Destaque

Ribeira – o mais famoso postal do Porto
17 Outubro, 2017 / ,

A paisagem é inconfundível e mundialmente famosa devido à sua beleza e singularidade. O casario e as ruas estreitas enquadram o Rio Douro, onde os barcos rabelos e as pontes ajudam a compor um quadro colorido e inesquecível.

A Ribeira é uma das zonas mais famosas da cidade e local obrigatório para quem quer conhecer a cidade e guardar, em fotografia ou vídeo, uma paisagem que permanece na memória. Na verdade, a história do Porto está intrinsecamente ligada à Ribeira, pois foi a partir daqui que foi sendo construída não só a cidade, como a própria alma dos portuenses.

O Rio Douro foi, desde tempos remotos, um local de comércio e de intercâmbio de culturas; os comerciantes de várias partes do mundo deixavam aqui as suas mercadorias, levando pelo mundo foram produtos como o Vinho do Porto, que ajudariam a dar fama e riqueza a esta cidade única.

A zona da Ribeira está incluída na classificação de Património da Humanidade atribuída pela UNESCO. Percorrer as suas ruas estreitas, contemplar o rio ou deixar-se encantar pelos seus monumentos e gastronomia são atividades “obrigatórias” para que visita a cidade.

Pontos de interesse:

Praça da Ribeira: O chafariz foi reconstruído após descobertas arqueológicas realizadas nos anos 80. Nessa altura foi também instalado na praça o Cubo da Ribeira, uma escultura da autoria de José Rodrigues. A estátua de São João Baptista, feita por João Cutileiro, foi colocada no chafariz no ano 2000. Com uma localização invejável e diversas esplanadas, é o local ideal para parar um pouco e desfrutar da paisagem.

Capela da Senhora do Ó: Edifício datado do séc. XVII, remodelado no séc. XIX após a destruição ocorrida durante as lutas liberais. No interior, destaca-se um retábulo em talha de inícios do séc. XVIII e a imagem da Senhora do Ó, proveniente da capela da Porta da Ribeira, que foi demolida em 1821.

Pilares da Ponte Pênsil: A ponte abriu ao público em 1843, respondendo assim à necessidade de uma travessia permanente entre o Porto e Gaia. Existiu apenas durante 44 anos, já que a população não confiava na sua segurança. Foi substituída pela Ponte de Luiz I, mas ainda restam dois pilares em pedra, em forma de obelisco.

Alminhas da Ponte: um baixo-relevo que recorda um dos momentos mais trágicos da história do Porto. Durante as Invasões Francesas, centenas de pessoas tentaram fugir para a outra margem percorrendo uma ponte feita de barcos. A ponte afundou com o peso e ainda hoje são colocadas no local velas em memória das muitas vítimas desta tragédia.

Postigo do Carvão: É o único que resta das 18 portas e postigos que existiam nas Muralhas Fernandinas, construídas no séc. XIV em redor da cidade do Porto. Fazia a ligação da Rua da Fonte Taurina ao Cais da Ribeira, onde atracavam os barcos no rio Douro.

 

Ribeira – o mais famoso postal do Porto
12 Outubro, 2017 / ,

A paisagem é inconfundível e mundialmente famosa devido à sua beleza e singularidade. O casario e as ruas estreitas enquadram o Rio Douro, onde os barcos rabelos e as pontes ajudam a compor um quadro colorido e inesquecível.

A Ribeira é uma das zonas mais famosas da cidade e local obrigatório para quem quer conhecer a cidade e guardar, em fotografia ou vídeo, uma paisagem que permanece na memória. Na verdade, a história do Porto está intrinsecamente ligada à Ribeira, pois foi a partir daqui que foi sendo construída não só a cidade, como a própria alma dos portuenses.

O Rio Douro foi, desde tempos remotos, um local de comércio e de intercâmbio de culturas; os comerciantes de várias partes do mundo deixavam aqui as suas mercadorias, levando pelo mundo foram produtos como o Vinho do Porto, que ajudariam a dar fama e riqueza a esta cidade única.

A zona da Ribeira está incluída na classificação de Património da Humanidade atribuída pela UNESCO. Percorrer as suas ruas estreitas, contemplar o rio ou deixar-se encantar pelos seus monumentos e gastronomia são atividades “obrigatórias” para que visita a cidade.

Pontos de interesse:

Praça da Ribeira: O chafariz foi reconstruído após descobertas arqueológicas realizadas nos anos 80. Nessa altura foi também instalado na praça o Cubo da Ribeira, uma escultura da autoria de José Rodrigues. A estátua de São João Baptista, feita por João Cutileiro, foi colocada no chafariz no ano 2000. Com uma localização invejável e diversas esplanadas, é o local ideal para parar um pouco e desfrutar da paisagem.

