boa Vista, Albergaria-a-Velha

Entrada livre

Museu da Farmácia do Porto – A história da Humanidade através da saúde
19 Março, 2018 / ,

É um dos museus menos conhecidos do Porto, mas as histórias que conta começaram há milhões de anos. Até março serão mostrados objetos que nunca tinham sido expostos.

Embora situado fora do habitual circuito turístico, este museu reúne e exibe peças que vão despertar o interesse de visitantes de todas as idades. Até 31 de março, e para comemorar os 21 anos deste museu, é possível visitar a exposição “Museu Global 20 + 1”, com objetos que estão agora a ser mostrados pela primeira vez ao público, como a embalagem da primeira penicilina tomada em Portugal, em 1945.

Uma máscara de ferro, usado no século XVII para tratar doenças do foro psicológico ou moral, ou a mochila de medicamentos utilizada pelo alpinista João Garcia quando subiu ao Evereste são alguns dos artigos que pode ver nesta exposição.

O Museu da Farmácia mostra objetos usados em civilizações antigas e diferentes culturas, como a Mesopotâmia, o Egipto, a Grécia, Roma, os Incas, os Astecas, o Islão, a África, o Tibete, a China ou o Japão entre outras. Uma reconstituição de uma antiga farmácia portuense mostra o património da farmácia portuguesa.

Informações:

Rua Engª Ferreira Dias, 728, Porto

Horário: 2ª a 6ª-feira, das 10 às 18h00 e último sábado de cada mês das 14 às 18h00.

Bilhetes: Adulto 5,00€; Estudante 3,50€;> 65 anos, 3,50€; 50% para portadores do Porto Card

As sugestões de João Espírito Santo
15 Fevereiro, 2018 / , ,

É um dos mais famosos dentistas portugueses, com presença regular em programas televisivos e uma missão que o tem levado a revelar um lado solidário: fazer sorrir e cuidar da saúde oral, mesmo das pessoas em situação económica mais débil.

Em Portugal conhecem-no sobretudo como “Senhor Doutor” ou “Doutor João”, graças à sua participação num programa de televisão em que faz tratamentos dentários gratuitos aos mais desfavorecidos. Para além da das consultas e da investigação, tem dado aulas em escolas portuguesas e espanholas.

Nascido no Porto em 1979, João Espírito Santo estudou e trabalhou quase sempre na cidade, onde fundou e dirige a clínica Medical Art Center. Apesar de, por questões académicas e profissionais ter viajado muito durante os últimos anos, o Porto, e sobretudo a zona da Foz são a sua base. É aqui que tem a sua clínica e que reside e é nesta área que estão alguns dos seus locais favoritos. Casado e pai de três filhos, João Espírito Santo aprecia os pratos e restaurantes mais tradicionais, mas também não dispensa um passeio em família junto ao mar ou perto do Rio Douro.

  • Bar 

Casa do Livro (R. da Galeria de Paris, 85 Porto)

Fé Wine & Club (Praça D. Filipa de Lencastre nº1)

  • Restaurante

Cepa Torta

  1. de Gondarém 843, Porto
  • Um passeio

Pelos jardins de Serralves

Ou fazer um passeio de bicicleta da Foz até à Afurada, atravessando de barco e regressando pela ponte D. Luís

  • Local romântico

Jardins do Museu do Vinho Porto –  Rua de Monchique 94

  • Um segredo da cidade (local pouco conhecido)

Enroladinhos de fiambre na Casa Bacelar (Praça Dom Afonso V, 55, Porto) Filetes ou cabidela no Restaurante A Capoeira (Esplanada do Castelo 63, Porto) Capela de Santa Teresinha

 

Galeria da Biodiversidade – Centro Ciência Viva
6 Fevereiro, 2018 / , , , ,

Totalmente dedicada à Biodiversidade, a Galeria da Biodiversidade – Centro Ciência Viva é muito mais do que um museu. Juntando ciência e arte, este é um espaço moderno e pensado para criar experiências inesquecíveis. Até ao final de abril recebe a exposição fotográfica Photo Ark.