Capela da Senhora do Ó: Edifício datado do séc. XVII, remodelado no séc. XIX após a destruição ocorrida durante as lutas liberais. No interior, destaca-se um retábulo em talha de inícios do séc. XVIII e a imagem da Senhora do Ó, proveniente da capela da Porta da Ribeira, que foi demolida em 1821.

Pilares da Ponte Pênsil: A ponte abriu ao público em 1843, respondendo assim à necessidade de uma travessia permanente entre o Porto e Gaia. Existiu apenas durante 44 anos, já que a população não confiava na sua segurança. Foi substituída pela Ponte de Luiz I, mas ainda restam dois pilares em pedra, em forma de obelisco.

Alminhas da Ponte: um baixo-relevo que recorda um dos momentos mais trágicos da história do Porto. Durante as Invasões Francesas, centenas de pessoas tentaram fugir para a outra margem percorrendo uma ponte feita de barcos. A ponte afundou com o peso e ainda hoje são colocadas no local velas em memória das muitas vítimas desta tragédia.

Postigo do Carvão: É o único que resta das 18 portas e postigos que existiam nas Muralhas Fernandinas, construídas no séc. XIV em redor da cidade do Porto. Fazia a ligação da Rua da Fonte Taurina ao Cais da Ribeira, onde atracavam os barcos no rio Douro.

As praias do Porto
10 Julho, 2017 /

Os dias de sol e de calor convidam a uma ida à praia e no Porto não é preciso ir muito longe para encontrar um lugar tranquilo à beira-mar para apanhar sol, passear, saborear um deliciosa refeição ou uma bebida fresca.

Ter praia na cidade é um sonho fácil de concretizar para quem está no Porto. Conheça as nove praias com Bandeira Azul onde pode desfrutar do Verão sem abdicar da vida na cidade.

Praia do Ourigo – A tradição dos banhos na Praia do Ourigo já remonta ao século XVI, quando se acreditava que estas águas curavam doenças.

Praia do Homem do Leme – Ideal para quem tem crianças, já que dispõe de dois parques infantis. É uma praia rochosa, com um areal de 374 metros. O nome vem da estátua de bronze, colocada na Avenida de Montevideu, que presta homenagem aos pescadores.

Praia do Carneiro – Tem um areal extenso e já é bastante frequentada desde o século XIX. Há alguns séculos aquela era uma zona de pastoreio. Diz a lenda popular que foi ali que um desses carneiros se perdeu do rebanho. A imagem do carneiro ficou eternizada em cima do Chalé Suíço (um quiosque que ainda hoje existe na Rua do Passeio Alegre).

Praia das Pastoras – O areal é delimitado por dois molhes, o que a protege do vento. É neste local que o Rio Douro desagua no Oceano Atlântico. Tem este nome porque era costume as pastoras trazerem aqui os seus carneiros a pastar as ervas e a maresia.

Praia de Gondarém – Praia com 115 metros de extensão. O nome desta praia deriva do Latim e significa algo como “descanso na batalha”. Tem um paredão de pedra que é encoberto para preia-mar, tornando-a mais segura para crianças.

Praia do Molhe – Tem uma extensão de 168 metros e deve o seu nome à estrutura costeira, semelhante a um pontão, que avança para o mar e que delimita a zona de banhos. A paisagem é embelezada pela Pérgola da Foz, uma balaustrada de cimento construída nos anos 30 que funciona como um miradouro privilegiado sobre o mar. A escadaria e a zona envolvente fazem com que seja uma das praias mais bonitas do Porto.

Praia dos Ingleses – Tal como o nome indica, era a praia preferida pela comunidade britânica do Porto. Tem um areal com 86 metros de areal, uma zona de declives bastante suaves e areia fina.

Praia da Luz – Um pequeno areal enquadrado por rochas e por uma zona ajardinada na Avenida do Brasil. Quando a maré está baixa podem ver-se dois pontões de apoio aos banhos do século XIX.

Praia do Castelo do Queijo – Situada junto ao Castelo do Queijo. É uma zona rochosa, bastante procurada por pescadores e por pessoas que procuram aproveitar as propriedades medicinais das rochas.

 

 

Cedofeita: uma rua com muitas vidas
23 Abril, 2017 / , ,

Foi uma das marcas da renovação urbana no século XVIII e um dos pontos de partida para o renascimento da Baixa, já no século XXI. Uma grande parte desta rua é pedonal, o que a torna perfeita para compras, passeios e para uma refeição tranquila.

As origens de Cedofeita parecem remontar ao século VI e à Igreja de São Martinho de Cedofeita. No entanto, estando afastada das muralhas medievais e da zona ribeirinha, só viria a desenvolver-se plenamente no século XVIII. Nessa altura, e perante o crescimento da cidade em termos económicos e demográficos, tornou-se importante fazer a ligação entre a parte portuária e a zona alta. A Rua de Cedofeita era então conhecida como Rua da Estrada e foi um dos pilares dos planos de urbanização que então foram delineados.

Começaram então a ser construídas as casas que ainda hoje existem: edifícios com dois a quatro andares, com varandas nos pisos superiores e montras voltadas para a rua. O elétrico chegou a passar nesta rua, célebre pelas lojas, como o extinto Bazar dos Três Vinténs (a placa ainda existe).

Apesar de ter sido “esquecida” durante algum tempo, Cedofeita tornou-se, nos últimos anos, um dos pontos centrais de nova vida da Baixa do Porto, tirando partido da proximidade de locais como a Rua Miguel Bombarda ou a Praça Carlos Alberto.

Curiosidades:

No n.º 395 desta rua terá vivido o rei D. Pedro, durante o cerco do Porto, em que as tropas liberais, lideradas por D. Pedro, estiveram cercadas pelos apoiantes do seu irmão, D. Miguel.

No número º 159 habitou Carolina Michaelis, uma ilustre crítica literária e escritora, que foi a primeira mulher a dar aulas numa universidade portuguesa

A Rua de Cedofeita tem 840 metros de extensão: começa na Praça Carlos Alberto e termina na Rua da Boavista.

A escritora portuense Agustina Bessa-Luís dizia que a Rua de Cedofeita era “a mais bonita” do Porto.

Na primeira década deste século, chegou a existir um projeto para que a Rua de Cedofeita passasse a ter uma cobertura em vidro

Mercado do Bolhão
11 Abril, 2017 / ,

A alma do Porto num local mítico

Os sons, os cheiros, as cores, os sabores e a alma da cidade num só espaço. O mítico Mercado do Bolhão, em plena Baixa, é um dos pontos mais pitorescos da cidade.

Classificado como imóvel de interesse público em 2006, o Mercado do Bolhão vai entrar brevemente em remodelação. Esta pode ser, por isso, a última oportunidade para conhecer um dos espaços mais tradicionais da cidade, onde os pregões das vendedoras se misturam com as cores e cheiros de produtos tradicionais.

Construído em 1914, este mercado tem entradas por quatro das ruas mais centrais da cidade: Fernandes Tomás, Alexandre Braga, Rua Formosa e Sá da Bandeira. No entanto, já desde a primeira metade do século XIX que ali existia um pequeno mercado, com algumas barracas de venda de produtos frescos.

A designação de Bolhão (bolha grande, em Português) surgiu devido à existência de uma bolha de água formada pelo rio que por ali passava.

Horário: De segunda sexta, das 08:00 às 17:00 horas.
Sábados, das 07:00 às 13:00 horas

Cinema regressa à Baixa
13 Março, 2017 / ,

O Cinema Trindade, no centro do Porto, volta a receber espetadores, 16 anos depois do encerramento.

Com o aparecimento das grandes salas em centros comerciais, os tradicionais cinemas da Baixa perderem público e acabaram por fechar portas. Uma tendência que se inverte agora, com a reabertura do Cinema Trindade e outros projetos em curso.

Este imponente cinema foi inaugurado em 1916, com a designação de “Salão Jardim Trindade”. Para além de uma sala com mais de mil lugares, possuía um terraço para cinema ao ar livre. O novo espaço, que reabre agora, está adaptado aos novos tempos, com duas salas, separadas por um foyer: uma com 183 lugares, outra com 168. A primeira centra-se no cinema de autor e a outra será um espaço para festivais, programadores independentes ou ciclos de cinema.

Este regresso do cinema à Baixa terá o seu ponto alto quando o Cinema Batalha passar a acolher a futura Casa do Cinema, um local que, para além de exibir filmes, terá também um espaço para investigação. A abertura deverá acontecer em 2018. O Cinema Passos Manuel, junto ao Coliseu, será também modernizado.

Rua do Almada 412, Porto

 

fotos: Miguel Nogueira/CM Porto

Sé do Porto: a joia da cidade
6 Março, 2017 / ,

A Sé do Porto começou a ser construída no século XII, mas ao longo dos séculos foi recebendo influências do Renascimento, Barroco e Rococó.

Só a arquitetura da Sé do Porto é suficiente para que seja considerada como uma das joias da cidade. Ao Gótico da construção inicial, visível no claustro e na Capela de São João Evangelista, junta-se o Maneirismo da Capela do Santíssimo Sacramento e seu altar de prata. O barroco do século XVIII está presente nos frescos da capela-mor e na sacristia, da autoria de Nicolau Nasoni, bem como nos azulejos do claustro.