Este centro integra a Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP), constituindo, com o Jardim Botânico, um dos polos desta instituição ligada à Universidade do Porto. Localizada na mítica Casa Andresen – que inspirou a famosa poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner – a Galeria da Biodiversidade está rodeada pelo Jardim Botânico, que é também um ponto de visita obrigatório para amantes da ciência.

É um local onde as artes se cruzam com a biologia e a história natural, estimulando a interatividade e as experiências sensoriais. A exposição permanente integra 49 módulos expositivos e instalações, organizados em 15 temas principais que abordam vários aspetos da diversidade biológica e cultural, mas de uma forma praticamente única em todo o mundo. Desde os modelos mecânicos até às plataformas multimédia, existem várias formas de envolver o visitante em histórias sobre a vida contadas através da ciência, da literatura e da arte.

 

 

 

Arca de Noé fotográfica

Até 29 de abril, a Galeria da Biodiversidade recebe a exposição fotográfica da National Geographic Photo Ark, baseada no projeto de Joel Sartore. Há 10 anos, este fotógrafo traçou um objetivo: fotografar todas as espécies existentes em cativeiro, para criar um dos maiores arquivos de biodiversidade do mundo. Esta “Arca de Noé fotográfica” pretende sensibilizar o público a dedicar-se à conservação dos animais mais vulneráveis. Foram já retratadas mais de 7000 espécies e as melhores imagens podem agora ser vistas nesta exposição imperdível.

Informações:

Galeria da Biodiversidade

Rua do Campo Alegre, n.º 1191, Porto

Horário: de Terça a domingo, 10h00 às 18h00

Bilhete normal: 5€

O Porto de Catarina Beirão
15 Janeiro, 2018 / , ,

Tem 17 anos e as praias do Porto e Matosinhos são quase uma segunda casa para esta promissora surfista portuguesa e campeã regional feminina na categoria sub-18. A paixão pelo surf surgiu há cinco anos e já a levou a muitas praias nacionais e estrangeiras, mas é no Porto que estão alguns dos seus locais favoritos.

A atleta do Surf Club do Porto não esconde a sua paixão pelo mar e pelas praias do Porto, partilhando com os leitores do Hey Porto algumas das suas sugestões para dias bem passados na cidade.

 

Bar: Bonaparte, Avenida Brasil

Gosto do ambiente. Gosto porque é um bar tradicional na zona onde sempre vivi, por ter uns pregos ótimos, e porque vou lá com família e com amigos.

 

Restaurante– Picaba – Edifício Transparente- Comida saudável, em frente ao mar e à praia onde comecei a fazer surf. Os empregados conhecem-nos e fazem-nos sentir em casa. Tem um menu Surf e porque, por mais vezes que lá vá, nunca me canso.

 

Passeio: marginal da foz até à Ribeira – passear para mim tem que ser ao pé de água, e idealmente a ver o mar. Tenho a sorte de viver numa zona única do Porto, quase em frente ao mar, o que me faz fazer este passeio com muita regularidade. Um passeio que nunca se repete, porque o especial do mar é que nos faz sempre vê-lo de forma distinta. Há um cheiro inconfundível da maresia, e até nos dias de nevoeiro e frio a “ronca” (som proveniente do farol para avisar os barcos em dias de nevoeiro) torna este passeio único.

 

Local ideal para fazer surf: praia da Maceda (Ovar, Aveiro)

Adoro o acesso pelo meio da floresta e as falésias que constituem a praia. Parece mesmo um spot de sonho de surf!

 

Um segredo da cidade: Jardim das Virtudes – já foi menos conhecido… mas continua a ser um local com alguma magia. Lembro-me da primeira vez que lá fui e percebi a vista maravilhosa que este jardim tem. Uma vista para o nosso rio Douro e, ao mesmo tempo em plena Baixa, com o tribunal e o jardim da Cordoaria atrás. Não tenho dúvidas de que sempre que alguém lá vai pela primeira vez fica surpreendido por ter uma das vistas mais bonitas da nossa cidade.