O interior da Sé é um verdadeiro tesouro, com mobiliário de valor incalculável, onde se incluem mesas e lavatórios em mármores raros, as guarnições de espelhos, armários e um relógio de pau-preto em estilo Rococó.

No exterior, o Terreiro da Sé que é enquadrado pelos edifícios da Catedral, Casa do Cabido, Paço Episcopal e Casa da Câmara. É um dos miradouros privilegiados da cidade, já que dali é possível avistar a zona do Barredo, o Rio Douro e a cidade de Gaia.

Avenida dos Aliados – A sala de visitas do Porto
3 Março, 2017 / ,

É o coração da cidade, onde se recebem chefes de Estado, celebram vitórias e se assinalam datas importantes, como a Passagem de Ano ou o São João.

Na verdade, o espaço que é vulgarmente designado como Avenida dos Aliados, inclui também a Praça da Liberdade  (a sul) e a Praça do General Humberto Delgado, do lado norte, onde se situa o edifício da Câmara Municipal. A localização central e as suas dimensões permitem acolher milhares de pessoas, sendo por isso o local escolhido para assinalar os grandes momentos da vida da cidade.

O granito predomina nos edifícios, muitos deles verdadeiras obras de arte construídas durante um período áureo para o Porto. Os planos para fazer deste local uma praça pública remontam ao século XVII, mas seriam precisos vários anos até que as obras avançassem. Os campos agrícolas deram lugar a arruamentos mais modernos, mas seria preciso esperar pelo século XIX para que este lugar se tornasse no centro político, económico e social da cidade. Cafés e botequins ocupavam um espaço que mais tarde viria a ser de bancos e escritórios e que hoje, para além de esplanadas e restaurantes, acolhe também hotéis e lojas, bem como estátuas e esculturas que contrastam com o espelho de água e calçada em granito, de construção mais recente.

As obras da avenida tiveram início em 1916, com a demolição do anterior edifício dos Paços do Concelho. A nova Câmara Municipal resulta de um projeto do arquiteto Correia da Silva datado de 1920, mas as instalações só ficariam concluídas nos anos 50.

Já no século XXI, e devido à construção de uma estação de metro nos Aliados, o espaço viria novamente a ser requalificado, num projeto dos arquitetos Álvaro Siza e Eduardo Souto Moura.

 

Pérola Negra: noites vintage no coração da Baixa
19 Fevereiro, 2017 / ,

O Pérola Negra recupera o espírito das noites dos anos 80 e 90 num espaço que mantém a estética “retro” e algo burlesca e onde a diversão é garantida.

É um dos mais recentes espaços de diversão noturna na cidade do Porto. O Pérola Negra, que durante mais de 40 anos funcionou como boîte destinada ao público masculino, manteve a decoração onde predominam madeiras escuras, as paredes com espelhos e bancos forrados a vermelho em redor de pista de dança com estrado e bola de cristais.

Hoje é um local de diversão para várias gerações, localizado em plena Baixa e, por isso, ideal para uma noite bem passada. Para além deste novo conceito de “um espaço para todos”, o Pérola Negra aposta também em recuperar o espírito das noites dos anos 80 e 90, quando a noite começava com a abertura da pista de dança, com efeitos de fumos e uma música específica. Depois, e à medida que as horas passam, a música torna-se mais atual e a pista é invadida pelos mais recentes hits da música de dança.

Rua de Gonçalo Cristóvão 284, Porto

Informações/Reservas telf-935200913

Fantasporto: cinema fantástico no Rivoli
19 Fevereiro, 2017 / ,

Entre 20 de fevereiro e 4 de março o Festival Internacional de Cinema do Porto- Fantasporto vai mostrar 132 filmes de 35 países, incluindo antestreias mundiais.

Classificado entre os 10 melhores festivais independentes do mundo, o Fantasporto faz parte da tradição cultural da cidade. A 37ª edição apresenta a melhor seleção de cinema fantástico e contemporâneo em forma de longas e curtas-metragens, cinema de animação e experimental.

A abertura oficial será feita com The Age of Shadows” de Jee-woon Kim. Em estreia mundial estará “The Evil Within” (EUA), o único filme realizado pelo falecido Andrew Getty. Foram também selecionados filmes premiados em Cannes, Locarno, Veneza ou Toronto. Nas retrospetivas, destaque para o Cinema de Ação de Taiwan e para uma seleção do moderno cinema argentino.

Uma das novidades deste ano será a Secção “Mini Me”, dedicada ao público infantil  e pré- adolescente. A programação paralela inclui também conferências, workshops e uma exposição.

Teatro Municipal Rivoli, Porto

Bilhetes: 5 euros (exceto para as sessões de abertura e encerramento)