Passeio – Capela de Fradelos
7 Novembro, 2017 / , , , ,

“O Porto a penantes” – penantes é uma expressão tipicamente portuense que significa “andar a pé” – é um projeto pessoal de Joaquim Lino, que gosta de percorrer a pé e de fotografar alguns dos recantos da cidade. Todos os meses vai partilhar com os leitores do Hey Porto! alguns desses passeios, deixando sugestões para que quem visita a cidade possa descobrir segredos que, muitas vezes, nem os próprios portuenses conhecem.

Recentemente, numa dessas incursões pela cidade, entrou na Capela de Fradelos, uma pequena igreja do final do século XIX, situada no cruzamento das ruas Guedes de Azevedo e Sá da Bandeira, que geralmente fica fora dos principais roteiros turísticos, mas que merece ser conhecida. Na fachada principal e no interior existem azulejos da autoria de Jorge Colaço, o mesmo autor dos azulejos que decoram a Estação de São Bento e a Igreja de Santo Ildefonso. Destacam-se ainda o teto de estuque decorado por medalhões de centro dourado.

PortoaPenantes

Rua Sá da Bandeira
7 Novembro, 2017 / , , ,

Hoje é uma das ruas mais centrais e movimentadas do Porto, mas nasceu num local anteriormente ocupado por terrenos agrícolas, vielas e até cocheiras.

O próprio nome da rua tem uma história curiosa: Bernardo Sá Nogueira de Figueiredo era marechal fiel às tropas liberais. Durante o Cerco do Porto, na guerra travada entre Liberais e Absolutistas, o braço onde transportava a bandeira liberal foi-lhe amputado pelo inimigo. Passaria a ser conhecido como Sá da Bandeira. Mais tarde assumiria cargos políticos de relevo, chegando mesmo a ministro. Seria também distinguido com os títulos de barão, visconde e marquês.

A Rua Sá da Bandeira só surgiu no século XIX: até então, esta era ainda uma zona com quintas e terrenos de cultivo, muitos deles pertencentes a D. Antónia Adelaide Ferreira (A Ferreirinha), um dos nomes mais importantes na história do Vinho do Porto. A zona tinha também pequenas vielas, que foram quase totalmente demolidas.

A rua começou a ser construída em 1836, mas as primeiras casas só surgiriam sete anos depois. Em 1875 foi prolongada até à Rua Formosa e a continuação até à Rua de Fernandes Tomás (1904) obrigou à demolição das cocheiras onde estavam os cavalos que nessa altura puxavam os transportes públicos da época. Mais tarde, a rua viria a ser prolongada até para Sul e posteriormente para Norte, até ganhar a forma atual.

 

Pontos de Interesse

 

Teatro Sá da Bandeira

Abriu em 1870, mas antes já tinham existido no mesmo local estruturas mais rudimentares destinadas a espetáculos. Por ali passou, em1895, Sarah Bernhardt e foi também neste local que foram exibidos os primeiros filmes feitos em Portugal. Terá sido o primeiro teatro do Porto a usar iluminação elétrica.

 

 

Mercado do Bolhão

O mercado mais tradicional da cidade foi construído em cima de uma bolha de água (daí o seu nome). Datado de 1850, é um belo exemplo da arquitetura neoclássica, mas é o seu interior, onde a alma Porto está mais presente. Os produtos frescos, a simpatia dos vendedores e a frescura dos produtos tradicionais portugueses merecem uma visita.

 

 

Palácio do Comércio

Edifício de habitação, comércio e escritórios, que surpreende pela sua imponência. Vale a pena prestar atenção às esculturas de cavalos que estão no topo, bem como a toda a sua arquitetura. Foi construído nos anos 40 pelo casal de arquitetos David Moreira da Silva e Maria José Marques da Silva, filha de José Marques da Silva, um dos arquitetos mais importantes da cidade.

 

 

Antigo café A Brasileira

Atualmente está em obras para se transformar num hotel, mas este é um edifício com história. Em 1903, Adriano Teles, que tinha sido emigrante no Brasil, abriu este café para dar a conhecer a sua própria marca de café. Durante as décadas de 50 e 60 era local habitual de tertúlias.

As sugestões de Joaquim de Almeida
6 Novembro, 2017 / , , ,

Com uma carreira de quase 40 anos e mais de 100 filmes e séries de televisão, Joaquim de Almeida é o ator português mais famoso em todo o mundo. Vive nos EUA, onde se desenvolve a maior parte da sua carreira, mas passa alguns períodos do ano em Portugal.

Nasceu em Lisboa em março de 1957, sendo o sexto de oito filhos de um casal de farmacêuticos. A sua carreira, contudo, viria a ser outra e, ainda muito jovem, optou por seguir a profissão de ator. Quando o Conservatório de Lisboa foi temporariamente fechado, devido à agitação causada pela revolução do 25 de abril, mudou-se para Viena para continuar a estudar. Nessa altura chegou a trabalhar como jardineiro.

Em 1976 foi para Nova Iorque para estudar representação com Lee Strasberg, Nicholas Ray e Stella Adler, enquanto trabalhava num bar. O seu primeiro papel de relevo surgiu em 1981 no filme “”The Soldier”, mas seria “Good Morning Babylon” a lançá-lo numa carreira internacional que, desde então, ainda não parou. Trabalhou com atores e realizadores como Harrison Ford, Gene Hackman, Antonio Banderas, Robert Rodriguez, Steven Soderberg, Benicio del Toro ou Kiefer Sutherland.

Aos papéis como ator convidado em séries como “CSI Miami” ou “Bones” – onde despenhou muitas vezes o papel de vilão latino – somou participações regulares em temporadas de outras, como “24”, “Queen of the South” ou “Training Day”. Simultaneamente, continuou a trabalhar com realizadores e atores portugueses, tendo alcançado sucessos de bilheteira e conquistado vários prémios e distinções.

Melhor bar

Numa vertente mais cultural, Os Maus Hábitos. Para sair tarde pela noite fora, em qualquer dia da semana, a Casa Do Livro

Melhor Restaurante

É difícil escolher um. Assim, vão três: O Oficina do chefe Marco Gomes ou o LSD do chef João Lupo e também o menos conhecido Paparico, talvez o maior segredo para comer bem no Porto

Sítio Romântico e Passeio

Subir o Douro no barco que foi construído para os 60 anos de Reinado da Rainha Isabel de Inglaterra. Passar duas noites nuns quartos acolhedores e usufruir de um serviço de primeira. Em Setembro e Outubro é a melhor altura para o fazer.

Segredo da Cidade

É a vista que se tem a partir do espaço da Cooperativa Árvore. Que lindo que é ver o Douro dali, passar a tarde entre um vinho e um petisco…Bem perto do centro e, mesmo assim, ainda tão desconhecido dos portuenses.

Álvaro Costa
22 Agosto, 2017 /

Profissional da rádio e da TV, DJ e comentador, Álvaro Costa é uma das figuras mais marcantes do panorama audiovisual português. A música e o cinema são duas das suas grandes paixões, mas também fala sobre futebol ou política internacional com o mesmo conhecimento e sempre com um humor incomparável.

Nasceu em Vila do Conde em Agosto de 1959, mas é no Porto que reside e é aqui que tem desenvolvido grande parte da sua carreira, que também passou já pela BBC.

Na rádio, na televisão ou na web, Álvaro Costa é um verdadeiro especialista em cultura pop e tem um verdadeiro dom para descobrir novos talentos. É um comunicador nato, com um grande sentido de humor, o que lhe granjeou grande popularidade junto do público português.

A sua atividade como radialista começou no Porto nos anos 80 e ainda nessa década chegaria à televisão com os programas “Rock Em Português” e “Videopólis”. Em finais dos anos 80 foi para Londres para trabalha no canal “Music Box” e onde colaborou com a secção portuguesa da BBC. Na década de 90 viveu nos EUA.

A sua carreira na rádio e na televisão portuguesas tem sido marcada por diversos projetos. Um dos que lhe trouxe mais popularidade foi “A Liga dos Últimos”, um programa sobre o futebol amador.  Sempre atento às novas tecnologias de informação, Álvaro Costa criou também programas para a web.